.posts recentes

. É só domingo

. Passear comigo

. Abre e vê

. Hábito ou necessidade

. Lágrimas

. Calor e coração

. ...

. Manhã de nada

. ...

. Ignorante

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Sexta-feira, 30 de Novembro de 2012

SONS DO TIBETE

Aula de Taichi.Gestos lentos, com simbolismo e algum conhecimento. Depois ouvir e sentir os sons de Taças Tibetanas, feitas de ligas de vários materiais, desde ouro a niquel e confecionadas por especialistas em som.  Produzem sons, cujas ondas vibratórias se propagam nos nossos corpos físicos, mentais e emocionais, para equilibrar situações de doença ou simplesmente causar bem estar. É uma sensação agradável ouvir tais sons, de vibração cósmica e direcionados a pontos específicos do nosso organismo. Cada Taça tem uma função, de acordo com o som que emite. Exponho aqui o quanto me alegra sentir estas vibrações, enquanto os sons parecem tateis e cheios de algo indizivel. Tudo isto são bençãos para mim. Estarei aberta para novas vivências e oportunidades que ainda posso surgir?


publicado por velhoparafuso às 12:09

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Domingo, 25 de Novembro de 2012

E porquê as violetas ?

Era um molho fazendeiro.

Era como uma só flor.

Era um símbolo de dinheiro.

Era a mão cheia de Amor.

 

Era tudo e era nada.

Como um princípio talvez,

talvez sim a madrugada

de tudo que o olhar fez.

 

Era só e só foi tanto

que o perfume perdura.

Era a surpresa de quanto

pode ser feita a ternura.

 

Era apenas o que foi.

E por tanto, tanto doi.

 

 


publicado por velhoparafuso às 16:33

link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 21 de Novembro de 2012

O agri-doce de cada dia

Tenho de lidar com uma situação nova, que oscila entre aceitar uma quase demência ou viver como se "aquilo" não existisse. Não devo intermeter-me demais, para não destabilizar a minha relação com os donos da situação, mas não posso deixar de ouvir as queixas. Estas são muitas vezes criações de uma mente perturbada e que devo aceitar como reais, para não criar conflito. Isto é novo para mim e muito difícil de gerir. Há um desgaste emocional grande e é por isso que recorro a esta forma de diário que já usei na adolescência. Escrever é um desabafo. É como falar a um amigo. É como falar com o meu Deus interno, a quem peço todos os dias coragem, forças e vida para levar avante esta missão que cada dia traz outra experiência, tanto para mim como para a doente que devo amparar e amar.


publicado por velhoparafuso às 17:34

link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 17 de Novembro de 2012

Terror no Algarve

É para aprender e usar com sabedoria o que se aprende, que o ser humano está neste vale de lágrimas. Que lição tiramos de todas estas desgraças que se estão abatendo sobre nós? Que pensamentos elevados estão regendo as nossas vidas? Que ações meritórias nos desmarcam de uma maioria de interesseiros e egoistas que são a base das sociedades no mundo? A Natureza está a ser violentada e o que se  está fazendo para aliviar esta violência? Que respostas estão a ser dadas a tantas necessidades, sustentadas pela ignorância e pelo egoísmo desta Humanidade? Só perguntas. Perguntas que muitos formulamos sem saber como podemos alterar esta situação de suicidio coletivo que se aproxima. A Mãe-Terra está exaurida por todos os crimes que sobre Ela se cometem. E está, como SER vivo que É, a mostrar ao pequeno, pequenissimo, frágil humano, a sua força e grandeza. Ontem, em cinco minutos, a força do vento, destruiu duas cidades, no Algarve. Será que não se pensa em voltar a respeitar a Natureza aprendendo a viver de acordo com as suas Leis?


publicado por velhoparafuso às 16:18

link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 15 de Novembro de 2012

Alma com rima

Guardei muitas tarefas para o fim.

Em contrição me vejo sem cumpri-las.

E de tanto que ainda quero de mim,

peço ao tempo, tempo, a exigí-las.

 

Nelas estão uns sonhos que deixei,

algures em Artes, que ser artista

foi uma ilusão e se a neguei,

no coração ficou a chama à vista.

 

E outros, como núvens diluidas,

já perdidos no tempo, mas recordo

o seu conteúdo, por serem percebidas

em vontade de ser o que transformo.

 

E por isso escrevo como quem chora

p'las tarefas que trouxe e não cumpri.

Poderia, talvez, ter sido, vejo-o agora,

outro alguém no projeto onde vivi..

 

 


publicado por velhoparafuso às 14:48

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Segunda-feira, 12 de Novembro de 2012

Novembro

{#emotions_dlg.sadflower}É novembro. Dias mais sombrios, propensos à tristeza para quem o sol é fonte de quadros radiosos pintados de luz. Da janela, em situação privilegiada, posso contemplar os montes para lá do rio e, à noite, a iluminação de povoações que por aí existem. E em dias claros, também vejo o Cabo Espichel muito ao longe. Já escrevi a palavra tristeza e não quero repeti-la. Mas, por causa da ... que sinto, até o peito me doi. Ou talvez seja a alma. Não sei. Será saudade de tanta gente, de tantos abraços, de tantas vozes. Ou saudade do que não fiz! Ou talvez medo, também presente neste tempo curto. Esta poderia ser uma carta dirigida a quem me respondesse palavras amigas e de conforto, por já não ter de quem receber resposta. Assim é dificil passar a missiva, mas muito fácil verter umas lágrimas. É novembro. Um instante e anoiteceu. São horas de dar atenção a outras  necessidades, que chorar não alimenta o corpo. E a carta? Como não tem destinário, nem sequer existiu. Assim é a sombra de mim.


publicado por velhoparafuso às 17:36

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quarta-feira, 7 de Novembro de 2012

Os mistérios

Este corpo

que se auto dirige,

se auto transforma

e se auto destroi,

com uma sabedoria

que o transcende;

este corpo

que acreditei ser jovem

é, afinal, velho de milénios;

este corpo

que alberga biliões de corpos,

átomos da terra e do céu,

átomos do que fui e serei,

e de outros, que foram e serão,

e comigo caminham

para um longínquo amanhã;

a este corpo

-fôrma de mim-

símbolo de algo

apenas pressentido,

vejo-o hoje

como um rio que avança

e nem no mar pode ter fim.

 


publicado por velhoparafuso às 11:47

link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 6 de Novembro de 2012

Em direto, como um beijo...

Sim, o meu corpo foi nosso

e por ali andámos

quando o tempo também

foi nosso,

como foi o lugar

limitado ao espaço

a que chamámos lar.

E depois de tudo

ainda ouço os sonhos

de futuro que,

tendo sido ontem,

a vibrar.


publicado por velhoparafuso às 16:38

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sexta-feira, 2 de Novembro de 2012

Viver hoje

A chuva chegou pequena, mas necessária. Ainda ontem o sol brilhou e aqueceu este belo jardim, como se o outono estivesse para ficar. Da minha janela vejo para além dos edifícios, os montes que ladeiam o Tejo até à foz. E todas as luzes de todas as moradas, todos os farois de todos os precipícios, são um mundo iluminado que eu não canso de ver ao longe. Foi me reservado este canto para viver e aqui posso sentir a calma que toda esta paísagem transmite. Basta querer abrir os sentidos ao que é belo e nos rodeia a todos. {#emotions_dlg.heart}


publicado por velhoparafuso às 16:27

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
13
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds