.posts recentes

. Depois do almoço

. O que eu quero de mim?

. Viver e aprender

. Atenta aos sinais

. Saudades de mim

. Um dia diferente

. Intemporal

. A estrada

. ...

. É só domingo

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Quarta-feira, 28 de Janeiro de 2015

Pensamentos com palavras

O outono foi por ti escolhido.

A primavera ainda sem o teu regresso.

Caem as folhas, piam as aves,

uma cascata à tua porta,

os montes em frente da janela,

o silêncio e a serenidade.

Ao desfiladeiro da montanha

que importam as querelas dos homens?

De longe, na minha casa de viver,

olho as nuvens sobre os montes.

Os dias cada dia maiz vazios,

eu envelhecendo cada dia.

Mas todos os anos trazem de volta a primavera.

Meus pequenos prazeres numa taça de vinho.

Para que lamentar o murchar das flores?


publicado por velhoparafuso às 16:00

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quinta-feira, 22 de Janeiro de 2015

... e vi o menino !

A Natureza mostra-se, informa, resplandece. A Mulher recebe do Universo um Ser que desconhece. As partículas de luz atraem-se e formam átomos, estes unem-se em moléculas que serão os tecidos. E os orgãos formam-se de neutrões, protões, fotões, etc, cada um diferente mas conhecendo já o seu futuro. O coração a preparar a autonomia do corpo, guiado pela inteligência Divina. Até ao grito, até ao choro, até ao Amor. É tempo de espanto, de alegria e de receio. O desconhecido causa medo e o Ser vem abrir-se para irradiar nesta rede que a todos une. É fantástico viver numa época que permite conhecer este milagre. Este texto é dedicado à Sara, por me ter dado esta visão preciosa.


publicado por velhoparafuso às 18:10

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Terça-feira, 13 de Janeiro de 2015

Ler FERNANDO PESSOA

Nasceu uma orquídia branca. O sol queima-me a nuca. O corpo estremece de prazer ao sentir a energia que o invade. A vontade, ligada ao poder da Vida, parece não ter fim. O coração quase fala com a poesia que leio, pelo uso das palavras simples e das ideias simples que outros são mestres em fazê-la. Comovidamente, copio uma estrofe de um soneto, escrito em 22 de setembro de 1933:

 

                     A criança que fui chora na estrada.

                     Deixei-a ali quando vim ser quem sou;

                     mas hoje, vendo que o que sou é nada,

                     quero ir buscar quem fui, onde ficou..


publicado por velhoparafuso às 18:26

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Filosofando

Há palavras que aplicadas a nós mesmo parecem refletir uma auto estima tão elevada, que produzem nos outros a impressão de vaidade ou até orgulho. Sempre se fala na beleza da humildade, mas quando esta é demasiada também parece vaidade. Usar a medida certa para avaliar as nossas ações é quase impossivel. Quem tem por hábito analisar-se perante as sociedades onde está inserido, vai encontrando alterações no seu comportamento, que talvez resultem do desejo de agradar, de não magoar outros ou até do desejo de ser útil a alguém. Eu noto em mim estes cuidados, por recear mostrar mais conhecimentos de ordem geral e algumas aptidões que podem ser apontadas como "fora do ambiente". É um jogo comigo mesma. Cada conversa tem um visor responsável que, muitas vezes, deixa passar assuntos que não podem ser entendidos pelas pessoas presentes. E aí vem o arrependimento e a sensação de não ter parceiro possivel. Este jogo mental é tão só meu agora que já vou esquecendo quando eramos dois a jogá-lo.


publicado por velhoparafuso às 17:56

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quarta-feira, 7 de Janeiro de 2015

Eu e a circunstrância

Bati à porta do vento e entrei. Para fugir ao destino fui levada num rodopio que passava sempre pelos mesmos pontos concretos, fazendo de mim uma parte do carossel, girando no mesmo sentido pela vontade do vento. É assim que eu descrevo a parte da vida em que não encontrei chão nem noção de responsabidade. Num ápice saí do vento e vi-me. Algo me tinha despertado e abri os olhos para decidir sobre mim e sobre o meu caminho. Logo encontrei  o Amor e o querer viver sem interfências de outras vontades. A natureza foi benéfica até hoje. O tempo deixa-me ver que não fugi ao destino, destino para mim que é o projeto de vida, que pude ou não cumprir. Há tendências que a alma guarda e que seria bom manifestá-las ainda. Algumas conheço, outras não. O tempo é curto para tanta tarefa, mas estou tentando. É para isso, talvez, que ainda não perdi as faculdades de agir, pensar e idealizar. Para ir comigo sempre.


publicado por velhoparafuso às 18:58

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
13
14
15
16
17
18

19
20
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds