.posts recentes

. ...

. É só domingo

. Passear comigo

. Abre e vê

. Hábito ou necessidade

. Lágrimas

. Calor e coração

. ...

. Manhã de nada

. ...

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Domingo, 30 de Março de 2014

A saudade que não é

De tudo que se vai imaginando, até a saudade é possivel. Saudades do mundo, mesmo de locais onde nunca se esteve e onde nunca se irá, como se por lá algo de nós existisse ou tivesse existido. É assim a visão do poeta ao compor a vida maior que o mundo. Como um Lar, cujas portas se abrem e fecham livremente, uma base de onde partir e aonde regressar, para ir para a estrada outra vez em viagem, buscando tudo na beleza das ideias que as palavras aglutinam. Vivemos num século fantástico. Terras espalhadas por todo o planeta tornaram-se nossas vizinhas. A China está do outro lado da rua, o Médio Oriente na porta ao lado. Os jovens de mochila estão espalhados pelos caminhos do conhecimento, para aprender novas/velhas formas de viver em comunidade. Serão a benção do futuro. Eu apenas imagino e vivo a saudade do que há-de vir. Cheguei tarde? Não, era esta a minha hora, a de saber como viver a saudade do poeta.


publicado por velhoparafuso às 15:46

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sexta-feira, 21 de Março de 2014

Segundo dia de primavera

O pensar enreda-me em coisas novas, mas sempre as velhas estão presentes. Assim, o raciocínio se perde ante a ânsia de futuro e o peso do passado. A mente disfruta de ideias de outros em mim, plantadas pelo tempo a que a memória serve de chão. A este chão eu chamo de conhecimento. E se há dias em que o pouco tudo contém , outros há que vivo no vazio, pois tudo se esvai sem perceber o porquê. É como se o ontem e o minuto seguinte fôssem um novelo sem pontas. A relatividade em que nos movimentamos não permite expor ideias sem representá-las, o que dificulta a sua exposição. Este dia com nuvens densas, rouba-nos o sol. Nada brilha, nada é real.  


publicado por velhoparafuso às 14:38

link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 13 de Março de 2014

A amizade

Há mais de sessenta anos, num belo salão, fizemos o nosso juramento para a vida e que ainda hoje nos sustenta. Juramos fazer respeitar a Constituição de 1933 e também o repúdio ao Comunismo. E assim começámos a trabalhar e a ganhar o pão de cada dia. Vivemos em contacto, cada uma no seu caminho, em projetos muito diferentes. Vieram as dificuldades, as dores, as ausências e os cabelos brancos a brilharem nos sorrisos. E o tempo, o tempo de todos nós, trazendo e levando o bem e o mal de todos os dias. Amigas, gastamos os nossos encontros à mesa do restaurante, onde rimos e quase choramos, ao recordar tantas fases das voltas que a Vida nos fez dar. Agora, olhamos as diferenças em como viver, em como falar e até em como amar, que nos distingue de quem vai passando. E rimos e estamos presentes, como em Fevereiro de 1953, assinando o pacto da Amizade.


publicado por velhoparafuso às 18:43

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Domingo, 9 de Março de 2014

A cultura

A palavra "blog" é a contração das palavras inglesas "web" e "log", e que foi adotada por todos os utilizadores on-line, a ponto de serem criadas mais palavras com outros significados. Com estas pesquisas aprendo o porquê das coisas, pois o uso de toda esta mecânica não me satisfaz enquanto não conheço os princíncios que a regem. O desejo de aprender ou talvez só a curiosidade, vão-me mantendo desperta para a vida, que todos os dias dá motivos para aumentar os conhecimentos. Assim, a memória é ativada e o raciocínio também. Além de que saber me faz feliz. Não sei porque sinto tudo isto, mas aceito esta forma de ser, agradecendo tudo isto como uma Graça. E por hoje fico por aqui, pois o sono não ajuda o blog.


publicado por velhoparafuso às 20:36

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sábado, 8 de Março de 2014

Dias de Sol

A cor, o brilho que se desprende de cada planta, o azul de um céu sem nuvens, o calor que nos envolve e ao longe o som do mar. Este som é o que resta na memória de tudo que vivi nele e com ele. Este ser vivo, talvez consciente de si, quem sabe, possuiu-me como um amante amoroso, mesmo quando me iludiu nesse abraço de ondas assassinas que, por pouco, não levou aquela juventude aventureira que foi a minha. Nesta amálgama de lembranças que agora vivo, o mar tem um valor importante por tudo que senti. Mesmo em dias de trabalho, esgotada também pelas preocupações da vida privada, procurava o reforço de energias perto da força e da beleza ilimitadas do oceano. Os caminhos de regresso, a pé, eram feitos de alegria, como se tivesse encontrado o meu el-dorado para muitos dias. Viver é reviver estas grandes e pequenas ocasiões, que nos enchem de sensações agradáveis, mesmo quando o tempo foi no tempo esquecido.


publicado por velhoparafuso às 17:27

link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 4 de Março de 2014

Os que me esqueceram

Gosto de lembrar pessoas que fui perdendo e que julgava serem companheiras de viagem. Muito me abraçaram e me protegeram, ao que eu retribui. Ou seriam elas que retribuiram com os abraços e uma proteção aparente? Como prever tantas mudanças em tão pouco tempo? Perante uma situação inesperada e dolorosa, eu não cumpri com todas as exigências que a lei obriga. Por impossibilidade e por pensar que dominavam os afectos. Enganei-me. A estes amigos, juntam-se outros e outros que não precisando hoje, são nova gente de fraca memória. Mas, embora alguma dor a que damos o nome de saudade, não desisto de novos que vão surgindo neste fim de caminho. Estes amigos também abraçam e protegem, com a liberdade de quem aqui vive. Por hoje, apenas isto: o orgulho é dificil de gerir e transforma quem o vivência em desertor.{#emotions_dlg.phone}


publicado por velhoparafuso às 16:10

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Sou outro alguém

Algures, num lugar da Terra, sentado, solitário numa noite de outono. Os pássaros esvoaçam na falésia, o sol poente desapareceu numa nuvem rosa. Entristecem-me os cabelos brancos, sentado solitário neste espaço vazio.No monte, a fruta cai com a chuva, aqui os insetos zumbem em redor da candeia. Não se podem mudar os cabelos brancos, ninguém sabe como trazer de volta a juventude. Para elimlnar doenças, a velhice, estudar o não ser. Entrar em Casa, deixar os pertences fora. As mãos foram criadas para afagar, nelas nada cabe. A Natureza não pode ser solidão. Deito-me nela e durmo em Paz.


publicado por velhoparafuso às 15:49

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
13
15
16

18
19
20
21
23

24
25
26
27
28
29
30


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds