.posts recentes

. Depois do almoço

. O que eu quero de mim?

. Viver e aprender

. Atenta aos sinais

. Saudades de mim

. Um dia diferente

. Intemporal

. A estrada

. ...

. É só domingo

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Sábado, 23 de Novembro de 2013

...

Dei a volta ao tempo e senti-me na esquina do mundo. Uma esquina feita por mim e para mim, com tudo que o mundo tem. Senti o mar, o vento quente e tenho vinte anos. Todos os amores estão comigo e as lágrimas são de felicidade. Danço e canto ao som das ondas e tenho Deus dentro do coração. O tempo partiu para lugar nenhum e eu não penso nêle porque estou viva e sempre estarei. Nos braços do Senhor do mundo vou olhando o destino percorrido sem ilusões e saudades. E entro na poesia para alimentar o prazer utópico de estar aqui.


publicado por velhoparafuso às 15:40

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sábado, 16 de Novembro de 2013

Bate coração

{#emotions_dlg.redflower}Ontem fui outra pessoa, sendo eu. Senti como o mêdo modificava tudo, embora analisasse a sua origem. Eu e o mêdo lutámos para que a outra pessoa mandasse no coração e o protejesse. Apoiar o doente sem lhe dar atenção demasiada. Todo o doente tenta abusar do tratador, com manhas e novas tentativas de fuga. As alterações eram visiveis nos aparelhos e a visão do Hospital era muito triste. O mêdo surge após sintomas e o coração parece crescer e invadir todo o corpo. No entanto a vontade prevaleceu e a batalha foi vencida, Aos poucos vou equilibrando estes sintomas e renovando as forças para os enfrentar. Cada dia é para mim uma glória à Vida e não quero sofrer nos tempos mais próximos. Chega de angústias. Hoje, quando abri os cortinados, vi como a alegria me olhava do jardim. E é com ela na alma que estou a escrever esta espécie de diário. Chama-se "companhia".


publicado por velhoparafuso às 17:53

link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 9 de Novembro de 2013

Ida ao impossível

E entrei. A porta fora aberta para mim. Em salas apalaçadas, com brilho de ouro, ante meus olhos quase cegos pelo espanto. Uma voz dentro dos ouvidos, ou talvez do fundo do brilho, me dizia que ali tudo era perfeito, geométrico e completo. Eu que sou a antítese do que ouvia como poderia entender estes conceitos? Precorri uns metros com cautela, pois a perfeição não estava visivel. Mas as figuras geométricas enchiam todo o espaço que eu atravessava e fundiam-se no meu corpo. Havia sons e números que pareciam dançar enquanto eu, estática, tentava decifrar a mensagem que estava recebendo. A Mão que me guiara apontou de novo o caminho. Confiei nela. E numa nuvem fui. O agora apareceu na solidão e nesta hora sei que devo continuar. Ou foi sonho ou um contacto impensável que a memória registou. E saí.


publicado por velhoparafuso às 16:02

link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 5 de Novembro de 2013

Vivendo comigo

Para inventar os dias é necessária algumai maginação. Não posso fingir que sou uma rosa ou fingir que existo noutro lugar. Ou que sou jovem e sei correr ou que sou um extraterrestre. Apenas posso viver neste canto e transformá-lo num paraíso. Aqui tudo acontece. O sol abre a janela e entra. Os pardais entram também para debicar o pão que lhe trago do pequeno almoço. Depois as plantas iluminam o espaço, dentro e fora do lugar. Há livros de poesia e livros de livros com livros dentro. Há pinturas  e pequenas coisas que enriquecem a vida. E há a Vida, o Deus da Vida, que eu embalo no meu coração. Assim são os dias inventados à espera de não os viver mais.


publicado por velhoparafuso às 15:53

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
13
14
15
16
17
18

19
20
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds