.posts recentes

. ...

. É só domingo

. Passear comigo

. Abre e vê

. Hábito ou necessidade

. Lágrimas

. Calor e coração

. ...

. Manhã de nada

. ...

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Quarta-feira, 30 de Outubro de 2013

O dinheiro misterioso

Parece uma brincadeira tipo pião, que rola e rola e para em qualquer canto. Mas o jogo não termina porque êle continua no seu rodopio de mão em mão. Conta-se um, dois, três, mil e a gente espera que aumente sonhando sempre. Por êle mate-se gente, às vezes por tâo pouco!!! Por ignorância também joguei o jogo do engano e depois fiquei triste. A ambição atrofia a inteligência. Vi lucro onde havia perda e nessa confusão agradeci a falsa dádiva. Quando entendi a mudança apenas vi que, estando na mesma, estava bem. Aquele misterioso dinheiro foi uma brincadeira que um desejo criou, nada mais do que isso. Há dias assim, amanhecem solarengos com as tardes cheias de nuvens. Mas eu estou feliz, apenas porque a felicidade existe.


publicado por velhoparafuso às 17:20

link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 28 de Outubro de 2013

...

{#emotions_dlg.star}Às portas do tempo parei, indecisa. Tinha de escolher por onde passar. As portas não teem portas. São espaços abertos como os nossos pensamentos. Assim, são criadas tal como as pensamos. Grandes, pequenas, de estilo, como aquelas que a memória guardou. Criei uma para mim, alta e estreita e avancei. Mas o mêdo estava colado ao tempo. Olhos de farol, vermelhos, sem corpo. Então vi cada porta. O mêdo estava em nevoeiro cerrado, ou em fogo ou naquilo que eu temia e me paralizava. Tentei ligar-me em oração. Tentei ouvir o tempo. Mas entendi que o mêdo faz parte de nós porque tememos a Morte. Agora não penso nela e estou passando a porta que escolhi. Estreita, difícil, cheia de ventos e caminhos desconhecidos. Mas amparada pelo Amor de muitos que, como eu, estão a passar as portas do tempo. Nada sabendo de tempo nem de pensamentos que fazem mêdo. Que pensarão de mim? Porquê e para quê invento estas loucuras?


publicado por velhoparafuso às 18:38

link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 20 de Outubro de 2013

Os guardados

É licito e até suave guardar objectos como lembrança e mais tarde rever esses guardados com alegria ou com tristeza. Por vezes com indiferença. Abrir mão de cada coisa e aventá-la, pede alguma coragem e a consciência de que nada nos prende a essa recordação. Caixas e caixinhas, bonecos, frascos de perfume, que estando vazios, são elegantes ou teem uma história secreta, roupas antigas, usadas por alguém amado, etc, etc. Assim, gavetas cheias, são pequenos museus de faz de conta, que todos nós queremos deixar aos nossos parentes. Estes, após a nossa partida, terão muita dificuldade em encaixá-los nas suas habitações modernas e até encontrar neles alguma razão para os manter em casa. Se houver valor monetário, aí sim, serão benvindos. Estes meus guardados estão a ser deixados no caminho. Pessoas amigas, mas estranhas, gostam e aceitam como presente. Tratam de mim com carinho e é só e é muito. Os amigos antigos não estão já aqui, a família partiu também. Guardar, para quê? A vida é um rio, onde todos vamos sem retorno. Basta lembrar, para ter. Tudo e todos existem dentro de nós. Aí está a vida eterna.


publicado por velhoparafuso às 17:37

link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 11 de Outubro de 2013

Do Papa Fracisco

O Papa Francisco respondeu, em uma entrevista, que "0lhar para um idoso é ver o caminho da vida até mim". Tinha sido questionado sobre a morte e entre palavras sábias, desenvolveu o seu pensamento no sentido de valorizar a velhice, para que seja mais protegida. Aquela bela frase deveria ser lida e ouvida pela juventude, pois se todos queremos ter uma longa vida é fatal viver essa fase. Somos todos velhos um dia, com os jovens cada dia " a ver o caminho da vida até eles". Senti que deveria fixar este pensamento e passá-lo para outros. Se todos os jovens tivessem consciência deste caminho talvez houvesse menos pais abandonados neste mundo tão cruel.


publicado por velhoparafuso às 17:36

link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 1 de Outubro de 2013

Atrevimento

Invento-me,

Como o mar inventa a onda,

como o amor a carícia,

como a luz inventa a cor.

Invento-me,

como o autor a personagem,

como o som toda a linguagem,

como a morte inventa a dor.

 

Invento

aquilo que sou ou julgo ser,

inventando

cada dia amanhecer,

em cada hora, até quando?


publicado por velhoparafuso às 15:47

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Em cada dia

Eu ouso renascer em cada dia.

Para a Vida,

sentida a cada instante.

E de pé, olhando em frente,

Submetida

ao limite do já curto horizonte.

 

Ousar,

Ousando procurar

na angústia do Ser,

não exposta ao mundo,

o que devo saber

do Eu que É,

neste poço sem fundo.

 


publicado por velhoparafuso às 15:36

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sem título possivel

É o medo do papel branco, ou da tela branca ou da primeira palavra ou da primeira pincelada, é o medo do ínicio de qualquer obra quando se pergunta como vou fazer? Serei original no meu trabalho, serei olhado como alguém que merece a atenção e o apreço de quem me vê? E de novo vem a lembrança que eu registarei e que parece nada ter com o que ficou para trás, mas tem, porque "aquilo" ainda está presente em mim:

                                   E de repente olha-se um sapato torto

                                   que ficou perto da gaveta dos sapatos.

                                   E de repente sente-se que o morto

                                   está, sem estar, em todos os lugares.

 

                                   E a memória ri da gente, em actos

                                   que podem induzir, quem sabe, ao choro.

                                   E de repente tudo sugere azares

                                   a quem, sem chão, tudo parece torto.

 

                                   A Vida apenas fez o que tinha de fazer.

                                   E de repente, até o sapato é morto

                                   e nada mais podemos entender.


publicado por velhoparafuso às 15:03

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
13
15
16

18
19
20
21
23

24
25
26
27
28
29
30


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds