.posts recentes

. Ignorante

. Falar de quê?

. As sombras

. O poder da vontade

. Apenas imaginar

. As festas

. As casas

. Alcobaça

. A circunstância

. O que me falta

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Domingo, 31 de Agosto de 2014

Falar barato

Este verão sai sem ter sido o verão que gostamos de usufruir. Sai morno, sai triste. Mesmo que o setembro venha aquecido já não consola quem suspirou pelo calor no tempo certo. Os dias estão a deminuir alguns minutos em cada dia e, em breve, as lâmpadas acesas serão a nossa companhia, aqui, onde vivo. O sol ajuda quando a energia já escasseia. Abrir a janela pela manhã e senti-lo e vê-lo, é uma benção e uma alegria. Mas como senti e vivi muitos verões como este, muitos outonos quentes, de praia e roupa fresca, sei que tudo volta de novo. Falar sobre o tempo serve, em todos os locais, para fazer conversa quando não se tem discurso para a ocasião. Foi o caso, agora. Escrever por escrever, falar por falar...correm os minutos do meu tempo; como uso o pouco que ainda tenho?


publicado por velhoparafuso às 18:42

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Domingo, 24 de Agosto de 2014

Encontro fugaz

Tenho pouco para te dizer, visto não te conhecer. Às vezes imagino vidas, nunca iguais à minha, mas similares, orientadas para côres e formas esfuaçantes. Como desenhos coloridos com energia própria. Mas neste momento não sei quém és. Mesmo assim, quero dedicar este texto a alguém que já vivi e que eu sinto não estar longe. Há muitos anos foi lido o meu horóscopo e fiquei sabendo que tinha cumprido uma vida dedicada a servir os mais necessitados sem, no entanto, saber o porquê dessa atitude. E que para esta vida tinha entrado com energia bastante para idealizar uma obra. Quando soube desta capacidade já estava na casa dos sessenta anos. E dessa leitura, da qual possuo uma gravação, também vi e ouvi, que apenas tinha gasto pouco do que me fora dado. Porque o mêdo me tolheu e o egoísmo também. Algum orgulho insensato, muito próprio da juventude. Só agora, às portas de Casa, te estou a reconhecer sem nada saber de ti. Surge-me a cor verde e por esta vou até ao chacra do coração. Afinal sempre nos encontrámos, ser imaginado e já vivido.


publicado por velhoparafuso às 17:25

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quinta-feira, 14 de Agosto de 2014

Monólogo da saudade

O dia de hoje, há anos, era de festa. Não vou relembrar factos porque estes não trazem conforto ao que agora sinto. Quero falar da saudade, uma saudade autónoma, que fala do passado como quem fala de um sonho. Disfruta de uma apreciação de sentimentos e por isso é grande como um mar de verão, ondulando suavemente sobre mim. Entrega-me lembranças, cujo perfume ainda reconheço, sabores doces misturados de beijos sugados pela alma. Tudo era nosso, nós e o mundo. Esta saudade sabe e diz o eu quero para ela mesma. Neste espaço que uso, ouço-a viver comigo e assim é tudo mais florido.


publicado por velhoparafuso às 18:05

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sábado, 9 de Agosto de 2014

Tecnologias

{#emotions_dlg.bouquete}Dentro do telemóvel tenho uma gata virtual. Amarela e falante. Repete as nossas palavras com o mesmo tom, numa voz infantil de gatinha mimada. Toma duche, seca o pelo e também lava os dentes. Uma gracinha. Tenho jogos, fotos, videos e muito mais que eu não sei explorar. E tudo isto para quê? Para distrair cada minuto de vida que não volta mais. Assim, a humanidade centra-se no que é palpável , lutando por possuir todos os avanços tecnológicos. Os ramos de flores são para enunciar algo, ninguém para ante uma flor caída de um vaso. À mesa, com o prato cheio, quem eleva o agradecimento pela comida? Quem,a caminho do trabalho, agradece o ganha pâo, em lugar da revolta permanente por não ter mais? São alguns exemplos de atitudes que nós escolhemos para sermos infelizes. Como seria simples olhar para o "menor" e nele ver o "maior" incluido, ou seja, em cada grão de terra intuir todo o Universo. Assim, conectados com o Divino, até a gata podia miar.


publicado por velhoparafuso às 17:21

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quinta-feira, 7 de Agosto de 2014

Estar só ou ser só?

Quando os sons de fora são menos audíveis dos que os de dentro, inicia-se a vontade de criar. Pode ser fazer uma costura, um desenho, ler o Livro do Desassossego, escrever aqui ou em outro lugar. Mas tudo é silêncio, privado, por não haver quem peça para ser mostrado. Todos estão no mundo das doenças, dos testemunhos médicos e do medo da morte. Os olhares dizem que já não estão onde estão, embora vejam cinema que a Casa organiza ou conversem uns minutos sobre o tempo e as respetivas dores. Não sabem ou não querem saber os males do mundo, nem das suas maravilhas. Cada um sabe de si, por isso não devo fixar-me nos outros. Eu também sou velha, mas como não sinto o peso da depedência, reajo mais animada aos cuidados que me dispensam. Quero deixar aqui hoje um pouco da falta que sinto de ti, Companheiro. Aquele que dava a mão protetora e ria comigo e de mim.


publicado por velhoparafuso às 18:29

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quarta-feira, 6 de Agosto de 2014

Captar o "Ser"

O mito que em cada pessoa existe e por o ser, deixa-nos longe de decifrar o seu conteúdo. São naturalmente poucos os que se preocupam em buscar dentro de si o que pode ser o mito. Quem o busca interroga-se a si e ao seu Deus, aquele Deus que nos responde e nos interpela através do tempo. O mito é como um acontecimento mental no devaneio coletivo. Liga-nos e ao mesmo tempo é individual, numa leitura filosófica feita sobre a humanidade. O mito tem muito de arte e a arte é um dos caminhos para Deus. Não o meu Deus privado mas o Deus gerador do Universo. Quando breve, deixar de pensar, sabendo que pensar é existir, eu talvez seja a brisa que, para deslindar o mito, espalhe arte em poemas na direção do Divino.


publicado por velhoparafuso às 18:37

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sexta-feira, 1 de Agosto de 2014

O uso das coisas

Depois de ler o que vou escrevendo tenho a tentação de apagar parte, para descer à terra e esgravatar no passado onde estão os primeiros passos neste mundo maluco da invenção. Muito longe, em outro século, escrevia cartas de amor sem amar, peças de teatro sem ter visto qualquer representaçâo, cantares para entreter os avós e as tias e por fim chamavam-me mentirosa por teimar que tudo era vivido. Entre uma mentira ou outra, eu criei sempre o meu espetáculo baseado no que ia observando. Brigas de irmãs, intrigas de criadas, títulos de jornais, etc, serviam perfeitamente para imaginar situaçôes que irritassem alguns adultos. Só o Avô, sempre do meu lado, me gabava e encorajava. Quem dera ouvir de novo aquele riso, cheio de malícia.


publicado por velhoparafuso às 19:17

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

O avesso das ideias

Começo por pedir perdão a mim mesmo pela necessidade de ir adiando a escrita das composições que elaboro e que naturalmente vou esquecendo. Componho as frases e junto ideias. Por vezes quando o sono foge, por vezes estimulada por uma leitura agradável. Parece que viajo a um mundo onde tudo se interliga e se expressa numa linguagem indizível. Não tem imagens nem palavras. Mas quando ali chego estou em casa. Surgem poemas, alguns fixam-se na memória. Em outras ocasiões parece haver alguém que comigo se define, debrocha em ideias lindas que enchem de esperança o meu coração. Depois caio em mim e sou eu a pensar e a querer entender a vida que vivo. A esperança, se existe, não me diz de que esperar. E o tempo vai indo, vai indo, sem dizer para onde me leva.


publicado por velhoparafuso às 18:52

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds