.posts recentes

. É só domingo

. Passear comigo

. Abre e vê

. Hábito ou necessidade

. Lágrimas

. Calor e coração

. ...

. Manhã de nada

. ...

. Ignorante

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Quinta-feira, 27 de Agosto de 2015

A escuridâo dos dias

Com a noite a chegar mais cedo e algumas plantas a mudarem de verde para amarelo uma ou outra folha, a mostrarem como o outono vai invadindo os locais da Terra onde vivemos,eu começo a sentir a nostalgia e o medo que o inverno sempre me trouxe. Para me defender tento criar um ambiente mais confortável, ao mesmo tempo que procuro saír, nem que seja para sentir outras pessoas a passarem por mim. Há muito de infantil neste sentimento de tristeza, de perda, de antevisão da morte. Tudo o inverno me provoca. A criança que em mim fala, diz que tem medo do vento, dos trovões, da chuva, de tudo que os braços da Mãe protegiam. A mulher diz nada temer, além da sua fraqueza. Tudo é dual e a união sem desunião não existe. Por isso, a fraqueza é verdadeira quando a força, que me faz enfrentar estes dias, é suficientemente forte para que eu engula as lágrimas que tenho para chorar.


publicado por velhoparafuso às 18:03

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Domingo, 23 de Agosto de 2015

Entre a sanidade e a maleita

Sempre me vi um pouco perdida entre o que sabia ser a saúde e as pequenas enfermidades que aos poucos me invadiam, não impedindo, no entanto, de ter vivido com aceitação muitas situações de algum sofrimento. Estou numa dessas fases que espero ultrapassar em breve. Como todos os velhos, todos os dias sentem um sintoma novo, próprio da degradação física a que estamos expostos. Com humor ou seja rindo de nós mesmos, vamos convivêndo com a velhice, que é uma forma dorida de nos agarrarmos à vida. Depois deste conflito pessoal e intransmissivel, temos de ouvir as opiniôes de quem nos receita o pseudo alívio, de quem quer aliviar os ais que exalamos, da toma ou não do comprimido, etc,etc. Enfim, um aborrecimento total. Mas como há intervalos, amanhã já é tudo belo, hoje pode ser bom, veremos se é com sol e céu azul. E com flores e frutos deliciosos, escorrendo néter pelas mãos e pelo rosto, a lembrar a infância e a vida plena.


publicado por velhoparafuso às 11:46

link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 15 de Agosto de 2015

Os dias passam estranhos

Neste fim de mundo onde eu vivo e aqui sou apenas a ilusão de ser, sinto os dias a passar para além das previsões temporais, como se o tempo estivesse dentro do coração energético e não aquele que pulsa. Diz quem sabe, que somos nós que passamos no tempo e não o tempo que passa sobre nós. Porque só há o agora, este instante, que já é ontem e foi o amanhã. Desta dicotomia deve nascer a nossa ansiedade de viver, porque não compreendemos o Absoluto que nos concebe. Apenas perceções ou serão memórias de vidas que não devemos lembrar? O Tudo se completa dentro de cada ser vivo, em cada átomo de todo o Universo. Como eu apreciaria sentido e sabendo...


publicado por velhoparafuso às 19:40

link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 6 de Agosto de 2015

De outros para mim

Acabei de ler um livro de "contos para curar a alma", A sua essência é constante com a Natureza, a Vida ou Deus, como queiram expressar-se. E desta trilogia ressalta uma liberdade de pensamento espantosa porque o autor não receia as críticas dos que ainda defendem que só existe o que os seus olhos observam. Não, há muito mais junto a nós e que os nossos sentidos não precentem. Vou recordar um sentimento e uma sensação que senti quando, numa manhã de primavera, a caminho de trabalho, me abriguei à sombra de uma àrvore na estação de comboios de Cascais. Nesse tempo cresciam belas árvores nas gares. Foram abatidas para que telheiros de metal dessem mais proteção a quem espera os comboios. E chama-se a isto modernidade. Quando me aproximei da árvore desejei abraça-la. Encostei-me a ela e puz os braços à sua volta, com amor e devoção. Recebi um choque tão forte dos pés à cabeça, que ainda hoje guardo na memória. Desde aí entendi que somos todos Um, como este livro nos quer mostrar.


publicado por velhoparafuso às 11:41

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Ousadia

Tem noventa e cinco anos. Foi contabilista e sempre amou os astros. Estudou astronomia e agora dedica-se ao cálculo de probabilidades adaptado ao Totololo. Tem um blog, através do qual mantém contacto com pessoas interessadas nestas matérias. Não toma medicamentos e deixa boquiabertos os médicos que a família procura para lhe manter a saúde. Ficou viúvo há pouco tempo. A dor é evidente mas o trabalho serve para continuar a viver. Ao conjunto de qualidades acrescento a ousadia. Diz que quer fazer os cem porque tem ainda muita coisa para aprender. E se ousar é preciso para continuar, também é muito necessário para manter a esperança de ver crescer os bisnetos à sua volta. Como o blog é público, aqui o deixo para ser visto: "sorte à vista".


publicado por velhoparafuso às 11:17

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
13
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds