.posts recentes

. ...

. É só domingo

. Passear comigo

. Abre e vê

. Hábito ou necessidade

. Lágrimas

. Calor e coração

. ...

. Manhã de nada

. ...

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Sexta-feira, 30 de Outubro de 2015

Viagens

Hoje estou no Museu Rodin. Detenho-me frente aos Burgueses de Calais e choro. Vou procurar "Na mão de Deus", ainda sei o caminho e depois vou comtemplar o "O beijo". Fico parada de espanto. A beleza não tem definição apenas é. Da pedra foi tirado tudo que não era necessário para se cumprir a Obra. Quando a vi, pela primeira vez, toda eu fui lágrimas. A comoção foi maior que eu. Os blocos de mármore são vivos nos rostos neles concebidos. As mãos, com veias, sugerem os gestos humanos, sejam de amor, de prece ou morte. Regresso. Entro no Museu Soares dos Reis. Meu coração une todas as Obras geniais e choro, Por mim, pelo sonho, pelas obras inacabadas.

Digitalizar0003.jpg

 


publicado por velhoparafuso às 16:27

link do post | comentar | favorito
|

Viagens

Hoje estou no Museu Rodin. Detenho-me frente aos Burgueses de Calais e choro. Vou procurar "Na mão de Deus", ainda sei o caminho e depois vou comtemplar o "O beijo". Fico parada de espanto. A beleza não tem definição apenas é. Da pedra foi tirado tudo que não era necessário para se cumprir a Obra. Quando a vi, pela primeira vez, toda eu fui lágrimas. A comoção foi maior que eu. Os blocos de mármore são vivos nos rostos neles concebidos. As mãos, com veias, sugerem os gestos humanos, sejam de amor, de prece ou morte. Regresso. Entro no Museu Soares dos Reis. Meu coração une todas as Obras geniais e choro, Por mim, pelo sonho, pelas obras inacabadas.


publicado por velhoparafuso às 15:51

link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 24 de Outubro de 2015

O peso das nuvens

Este ser que julgo ser e de longe vem, onde já fui outros eus, todos talvez tão diferentes que nem os posso imaginar, encontra hoje uma encruzilhada na sua forma de ser. Entre a ventura e a desventura, entre as duas naturezas de aprender e de esquecer ao que vim.  A ventura serve a alegria egoista de viver, sem olhar à volta. A desventura é usar cada dia a fazer da vida a amargura solidária do viver do outro, tirando de mim algo que me pode proteger. Será uma questão de fé optar pela segunda? Nesta sigo o ser que julgo ser e por este caminho atingirei a primeira? E o aprender terá correspondência no lembrar o caminho esquecido.? Tantas são as dúvidas que a vida nos põe nas horas em que a consciência nos inquieta, perante acontecimentos que pedem a nossa intervenção. Estender a mão ou ouvir Mozart?. Temos sempre que decidir e assim vamos para outra encruzilhda...


publicado por velhoparafuso às 11:20

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Domingo, 11 de Outubro de 2015

Tarde de chuva

Por vezes é do tempo, por vezes é do que dizem, às vezes é mal que se tem sem definição na origem. Estou a pensar numa flor que brilhou até hoje ou até ontem. Veio a chuva que é boa mas entristece e como tal incomoda. Eu posso ser a flor e se fosse seria violeta. Só estes pensamentos loucos podem levar a tais transformações, pois eu escrevo penetrando no jogo das palavras, umas vezes com lógica outras vezes sem ela. O idioma português é fertil em significados. Podemos usar muitos sons para o mesmo léxico e nesta riquesa a poesia é raínha. Por isso se permite divagar sem uma ideia concreta. Apenas voar no sonho sem caminho definido. Neste domingo triste, com pouca saúde, só posso ter sido violeta. 


publicado por velhoparafuso às 18:21

link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 5 de Outubro de 2015

O nosso mundo criativo

Ontem houve eleições legislativas. Cada um, à sua maneira, criou espetativas para uma sociedade diferente, de acordo com interesses pessoais uns, coletivos outros, também utópicas alguns, talvez demasiado materialistas outros, enfim, milhões de cabeças pensando que só o seu pensamento é o certo sobre qualquer outro. Neste possivel certo juntam-se adequadamente como trbos, alguns parecendo inimigos, usando as ideias como armas fatais. As palavras, por vezes contidas, expressam os sentimentos que os levam a sugerir à outra tribo que adotem o seu pensar, tentando ludibriar os mais incautos. Aqui deixo esta ilusão do poder, que a tantos cega pela ambição e inveja. Como tudo é relativo e enganador para a tríbo que se julga em plano superior, assim como o é para todas as outras que lutam por atingir a concretização dos seus interesses. Seria tudo mais fácil e belo se o pensamento coletivo fosse direcionado para o bem de todos, tendo o Amor como objetivo comum.


publicado por velhoparafuso às 16:12

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sexta-feira, 2 de Outubro de 2015

Pensar os dias

Este ser que julgo ser vem de longe, onde já fui outro alguém, embora seja o mesmo. Estive a ler Fernando Pessoa e também penso sobre a sequência da vida, não só como seres conscientes, mas tabém como seres que dia a dia se transformam, sem disso terem uma noção concreta. A minha alma, onde penso, decido e escolho os caminhos para ir vivendo e o corpo, com as suas células inteligentes, que nascem e morrem aos milhões em cada hora, não me dão sinais da sua presença e eu, na minha ignorância, vou perpétuando a ideia de que sou algo de decisor aqui, enquanto mundo. Eu ontem já fui outra e amanhã não serei igual a hoje. A morte é presente em cada minuto por ser a vida em transformação.  E como nada se perde, este ser que julgo ser também se transformará. Tudo o que fica pensado e escrito pode, amanhã, ser poesia.


publicado por velhoparafuso às 18:15

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
13
15
16

18
19
20
21
23

24
25
26
27
28
29
30


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds