.posts recentes

. É só domingo

. Passear comigo

. Abre e vê

. Hábito ou necessidade

. Lágrimas

. Calor e coração

. ...

. Manhã de nada

. ...

. Ignorante

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Terça-feira, 28 de Dezembro de 2010

Para tudo há um "porquê"

E começo pelo meu porquê. Quando ainda não sabia ler e já as dúvidas e as perguntas eram constantes, fui na família, a Maria Porquê. Quando me respondiam era certo e sabido que eu, agarrada à pessoa que falava comigo, mantinha o dialogo com perguntas, por vezes sem resposta possível. Esta Maria Porquê mantem-se a perguntar e talvez seja esse o alimento para cada dia de Vida. Esta necessidade de conhecer, de saber o "porquê" das coisas, faz-me procurar as causas e as origens. Enfim, dá-me estímulo para enfrentar estes dias, que podiam ser apenas uma espera, sem alternativa. Assim decorar, apontar tópicos sobre vários assuntos, procurar pessoas que tenham os mesmos interesses, fazem das minhas horas, horas ocupadas e felizes. Afinal a palavra é rica porque a resposta pode iluminar uma existência.  


publicado por velhoparafuso às 11:12

link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 15 de Dezembro de 2010

Teorema romântico

Escrever. Dedos no teclado e pensamento à deriva, ora neste lugar ora ali, quando o jardim tem gente. Passos e vozes. E música dos anos 50 brotando do computador. Não quero passar tempo, mas vivê-lo. A casa está quente, há livros para ler e outros interesses por aí dispersos. A noite fria já chegou. Gostaria de espalhar este calor que me consola, por muitos que estarão dele carentes, mas não sei como fazê-lo. Apenas vou usando a net para enviar palavras amigas. Talvez cheguem a algum coração que queira aceita-las. Elas vão quentes e cheias de Amor.


publicado por velhoparafuso às 17:52

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Domingo, 12 de Dezembro de 2010

Aquilo que se recorda

Algures no tempo,  ancorei a infância e cedo a perdi. Também não a procurei. Para quê revivê-la se não contém as alegrias próprias e os espaços que deixam marcas para a vida? Recordo-a sim, com o orgulho de ter sido a criança que, entre uma guerra e outras guerras, endureceu e cresceu, sem perder as faculdades que trouxe a esta Vida. Das guerras todos sabem, da guerra de famílias já só eu sei e lembro. Quem a fez e escureceu meus dias, partiu há muito. Uns mais inocentes do que outros, estes mais vítimas do que aqueles, todos afinal eram o resultado de uma sociedade preconceituosa e porque não dizê-lo, ignorante. Mas amavam-me, disso eu sei. Recebi e dei amor, o amor que ainda me alimenta para escrever estas linhas sem qualquer ressentimento ou revolta por tudo que sofri. É com o Deus que em mim habita que troco estas mensagens e a resposta sempre vem. Guardo-a para me manter viva, a viver.


publicado por velhoparafuso às 11:45

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quinta-feira, 2 de Dezembro de 2010

Sem título

porque não é possivel condicionar as palavras que talvez escreva. Apetece-me utilizar aquele vocabulário proíbido pelos bons costumes. E não sei o porquê, apenas hoje é dia de explodir contra tudo que me rodeia. Não posso comer o que mais me agrada, tudo é esforço, etc etc, blá blá blá...Se olho o espelho e só o faço por necessidade, esforço-me por me reconhecer na imagem que passo para mim. Embora a vaidade ainda seja presente, quanto de ilusão nela se esbate...! E se deste espaço vejo uma nesga de mar, porque não usufrui-lo como uma benção? Quando almoço, posso observá-lo a refletir o céu ao longe, entre prédios e montes. Este texto, sem título, é bem a minha cara. Sem cor e sem expressão. Talvez seja do frio, que a todos nos tolhe. 


publicado por velhoparafuso às 16:38

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
13
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds