.posts recentes

. Ignorante

. Falar de quê?

. As sombras

. O poder da vontade

. Apenas imaginar

. As festas

. As casas

. Alcobaça

. A circunstância

. O que me falta

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Segunda-feira, 28 de Maio de 2007

Ida e volta

Apenas ficar longe de casa. Frente a outros verdes, a outro mar, a sons e cheiros diferentes, em busca de sabores mais requintados, até olhares. Tudo serve para sorver e vida com todos os sentidos e algumas emoções.

 

                                           JARDIM DE HOTEL

 

                                 Se eu fosse borboleta

                                  pousava

                                  naquela rosa, além.

                                  Como um brinco,

                                   balançava

                                   na rosa que vai e vem,

                                   levada pela brisa

                                   que o mar envia.

 

                                   E se eu fosse a rosa,

                                   dava pouso à borboleta

                                   que esvoaça,

                                   ignorando a alegria,

                                   em mim desperta

                                   por esta visão formosa.

 

                                   Assim,

                                   eu soubesse,

                                   em que parte de mim,

                                   resplandece

                                   esta harmonia

                                   e porquê,

                                   uma rosa amarela

                                   e uma normal borboleta,

                                   fazem nascer poesia.

 


publicado por velhoparafuso às 17:36

link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|

Sábado, 12 de Maio de 2007

Amanhã

Amanhã vou acabar uma pintura, há meses à espera das cores ideais. Amanhã saio cedo para sentir o ar fresco desta primavera. Amanhã vou ver uma Amiga doente. Amanhã começo a coser roupa para usar no verão quente que se aproxima. Amanhã devo acabar de compilar os versos que quero publicar. Amanhã... Amanhã... Porquê ? E não hoje, a passar cada segundo sem produzir o que mais desejo ver realizado nesta longa vida? Amanhã já não estarei aqui. Talvez venha a conhecer quem sou, como fui e como serei. Para memória fica o inacabado porque o fim não existe. Não há conclusão, não há princípio, apenas a continuação do todo existente.Pensamentos que guardo para amanhã. Agora ouço com agrado o CD de Enya com música celta The memory of trees.  Boa noite.

publicado por velhoparafuso às 21:19

link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 1 de Maio de 2007

"Invoquem a Alma" de F.CARVALHO RODRIGUES

COMENTÁRIO : Ao ler este livro, de frases curtas e prosa poética, senti que me apeteceria comentá-lo para que o efeito que a sua leitura despertou em mim ,entrasse ainda mais profundamente na memória de todos os livros e autores eleitos, desde que aprendi a ler.

   E já lá vão sete décadas. A poesia está de mão dada com a prosa, numa alegria que atinje a Alma, a quem quer converter o título da obra numa caminhada pessoal. Aprender a amar o Todo. Aprender a analisar a Vida e tentar unir e abraçar os sonhos de todos os humanos e dos que connosco (quem sabe) fazem da Terra a sua Casa.

   

    BEM HAJA, PROF: CARVALHO RODRIGUES


publicado por velhoparafuso às 15:50

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds