.posts recentes

. É só domingo

. Passear comigo

. Abre e vê

. Hábito ou necessidade

. Lágrimas

. Calor e coração

. ...

. Manhã de nada

. ...

. Ignorante

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Sábado, 26 de Julho de 2014

Palavras não ditas - Adeus

Muito tempo passou e o rapaz, já homem, só pensava em vingança. Pouco falava e a familia atribuia aquele silêncio à dor que lhe ficou na alma. Mas ele trabalhou para ajudar a Mãe e para completar o seu projeto maior. Comprou uma passagem para Lisboa e horas antes da partida entrou de rompante em casa do vizinho, homem já velho, rodeado de filhos e netos. Apontou a arma e disse: esta é por conta do meu Pai. Fugiu e só almoçou na minha mesa oito anos depois. Viveu no silêncio, falando apenas o necessário. Foi taxista. Talvez por isso me tenha encontrado. Do que li, foi sempre infeliz. O seu coração não sabia amar.O ferro em brasa do ódio queimou aquele pequeno ser. Tal como foi sugerido, levei o saco para o mar. Quarenta anos devem ter passado e só agora escrevo sobre Ninguém. Guardei respeitosamente o silêncio de um assassino. A vingança é sempre uma dupla culpa: não podemos saber como se sentiria se tivesse perdoado, se tivesse chorado pelo morto e pelo vizinho, que viveria no remorso e no temor a Deus. Vidas tristes.


publicado por velhoparafuso às 15:11

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sexta-feira, 25 de Julho de 2014

Palavras não ditas - continuação

Após um erro de impressão, aqui estou de novo e pela terceira vez, a tentar relembrar o que li, sem juizos mas com muita emoção. Com os livros havia um cartão que dizia, se a memória não me falha, " pode deitar ao mar ou escrever um livro. Até. Ninguém. "  A pesar da curiosidade, só passado algum tempo tive a devida privacidade para ler aqueles pequenos cadernos. Muitos erros ortográficos e palavras ilegíveis, mas os sentimentos à flor da pele. Para transmitir tantos dias de escrita, vou sintetizar a vida do autor. Começa no interior do Brasil, quando uma família numerosa vivia numa casa pobre, sustentada a pulso pelo Pai. Num dia quente, três crianças brincavam soltando pipa, enquanto o Pai descansava na rede. Nisto entra um vizinho aos gritos, raivoso, direito ao Pai, que logo o enfrentou, falando em dinheiro, com palavras dificeis para os ouvidos infantis. O mais velho, de sete anos, venceu o mêdo e foi para junto do Pai. Depois ouviu-se o estrondo de um tiro. O Pai estava no chão e o vizinho fugiu. Gritos e gente, muita gente foi aparecendo. No coração de sete anos o ódio foi crescendo. A promessa foi imediata: eu vou matar aquele homem. O resto conto outro dia, como um folhetim.


publicado por velhoparafuso às 17:52

link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 19 de Julho de 2014

Palavras não ditas - leitura e adeus


publicado por velhoparafuso às 17:11

link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 16 de Julho de 2014

Palavras não ditas

Em tempos conheci alguém que se dizia Ninguém, com letra grande, se a palavra fosse escrita, porque não conseguia comunicar no meio onde vivia. Todos os dias escrevia um pequeno diário, com uma letra irregular e a tinta azul. Quando saía, guardava-o numa gaveta fechada à chave, levando consigo a chave no bolso interior do casaco. Sempre amável com os vizinhos, apenas dando a salvação em voz baixa. No dia em que me foi apresentado, eu almoçava só numa esplanada lotada à beira mar. O empregado pediu-me para instalar aquele cliente na minha mesa, dizendo ser assiduo e muito respeitado. Acedi. Mal me olhou deu um suspiro e com o rosto alegre afirmou que me conhecia. Não sabia o meu nome. Mas teimou ter já falado comigo numa cidade onde eu nunca tinha ido. Reduzi-me ao silêncio e continuei a almoçar. Entretanto reparei na atenção que lhe era dispensada. Após beber o café pedi a conta. O empregado, um pouco intimidado, disse que a conta estava paga pelo meu companheiro de mesa. Perante o meu desagrado, ele começou a falar numa voz agradável, contando-me a sua vida desde que chegara a Portugal e que tinha um diário que gostaria que guardasse depois da sua partida. Aguentei quase uma hora e então levantei-me. Sem me apresentar, despedi-me e parti. O homem era mesmo tonto e esqueci esta aventura. No fim do verão voltei ao local para tomar um café e respirar o iodo das marés vivas. Para meu espanto, o empregado reconheceu-me e trouxe-me um saco com pequenos livros que lhe tinha sido deixado pelo Ninguém. Já os li e em breve dá-los-ei à estampa. Fui autorizada pelo seu autor. Até breve.


publicado por velhoparafuso às 21:20

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quarta-feira, 2 de Julho de 2014

Judite

Muito do que escrevo não é pensado. Apenas sinto que algo me afectou e tento escrever sobre isso. E depois permito-me divagar sobre o tema, desenvolvendo o sentimento que julgo verdadeiro. O que sei sobre a dor de alma está em mim guardado e cada um sabe de si. Mas há uma dor que não sendo nossa, doi também em nós. è a dor dos outros quando os vemos no limite do ser humano. Orei e chorei por quem desconhecia, até a noticia ser pública e parecer mentira, de tão violenta. Alguém que vemos em nossas casas, cuja voz conhecemos e cuja dor de alma é superior a todas que eu vivi. Desamparo total. Perda total. Vida em ruínas.  Que do Céu venha alguma força para uma mulher sem futuro.


publicado por velhoparafuso às 15:25

link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
13
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds