.posts recentes

. O que eu quero de mim?

. Viver e aprender

. Atenta aos sinais

. Saudades de mim

. Um dia diferente

. Intemporal

. A estrada

. ...

. É só domingo

. Passear comigo

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Segunda-feira, 27 de Outubro de 2014

A cor da escrita

Entristeceu-me ver a cor do Post anterior. Ao querer transmitir alegria ao que vou dizendo ultrapasso os meus conhecimentos sobre esta utilização e construo um efeito mau. Como isto funciona como uma especie de diário, continuo a escrever por me arrepender da asneira feita. Onde já se viu sob as letras uma cor tão insípida? E como pode o Velho Parafuso perder tempo com tais tolices? Conforta-me a qualidade dos poucos leitores que, sendo meus amigos, sorriem apenas. Boa noite.


publicado por velhoparafuso às 19:26

link do post | comentar | favorito
|

...

São sete horas da noite e o tempo disponível para escrever é muito escasso. É talvez bastante para deixar aqui palavras de agradecimento à Vida pela proteção que me está dando todos os dias. Acordo com a certeza de que vou conseguir resolver problemas que muito me preocupam, todos relacinados com a minha irmã e com a nossa longevidade. Mas há surpresas boas, que me deixam em choque. Sei que o tempo tem o seu tempo e por isso aguardo serenamente, pondo o pensamento ao alto, o coração esperançado e o querer sintonisado no Espírito de onde vim. Aos poucos e sem eu esperar, os enviados vão aparecendo e sem o saberem, vão cumprindo as nossas missões. Depois eu sigo noutro sentido, também prolongando a Graça em benefício de alguém. Assim se fecham círculos, unindo as mãos pelo mundo fora.


publicado por velhoparafuso às 19:00

link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 20 de Outubro de 2014

Calor de verão

Subi ao último andar do edifício para sentir a tarde quente. Não há vento. A água azul da piscina está plana e transparente. O ruído do trânsito é uma onda com movimento nas ruas largas. As luzes vão ponteando os lugares para lá do Tejo e a Serra da Arrábida é uma sombra até ao Cabo Espichel. O meu prazer é indescrítivel. Como poderia imaginar em usufruir uma habitação com tais requisitos? Como foi possivel ter esta experiência? Glorificar a vida diariamente por tudo que tenho recebido, é como nascer de novo para a felicidade que todos ambicionamos.

 


publicado por velhoparafuso às 18:13

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quinta-feira, 16 de Outubro de 2014

...

Além de mim, o vento. O vento embala as árvores que vejo e abre fecha a porta de vidro que limita o meu espaço do jardim. Além de mim, o silêncio. O silêncio que se ouve atrás de todos os sons que são ouvidos, quer vindos de fora, quer os que eu provoco. O vento e o silêncio são presenças vivas. As únicas, além das folhas verdes sob a luz da tarde. Não toca o telefone. Não há amigos, não há família. Muitos partiram outros esquecem. Além de mim, o assombro por tudo que vou observando com os olhos do coração. Estarei no lugar certo para cumprir um destino? Talvez nunca saberei. Hoje, apenas ouço o vento a cortar todo o silêncio.


publicado por velhoparafuso às 18:39

link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 12 de Outubro de 2014

A consciência

Hoje estou sózinha nesta casa cheia de gente. Nada nos une mas somos iguais, Mesmo sem darmos as mãos, as nossas energias confudem-se, tornando as nossas consciências ( quantos biliões?) numa só consciência, a consciência da Terra. Neste planeta, a nossa casa enquanto matéria, as leis da Vida mostram como se gera a causa-efeito, a mecânica do movimento e força da energia que a move. A consciência coletiva dos seres vivos, todos os seres e toda a matéria, estão imbuídos dessa força que a Terra utiliza para lhes dar Vida e também estar viva no Espaço, cheio  de tudo que nos põe a sonhar. Esses sonhos são igualmente motores de consciência que vão engrandecer a parte invisível onde estamos inseridos.O Espírito da Terra são os nossos pensamentos, as palavras e os actos de cada um. É belo pensar sobre este poder-vontade que nos define como humanos.


publicado por velhoparafuso às 18:48

link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 4 de Outubro de 2014

Isto é "entretenimento"?

Encontrei hoje o écran alterado por decisão  do servidor. Gosto de novidades porque dão a alegria de procurar ,surpreender e depois utilizar como me parece melhor. O dia está quente e eu tinha projectado, para não apanhar calor, ficar no quarto a escrever sobre "entretenimento". Porque no significado desta palavra está incluído o esquecimento de preocupações, não querer sentir o tempo, ter uma situação de ócio, enfim, procurar formas de prazer que façam amenizar as tensões. No entanto, encontro um certo exagero nos tempos actuais.Os jogos on line, os telemóveis, etc, etc. não incitam a pausas, a meditações ou à busca interior de cada um. A leitura está posta de lado (?), o conversar, a procura do sossego, aquilo que nos liga como humanos. Mas há o outro lado da palavra. Entreter é também trabalhar, ensinar, progredir. Este assunto daria páginas de retórica com raciocínios de conclusão pouco apreciável. Desisto por não me sentir apta para tal desfecho.


publicado por velhoparafuso às 15:33

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds