.posts recentes

. É só domingo

. Passear comigo

. Abre e vê

. Hábito ou necessidade

. Lágrimas

. Calor e coração

. ...

. Manhã de nada

. ...

. Ignorante

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Quarta-feira, 25 de Setembro de 2013

Exercício de esquecimento

Para ser possivel uma recuperação completa a dor deve ser esquecida. É muito dificil não lembrar pessoas que lhe estão associadas, desde bombeiros a médicos, passando por todos que deram carinho e respeito em situações traumáticas. Mas o tempo dá todos os dias uma sensação de afastamento e já longe está a lembrança de locais e de esforços feitos para além das forças. Aos poucos adquiri-se o controlo do cotidiano e o coração vai pulsando de acordo com as leis da vida. Há medo muitas vezes, pois não é fácil estar tão perto da morte. Nesse momento não existiu temor, mas uma paz profunda, entregue, como estava, a todos que me salvaram. E à Vida que me deu mais tempo para cumprir o que falta, devo agradecer este espaço até ao regresso a Casa. 


publicado por velhoparafuso às 17:24

link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 21 de Setembro de 2013

Trevos de quatro folhas

Diz o povo que os trevos de quatro folhas dão sorte a quem os possui. Estas ilusões ajudam a viver e dão confiança a quem espera da vida um esforço menor e que tudo que ambiciona seja facilmente obtido. A isso chama-se sorte e se tiver o trevo melhor. E se o povo diz, como se pode contestar. Há também o costume de dizer que a voz do povo é a voz de Deus. Assim é melhor possuir um trevo ou um vaso cheio de trevos e esperar sentado. Talvez por isso a vida aqui tem sido tão dificil, bastando crer que vai melhorar. Para recuperar a saúde não basta querer, é preciso muita força de vontade e também ter dinheiro, necessário ao conforto e amparo que cada doente vai pedindo. Não há trevo que nos acuda, nem há sorte que nos valha. Apenas a sorte de poder olhar a beleza de uma planta rara que se fecha sobre si à tardinha e se abre à luz da manhã. E morre no outono e renasce na primavera. Esta é a mensagem: tudo renasce e tudo pode ser belo .


publicado por velhoparafuso às 17:28

link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 11 de Setembro de 2013

Fantasia

{#emotions_dlg.sol}As árvores cortam a visão do jardim na sua totalidade. Mas como sem elas o jardim não existiria, temos de encantar-nos com os espaços abertos e a beleza que cada um deles contém. Assim ,passeavamos de mãos dadas pelas alamedas circundadas de cores, com o verde da relva a entrar no pensamento, dando à conversa a leveza própria dos momentos felizes. Era um dia de primavera. E, tal como as nossas vidas, resplandecia de luz. Tudo seria eterno até ao inverno. O jardim seria outro naquele local e nós, também diferentes, não voltamos a vê-lo. Ficou esquecida a conversa, o calor das mãos perdeu-se na memória. Nem os nomes são lembrados. Como tudo na vida, o princípio e o fim são novelos sem ponta visível. O jardim ainda tem nome. É o que resta.


publicado por velhoparafuso às 17:50

link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 3 de Setembro de 2013

Cadernos antigos

No príncipio do sec.XX eram vendidos uns fascículos com o título de "Os serões", que para além de contos de autores conhecidos também ensinavam costura, bordados, etc. Os contos infantis eram acompanhados de desenhos sugestivos, tudo apto ao sono das crianças. Mas um ficou na memória, pelo medo que causava. Chamava-se "Os manos papões", sem figura humana, apenas uns sacos pretos, onde eram mantidos o avô, os netos, o criado, para serem comidos quando os Papões tivessem fome. O conto era lido por uma das tias e acabava assim: "e come-se a criança". Aqui era a sensação de terror, ouvida vezes sem conta, mas sempre pedida, não sei porquê. Essa coleção está hoje na Biblioteca da Câmara Municipal de Èvora, em homenagem ao meu Avô, que ali foi vereador, contrbuindo para o desenvolvimento da cidade. Pela sua raridade ali se manterá, mas Os manos papões serão sempre vivos em mim.


publicado por velhoparafuso às 17:39

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
13
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds