.posts recentes

. Depois do almoço

. O que eu quero de mim?

. Viver e aprender

. Atenta aos sinais

. Saudades de mim

. Um dia diferente

. Intemporal

. A estrada

. ...

. É só domingo

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Sábado, 30 de Maio de 2015

O leopardo

Lindo, preguiçoso, patas suspensas, caídas sobre o ramo de uma árvore. Dorme. As orelhas erguidas, num alerta ao sono. Para ele não há mal nem bem. è tudo da sua natureza e á futura presa tudo se passa igual,como quando também foi predador. Para nós, que somos pensantes, parece simples. Mas será? Além das necessidades básicas, será que pensam, que sabem, que decidem? Ontem li a notícia em que um gato salvou o dono e o filho de um incêndio. Miou desesperadamente, até que o dono foi ver o porquê de tanta aflição. São tantas as provas de Amor que nos levam a conclusões complexas. E pelo sim pelo não, não deveriamos pôr de lado as carnes que comemos, os animais que criamos para matar, num conforto suspostamente necessário à Vida? Já alguém perdeu um minuto a contemplar o olhar meigo de um cordeiro antes da faca o levar ao forno? Há muitos anos que tenho esse olhar na lembrança, quando estive perto dos preceitos antigos. Aqui sei que peco, contra mim, contra o acredito. Por gula, por medo.


publicado por velhoparafuso às 15:30

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Contemplando o menino

que está agora nos braços do Amor, para crescer cada dia. As fotos são do Milagre da Vida, que só se sente quando está ali, num processo de desenvolvimento que corre rápido, até cada pessoa dizer " quando eu era pequenino". E foi ontem. Não sabemos como passa o tempo. Acontece a todos. Por isso, desejo ao bébé que quando olhar o seu passado, possa dizer "fui feliz". E que este pensar abranja quem o rodeia.


publicado por velhoparafuso às 15:14

link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 20 de Maio de 2015

O vento e as rosas

Preciso que me escutes, mesmo estando ausente. Sabes que o meu coração sofre e que o meu pensamente procura os caminhos do sofrimento. Talvez por conta do passado ou por temer o futuro, tudo dignifica a dor instalada na alma que se sente presa, ansiosa por liberdade. Aqui está o mistério que os sentidos não desvendam. Por isso há a súplica, a gratidão e a busca. O Eu não vislumbrado mas que está onde deve estar, ao fim do caminho. Há dias em que de tudo se tira alegria, mas o dia de hoje foi de mágoa, esforço, coisa triste. Até o vento desfez as rosas do jardim. Perto de mim estavam mortas as pétalas das rosas amarelas. Fazem falta, como tudo na vida.


publicado por velhoparafuso às 19:07

link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 12 de Maio de 2015

Páginas lidas

Sobre os velhos livros há a sombra das palavras. As páginas amaralecidas são viradas com leveza e respeito até à leitura e entendimento de tudo nelas impresso. A imaginação leva-nos ao passado, vivendo o futuro que o autor deliniou. Comove-me a data em que foi escrito, por tanto que me dá ainda hoje. Em prosa ou em poesia, ou abrindo os caminhos do conhecimento, cada livro antigo deve ser respeitado como um mestre, aquele mestre que, na nossa privacidade, nos ensina e nos delicia. Há pessoas que dizem não gostar de ler, outras dizem não ter tempo para isso. Ninguém lhes ensinou como podemos ser ricos de tudo o que imaginamos, ao aprender com um fiel amigo que pode ser de tantos ao mesmo tempo. Revi os meus velhos livros. Lembrei os muitos que dei e que vendi. Chegou o tempo de os deixar com outros que, como eu, os leiam pensando "quem teria lido estas palavras?" que mãos viraram estas páginas?" Isto é amar os livros e o saber que nos proporcionam.

 


publicado por velhoparafuso às 18:01

link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 5 de Maio de 2015

Serões do passado - 2

Era mais sensato ficar na rua, pois assim vê-la-ia aparecer a caminho das suas tarefas. Pensou, mais uma vez, quais elas seriam quando a voz que não entrava pelos ouvidos se fez ouvir: "o meu trabalho é este, vir buscar-te, como a tudo que deve renascer sob o meu impulso, em dia e minuto que só eu conheço. Por isso me julgaste a correr, embora o tempo e o espaço não existam para mim. Esperaste-me quando não me viste passar ao longe. Eu estava dentro de ti, porque a noite seria a tua hora sagrada." Recordo que perguntei "e depois?" e depois o homem velho foi encontrado à porta de casa por um vizinho, já o sol ia alto. Olhava sem ver o campo que tanto amara. E depois?

Este conto fez-me muito mêdo. Não entendi.


publicado por velhoparafuso às 17:46

link do post | comentar | favorito
|

Serões do passado - 1

A memória, quando apta, dá-nos um filme colorido e sonoro a passar no ecrã gigante de um tempo vivido. Por isso, lembrar hoje a serenidade daqueles serões, aguardando a hora do chá e das bolachas que faziam parte do ritual antes do deitar, é um prazer para mim. Uma das tias e eram três, lia alto o que o Diário de Notícias publicava ou trechos tirados de livros, próprios para jovens e crianças, onde eu estava presente. Havia uma revista mensal, chamada "Serões" que todos aguardavam com ansiedade. Recordo bem o terrivel conto dos Manos Papões, que me arripiava e tirava o sono.Também recordo um outro que me fazia pensar em algo que eu ainda não entendia. É esse que quero recordar, com palavras minhas mas igualzinho ao que ouvi em criança. "Um homem velho esperava o anoitecer sentado à porta de casa, frente ao campo plano, de onde avistava o sol a desaparecer. E quando o tempo se tornava frio ou chuvoso, era dentro de casa, com a porta aberta, que aguardava o caír da noite. Até que uma tarde viu uma figura esguia a correr pela planice, vinda de lado algum e à pressa para lado nenhum. Espantado aguardou saber quem era e de onde poderia ter vindo. Mas apenas lhe ficou a lembrança, pois às suas perguntras não houve uma resposta. Passou tempo. E uma tarde, quase noite, a cena repetiu-se. O homem velho, que julgava que já sabia tudo por ser velho, gritou e acenou, mas não foi atendido. E o vulto ía e voltava, como uma lanterna que se acendia e se apagava. A visão era agora diária e a curiosidade cada vez maior. Assi, levantando o braço e a voz, gritou: quem és tu e para onde vais? A resposta veio rápida e nada ofegante para quem ía a tamanha velocidade: sou a morte e vou trabalhar. A voz que entrou pela cabeça e não pelos ouvidos, deixou-o gelado. Sem esperar pela noite recolheu-se e fechou a porta. Tentou dormir mas o sono ficara fora. Alimentando a insónia, perguntava a si mesmo qual seria o trabalho da morte e porque corria tanto, de um lado para outro. Aos poucos foi perdendo o mêdo, voltou a dormir descansado. Pois se ía trabalhar é porque havia trabalho para ela algures. As tardes monótonas repetiam-se a ver o pôr do sol e a vê-la sempre apressada. Mas houve uma vez em que não a viu. Olhou para todos os lados e nada. A noite chegou. Temeu ir para dentro, não fosse ela estar a descansar em sua casa.  


publicado por velhoparafuso às 17:11

link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 3 de Maio de 2015

Lágrimas atrás dos dias

Há um poema sentido em cada lágrima. Em cada lágrima há dentro a dor que nos destrói. A dor que sobe do peito e em chamas nos consome. A perda pode ser compreendida mas nunca é aceitável. Nunca se entende por ser uma perda, algo que a vida nos cola à pele e sem aviso nos tira. E, em lágrimas, juntamos as outras, as que já foram, num abraço sem fim. Nesta fase, falando de semanas. só forçando a distração, se encontra alento., pouco mais que um sorriso. As palavras podem ser o ombro amigo, aquele que ocupa todos os lugares vagos à minha volta. E são muitos, todos resumidos em fotografias velhas que das paredes me olham, como se eu não existisse.


publicado por velhoparafuso às 18:33

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
13
14
15
16
17
18

19
20
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds