.posts recentes

. Ignorante

. Falar de quê?

. As sombras

. O poder da vontade

. Apenas imaginar

. As festas

. As casas

. Alcobaça

. A circunstância

. O que me falta

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Sexta-feira, 27 de Novembro de 2015

Sem titulo

O que escrevo não tem título. O prazer de juntar palavras com ideias dentro e delas tirar um conjunto de símbolos que me identifiquem em linguagem, é de tal forma palpável que não sei como classifica-lo. Gostaria de ser mais explícita quando as ideias são mais originais, mas como vou escrevendo sem projeto, perco-me por vezes. Até porque sei que tudo já foi dito neste idioma ou noutro, usado hoje ou não. Estes pensamentos nascem com as palavras certas para serem entendidos. É como se fosse um ditado feito dentro de mim. Parece uma sensação tola mas é o que sinto muitas vezes. Imagino como esta confissão será ridícula para muita gente. Paciência, nada a fazer. Também sinto alguma companhia, nestes dias sem gente perto. "A cada sombra os sentidos reagem, como se fosse o anjo que o deus me segredou" Desta frase de um poema de David Mourão Ferreira roubo um pouco do que vivencío.


publicado por velhoparafuso às 18:44

link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 20 de Novembro de 2015

...

A vida não tem medida. Hoje é porque sim, logo é porque não. Cada um vivendo à deriva de outros, sem afirmar a sua existência ou ainda peor, sem nisso pensar. Só se ouve falar em direitos, num grito colétivo com eco pelo mundo. E a Vida vai, em ondas de choque, correndo os continentes, numa luta sem tréguas consigo mesma. A morte eleva-se por vezes e todos choram. E o direito à vida, esse sim real, por não ter principio nem fim, é o mais atingido por interesses políticos, egoistas e religiosos. Toda a humanidade teme a grande mudança, mas ela está aí presente e total. O conhecimento já tem iniciadores nas crianças índigo que estam a crescer com a tecnologia na ponta dos dedos. Trazem novos futuros e novas projeções. Não vale a pena lamentar o que foi e por que foi assim. Não há medida para a vida.


publicado por velhoparafuso às 17:56

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Domingo, 15 de Novembro de 2015

Sobre PARIS

Porque procuramos muito nos outros e pouco em nós? Porque nos escondemos de nós próprios, temendo encontrar em nós o que tanto criticamos nos outros. Estes outros são a nossaa família, os amigos e até os desconhecidos com os quais contactamos acidentalmente. Cada ser humano tem dentro de si tudo que o faz viver. Cada pensamento solta a energia necessária para pensar, tal como eu estou a fazer agora para realizar um texto que tenha assunto, lógica e conclusão. Esta energia não é só minha, é universal e a usá-la está toda a humanidade. Se acreditarmos que estamos interiormente ligados à mesma raíz, não há como definir separadores que sustentem o EU e o resto que olhamos todos os dias. Por isso se fala que somos todos UM, que somos Irmãos e por aí em diante. E se acreditarmos ainda que a morte é apenas uma mudança de plano para que se cumpram os mistérios da nossa existência, podemos então pensar e atuar cada vez mais no porquê de estarmos aqui e na validade das ações, em prol de cada um.


publicado por velhoparafuso às 19:13

link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 10 de Novembro de 2015

Dias com gente

Estes últimos dias foram muito agradáveis porque houve amigos e familiares que procuraram a minha companhia, acrescida "daquele abraço" quente que nos vitaliza. Uma prima que já não é prima e um primo que, filho de um primo e neto de alguém que foi realmento primo. O passado casado com o presente nas relações feitas de amizade que nos unem e dão alegria à nossa vivência. E hoje, em que juntei a sabedoria de um médico amigo ao meu coração remendado. Tudo perfeito, pequenos arranjos, matar as saudades e o dia lindo. A luz sobre o mar azul e o amparo de quem me transporta com amor e paciência. Alguém olha por mim, mas quem?


publicado por velhoparafuso às 15:40

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Segunda-feira, 2 de Novembro de 2015

Memórias

Dias difíceis. Guardar e esquecer. É tudo necessário na medida certa. Há lugar para tudo que temos de viver, sofrendo e temperando com o bem do que fica guardado.  Assim se passam os dias, fazendo do tempo o amparo de que precisamos. A porta ao meu lado já não se abre para mim como era seu hábito, embora eu sinta que nada é em vão. A Vida é um processo, sempre mudando sempre se reconstruindo. Nós queremos o lugar certo e o melhor se possivel. Mas viver não é isso. É aceitar as curvas, as lombas, as marés que nos limitam mas também nos transcendem. É o Processo até à repetição de cada vida, sem fim.


publicado por velhoparafuso às 17:55

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds