.posts recentes

. Depois do almoço

. O que eu quero de mim?

. Viver e aprender

. Atenta aos sinais

. Saudades de mim

. Um dia diferente

. Intemporal

. A estrada

. ...

. É só domingo

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Sábado, 26 de Setembro de 2015

Alterações visiveis

Estou a alterar a minha vivência, aos poucos e sem ter decisão pensada. Há pouco tempo fazia alguns trabalhos que me alegravam, por tê-los conseguido com exito. Hoje deixo correr o tempo, com indiferente e passiva forma de olhar cada hora do dia. Folheio uma revista, abro e fecho a TV ou o PC e quando vou jantar, vi que as horas se escoaram e não acertei a vontade com a disponibiladade física de que ainda disponho. Não deixo de pensar, imaginando o que gostaria de escrever ou até trabalhos manuais, com criação útil para usar neste inverno. Aceito a velhice, já instalada e por isso avançando pé ante pé. Este outono talvez me empurre para outro degrau de dependência que eu não aceito viver. Volto-me para a força espirítual, pois o que vejo nesta casa tem de me dar energias para contrariar o inevitável.


publicado por velhoparafuso às 18:31

link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 23 de Setembro de 2015

Marés

Outono traz o mar grande, violento, que nos deixa pasmos perante tal beleza do movimento, de cor em espiral, do quase castanho ao branco, do verde ao azul, como se um maestro tivesse na sua mão a música em tonalidades e sons. Sentir e viver tudo isto de fora para dentro, na percepção íntima de que ali também estou, numa existência colétiva dá-me uma felicidade que a alma conhece de outras sensações idêndicas. Sou e sei que sou parte de tudo, do desconhecido ao que todos já vamos poder conhecer, num mundo cada vez mais nosso, que podemos salvar ou perder. Da beleza da nossa Casa não ficará memória se o mar for um esgoto, se o ar for irrespirável. Que o outono venha sereno e traga alguma chuva.


publicado por velhoparafuso às 18:11

link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 20 de Setembro de 2015

Os domingos

Hoje é domingo. Ontem foi domingo também. Toda a semana é domingo porque este tem a semana dentro. O tempo encolhe a semana e eu fixo-me no domingo como farol dos dias. A comunicação é imediata e tudo é visto em direto. O conceito de rápido é para ontem, o que há décadas era para a semana seguinte. O espaço deminuiu porque o tempo também deminuiu entre cada local, por via dos transportes serem o que hoje são. O conhecimento atravessa o espaço em microsegundos para quem o procura. Os astros são devassados e encontrados como brinquedos dos homens sábios. Aqui me detenho, receando viver os meses dentro do domingo, fazendo a Terra respirar o tempo que a irá deixar de pulsar.


publicado por velhoparafuso às 11:11

link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 18 de Setembro de 2015

Emoção

A minha amiga perdeu um filho. Ela é doente, ele também era. Todos a iludiram para viver a esperança. Mas a esperança partiu com ele e ela viu a verdade num minuto, sem amparo possivel. Tiraram-lhe o chão e deram-lhe nada para o dia a dia. Voltou para casa, para perto de nós. Aqui é cuidada e amada por todos, residentes e trabalhadores. Ninguém pergunta e todos usam o respeito no contacto necessário. Eu tinha de escrever sobre este acontecimento porque a dor daqueles que amamos cola-se em nós e o peito doi e choramos também. Esta semana tem sido de ausencia para as habituais distrações. Gostava de poder ajudar, embora saiba que não tenho poderes para tanto. Como dizer a uma Mãe que a morte é certa quando a doença, com muito sofrimento, só para ela aponta? Como aliviar aquele olhar sem lágrimas a pedir ajuda? Se ao menos ela aceitasse que foi o melhor para os dois, ambos doentes, dependentes da famíília amiga mas com muita gente a precisar também de cuidados? Mãos divinas desçam sobre ela, com ajuda dos anjos que eu sei existirem.


publicado por velhoparafuso às 17:45

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Terça-feira, 8 de Setembro de 2015

Nas voltas do vento

Dia de quase outono. Cantam as cigarras. A sombra dos pinheiros divide ao meio o verde da relva. O vento que empurra. afasta e levanta, ficou no seu berço gigante, longe, muito longe, talvez em lugar nenhum. As diferencas entre os ares quente e frio, hoje não existem, deixando que a calmaria se manifeste. É assim a nossa casa azul, onde as leis termodinâmicas regem cada segundo. Quem são os sábios deste tempo? Onde estão os poetas que nos emocionam? Que filosofos usam o pensamento a fim abrir caminhos aos que querem saber pensar? Estarão ocultos ou eu não sei reconhece-los? Pois não sei. Quem sabe das voltas do vento?


publicado por velhoparafuso às 18:08

link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 3 de Setembro de 2015

O que tenho visto

Aos seis anos já ouvia falar de atrocidades que a humanidade inflingia a si mesma. Nesse ano de 1936 rebentou a guerra civíl espanhola e na família era natural fazerem comentários, julgando que as crianças não entendiam o assunto. Mas eu dava a maior atenção e guardei muito do que ouvi. A descrição de horrores tornou-se banal até hoje. Não há limites para o sofrimento. Não há limites para a crueldade. Feitas as contas, são oitenta anos de guerras sem paragens, com milhões e milhões de mortos. Os interesses aumentam na medida em que aumentam os artefactos bélicos, o luxo, os prazeres das socidades viciadas em "liberdades" sem educação ou princípios éticos. Cada vez se apela mais ao sexo, desde as fotos publicadas aos jogos da internet. Não há privacidade. Muita gente não sabe o que é respeito pelo outro. Mata-se porque sim. É tão simples, tão dolorosamente macabro, que já faltam as palavras.


publicado por velhoparafuso às 19:23

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
13
14
15
16
17
18

19
20
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds