.posts recentes

. Depois do almoço

. O que eu quero de mim?

. Viver e aprender

. Atenta aos sinais

. Saudades de mim

. Um dia diferente

. Intemporal

. A estrada

. ...

. É só domingo

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Quinta-feira, 27 de Novembro de 2014

Paísagem mental

Quando os passos

me levavam ao rio

e por estar ali

enchia o peito de assombro.

E ainda por pisar o lugar,

os olhos guardaram todo o azul

que me envolvia.

Eu não sabia

como esse tempo

era abençoado por tudo ser possivel.

Agora, nem o rio existe

para além do que fui.


publicado por velhoparafuso às 14:42

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quinta-feira, 20 de Novembro de 2014

Assombro

Nestas andanças, para onde vou, para lá do que o meu corpo pode suportar, como se voasse para lá de mim, no desejo de encher a Terra de Céu. Para lá do infinito imaginário que a minha alma projecta, ser alguém de asas para ensinar a ser quem se quer Ser. Difícil de pensar, difícil de agir, difícil de intuir. Só a Vida sabe para onde, por onde ir e como ir. Só irei estar onde tiver de estar. Só farei o que tiver de farei. Por isso espero que a força da Vida viva em mim.


publicado por velhoparafuso às 17:29

link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 13 de Novembro de 2014

Chuva que arrefece a alma

Esta pancada no vidro, mais o som da água que escorre por ele, dão-me frio mesmo aquecida. E o frio vai até ao íntimo do corpo que eu não sei aonde está mas sei que está. Por isso estou necessitando daquela mão quente que foi passado, do abraço carinhoso da Mãe que há muito perdi, enfim daquilo que a todos consola - Amor. O inverno, que ainda não chegou, tem isto. Parece que aumenta as carências e deixa cada um de nós a chorar pelo Sol. E também pela força da mocidade que me fez lutar e viver o meu caminho. Aqui estou gastando o meu tempo a sofrer com a chuva e com o silêncio colado às paredes do espaço onde vivo.


publicado por velhoparafuso às 18:46

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Terça-feira, 11 de Novembro de 2014

Almoço groumet

Dia de S.Martinho. Festejo em casa de velhos. Para quê? Para os alegrar, para os distrair? Mesas redondas, cadeiras de rodas e bengalas encostadas, tudo bem decorado. O coração da Casa a aquecer os hospedes debilitados e nós envoltos nesse carinho que se aceita como lógico e necessário. Empregados de mesa atentos para aligeirar qualquer deslize. Algumas conversas por outras mesas como ruído de fundo. Eu ocupei um lugar vago numa mesa já cheia. À esquerda e à direita estavam duas senhoras de noventa anos, ambas surdas e silenciosas. Dediquei-me ao que serviram e apreciei a refeição. Uma sopa de abóbora servida em terrina de abóbora que brilhava pela sua cor, como uma luz acesa. Um prato de carne muito leve, com legumes e fruta e uma sobremesa deliciosa com batata doce embrulhada em massa fina, como uma trouxa, acompanhada de sumo de maracujá. Depois um café fraco, como convém. E uma saudade imensa a sobrepor-se ao presente, que sendo bom, abre janelas ao passado para todos serem sentidos e recordados.


publicado por velhoparafuso às 17:30

link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 6 de Novembro de 2014

Matriz

Entreguem as minhas cinzas ao vento. As energias libertas pelo fogo serão partículas que o vento vai dispersando, como sementes de outros eus ou nós, não sei, mas queria que fosse. Tudo se renova, nesta constante atividade de ser e de não ser. Todos os princípios serão apenas continuações para além de todo o conhecimento humano. Tal como as sete notas musicais, produtoras de todos os sons desde o início dos tempos, as ideias sobre isto ou sobre aquilo, aparecem feitas na nossa mente, é só decifra-las e guarda-las. Por vezes são úteis a um fim específico e então devem ser aproveitadas. Podem ter vindo com o vento, numa energia libertada pelo fogo ou por um beijo de amor. Quem sabe?


publicado por velhoparafuso às 15:41

link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 3 de Novembro de 2014

O rio da Vida - conto Sufi

Um pequeno ribeiro nasceu no alto de uma montanha. Pela encosta abaixo cresceu muito feliz. O sons que produzia saltando sobre as pedras atraíam o cantar dos pássaros, o sussurro do vento e o riso das crianças. Submersos, numerosos peixes nadavam e se reproduziam nas suas águas. Inundava os campos e matava a sede a inúmeras criaturas. A sua felicidade era tanta que o orgulho pela sua existência foi crescendo a ponto de se julgar único no mundo. Um dia de verão, quando encontrou grandes rochas dificeis de ultrapassar, ouviu um murmúrio vindo das pedras que dizia: procura o deserto, é o fim do teu caminho. Cheio de alegria e orgulhoso de si, saltou as últimas pedras e entrou numa planície. Cantando, levou as suas águas sem pensar naquele som misterioso que o ía impelindo para o desconhecido. Assim chegou frente ao deserto onde as suas águas se perderam na areia quente. O pavor, até aí desconhecido, tomou conta do ribeiro. Não podia recuar mas não queria acabar alí. Então ouviu de novo o som que lhe dizia para se entregar ao vento. Isso não posso, deixo de ser eu, o mais belo dos ribeiros. Escolhe o vento. Porque ele leva o teu vapor e como nuvem te deixa caír em chuva e de novo serás tu. Enquanto pensava, a areia, ávida de água, sugava-o sem parar. O murmúrio falou. Porque tens medo? Aqui desapareces e no vento viverás. Então o ribeiro chamou o vento. Este levou-o numa rajada até ele se sentir nuvem e recordar como tinha sido antes de ser ribeiro. Uma nuvem enorme envolveu-o e então as suas águas desceram, em chuva, sobre a terra. Umas gotas ficaram juntas. O ribeiro nasceu de novo. É por isto que se diz que a forma como o rio da Vida vai prosseguir a sua vigem está escrito nas Areias.


publicado por velhoparafuso às 18:06

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
13
14
15
16
17
18

19
20
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds