.posts recentes

. Ignorante

. Falar de quê?

. As sombras

. O poder da vontade

. Apenas imaginar

. As festas

. As casas

. Alcobaça

. A circunstância

. O que me falta

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Sexta-feira, 27 de Dezembro de 2013

Borboleta

O dia começou nublado, mas o vento forte levou as nuvens e o sol iluminou o quarto. Abri a janela de vidro e aquietei-me ao suave calor da manhã. Os pardais corriam aos bandos.Uma borboleta branca bateu no vidro e entrou direta a uma flor azul, pousando no centro, entre duas pétalas que quase se fecharam num abraço. Fiquei esperando. Levei algum tempo a compreender que a borboleta não tinha vindo alimentar-se, tinha vindo morrer. Caiu quase desfeita, menos branca do que fôra. Tenho-a na minha mão enquanto escrevo, nesta espécie de vala comum onde todos estamos. O sol está de novo encoberto e o dia continua.{#emotions_dlg.away}{#emotions_dlg.blueflower}


publicado por velhoparafuso às 14:08

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Terça-feira, 10 de Dezembro de 2013

Escrever apenas

Peço ao vento que me leve, como se folha fôsse, sem caminho e sem destino. Só o vento sabe, como e quando me levará. Enquanto espero, o que sou? Posso escolher a música da alma, a aparência do corpo e até a senda que me levará a entrar na Luz. Tudo isto é meu, pois assim fui criada e assim serei, para sempre. Eu e toda a criatura. Anseio que todos entendam o poder do querer, se apoiado na fé e no amor à Vida. O vento passa, mas o tempo não quer a minha ausência ainda. Na esquina do destino, vivo e espero, sem pressa, agora que sou alguém de coração velho mas custurado com muita esperança e carinho.{#emotions_dlg.unheart}


publicado por velhoparafuso às 18:03

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Domingo, 8 de Dezembro de 2013

Resistências

Fazem-se pequenas coisas para passar os dias. Mas há grandes gestos que tornam o tempo imenso em cada hora. Receber uma flor, com cinco flores azuís, com o tom intenso que nos deixa estarrecidos, presas a um tronco alto e fino, dada com abraços de ternura, é não querer que o dia passe, esquecendo as tais pequenas coisas de cada dia.Tudo é bom para resistir ao tédio, à paralisia da velhice, à carência de afectos. E são estes o grande esteio da existência, dando ao tempo um cariz especial. Êste tempo tem a cor azul, para ser vivido como dentro da flor.{#emotions_dlg.blueflower}


publicado por velhoparafuso às 15:18

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sábado, 7 de Dezembro de 2013

Instrumentos da criação

São pensamentos, palavras e obras. E assim eu pensei e tu vieste. No reencontro, apenas o tempo de um sorriso. Logo depois, na despedida, lágrimas nos olhos. Ficou deserta a cidade, frio o céu, distantes as montanhas. Correm as águas do grande rio e a tua barca parte, velas enfunadas, eu de pé, na margem, os meus olhos em ti, um longo momento, até hoje. E a obra nasceu, pelas palavras. Pergunto ainda por ti. Já não tenho margem. Fechei os olhos de pensar.


publicado por velhoparafuso às 19:20

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds