.posts recentes

. ...

. É só domingo

. Passear comigo

. Abre e vê

. Hábito ou necessidade

. Lágrimas

. Calor e coração

. ...

. Manhã de nada

. ...

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Sábado, 26 de Abril de 2014

Por aqui me quedo

Sinto sobre os ombros o peso do Ser, aquêle Ser a que eu pertenço, por mim construído ao longo de muitas vidas e projetos. Pode ser uma rosa, pode ser um par de asas. Tudo que eu imagino alí permanece e quando eu sou apenas eu, nos meus afetos e desejos terrenos, dele recebo mensagens com interpretações que vou tirando de tudo que me rodeia. É o "fio de prata" que leva e trás o sonho, que nos deixa flutuar e permanecer. Quando durmo, estou nele e completa. O seu peso dobra-me, de tanto que sei sem saber o que quero. O pensamento quer pensar, mas o raciocínio não está preparado para as abstrações da alma. Apenas o coração poderá intuir os dialogos entre o que está e o imaginado. Entre o que inventa o conceito e quem o alimenta. Entre a vida e Vida.


publicado por velhoparafuso às 17:39

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Sábado, 12 de Abril de 2014

De mim para mim

De tanto querer saber de mim, porque penso o que penso, na busca de algo que nem sei se existe, pressinto que deixo passar o tempo e nada de útil me é sugerido. E pergunto se o meu olhar é o necessário para a vida que escolhi viver. Muitas dúvidas se conjungam e por isso treino observar o mundo exterior a par com o meu interior, tendo a memória como cofre precioso. Assim, tento agarrar a realidade com palavras, para no fim descobrir que o mistério destroi o discurso e que as suas sílabas são engolidas pelo silêncio.


publicado por velhoparafuso às 18:16

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
13
15
16

18
19
20
21
23

24
25
26
27
28
29
30


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds