.posts recentes

. Depois do almoço

. O que eu quero de mim?

. Viver e aprender

. Atenta aos sinais

. Saudades de mim

. Um dia diferente

. Intemporal

. A estrada

. ...

. É só domingo

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Quarta-feira, 24 de Setembro de 2014

O afago

Escrever sobre Irmã é dificil. Trás memórias de doenças mortais e sofrimentos que me abriram horizontes espirituais e se colaram a mim para sempre. Por vezes choro, abrindo o coração à dor e à saudade. Confronto-me agora com a demência, não ainda total, mas cuja presença é extremamente agressiva. E como a relação comigo foi dificil, mesmo na doença domina a vontade em falar sobre assuntos que me mostrem a raiva e o ciúme que carrega na alma. A caricia é recebida com indiferência, embora eu sinta como é benéfica a mão que afaga. Doi muito. Não sei como aliviar. Talvez estas palavras escritas me ajudem a ultrapassar o sofrimento.


publicado por velhoparafuso às 16:26

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Segunda-feira, 22 de Setembro de 2014

O livro

 

Estou mais disinibida quanto ao pc e por isso perco horas a tentar transferir para pastas textos que vou escrevendo ou desenhos feitos com o rato. Não acerto a maior parte, mas se acerto fico orgulhosa de mim. Vejo poucas pessoas da minha idade a brincarem com este "bichinho" e isso diverte-me imenso. Aprendi a fazer o meu livro "on line" com muitas ajudas e ensinamentos. Transferir o que já estava escrito para um programa que permite a confeção e edição de um livro, à minha escolha, onde inseri fotos e desenhos, foi muito agradável. Agora penso repetir a dose com os poemas de uma vida. È um sonho possivel de realizar se tiver ainda algum tempo. Coragem não falta para trabalhar e iniciar a obra. É ridículo estar a escrever no blog sobre projetos tão caseiros que só a mim dizem respeito. Mas, quem sabe, talvez suscitem bons votos de quem lê e me quer bem.


publicado por velhoparafuso às 18:08

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Terça-feira, 9 de Setembro de 2014

Aconchego

A palavra aconchego lembra o abraço de mãe. O porquê desta ligaçâo faz pensar em emoçôes que nem sempre estão definidas dentro de nós. Sentimentos que queremos olvidar mas regressam, sem que se entenda a sua presença. Aconchego já não é ouvido há muito tempo. Como as pessoas, as palavras vão indo para outro mundo e deixam de ser, por esquecimento. Mas aconchego é calor, é manta de inverno, é casa, é lar. Os novos escribas não a sentem, não a usam, é antiga, passou de moda. Eu sinto-a com lágrimas nos olhos. Nesta vida comprida é natural que haja horas em que as palavras voltem.


publicado por velhoparafuso às 15:54

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
13
14
15
16
17
18

19
20
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds