.posts recentes

. O que eu quero de mim?

. Viver e aprender

. Atenta aos sinais

. Saudades de mim

. Um dia diferente

. Intemporal

. A estrada

. ...

. É só domingo

. Passear comigo

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Quinta-feira, 31 de Dezembro de 2015

Repartir o quê

Eu sei que nada tenho. Cheguei de mãos vazias e vou partir assim também. A Vida, que tudo gere, põe à nossa disposição os recursos que entende. Depois é com cada um. Uns amam e repartem, outros temem perder o que lhes foi atrbuído e guardam e acumulam. Também amam mas de outra forma. O medo torna-nos mais agarrados, mais egoistas. O medo é o Inferno do homem. Por isso o inferno é aqui, dentro de cada um. E junto com o Céu, dentro de nós, faz-nos santos e demónios. Porque Deus, que é amor, nos fez assim? Porque Deus, ao expressar-se na matéria, criou o relativo em contraste com o absoluto que é o Tudo (Aquilo que é). E deu o livre arbitrio a cada um de nós. E tudo isto para sugerir, neste último dia de um qualquer ano civil, simbolicamente anotado, que está tudo por repartir com toda a Humanidade.


publicado por velhoparafuso às 16:07

link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 30 de Dezembro de 2015

Tão outra que eu fui...

Há muitos, muitos anos, sofri a primeira morte na família. Por esta data o meu Avô partiu. Nessa época, morrer aos setenta e sete anos era morrer muito velho. E quando doente, sem haver apoios de qualquer espécie, o fim era um alívio. As lágrimas eram muitas enquanto o doente tinha de ser aliviado, não tratado pois o tratamento levaria à cura, o que ali não era possivel. Na parvoíce da minha mocidade apenas lamentei não ir dançar  para casa de uma colega onde era festejada a passagem do ano. O peor veio depois, quando me faltou a voz amiga, o afago, o orgulho de o ter como professor. Hoje estou a  prestrar-lhe homenagem, olhando o nosso retrato acastanhado pendurado na parede, frente a mim. Eu com dois anos, sentada naquele colo amoroso, ignorando todo o pranto que iria chorar por ele.


publicado por velhoparafuso às 11:13

link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 24 de Dezembro de 2015

À mesa de um café

Na hora do lanche sinto o perfume de um bom café, aliado a um sorriso amigo. Alguém que suporte o frio que vem da rua, aquecendo o meu espaço. Os que passam não me conhecem, por isso eu não sei se ali existo. O Sentido do Eu Sou não está comigo porque eu quero diluir-me na imaginação da cena. Vou criando o meu "céu" e nele vagueio sem corpo. De entre os meus devaneios criativos destaco, por ser também uma recordação, o jardim de um hotel sobre o oceano. Nele usufrui de um contacto com todos os elementos da natureza, onde eu fui aspirada por eles e nunca mais voltei. Deram-me o conhecimento do Eu Sou para poder ter corpo e me mover, mas o muito que fui está espalhado na luz que cega e no ar que nos sufoca. Que benção...Que maravilha.


publicado por velhoparafuso às 16:43

link do post | comentar | favorito
|

Será Natal?

As palavras caiem na escrita

como frutos maduros,

prontas a serem devoradas

pelo poema.

Suga-as o peito dos poetas,

cheio de mágoa 

por não terem sido eles

a inventá-las.

E enquanto escrevo

a alma canta canções novas

e um veleiro passa ao longe

com a minha criança adormecida.


publicado por velhoparafuso às 16:30

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Terça-feira, 22 de Dezembro de 2015

Viver Em Natal

Estamos na quadra natalícia esperando viver em bondade com toda a espécie de vida. Compra-se uma flor, trocam-se abraços, olhamo-nos com agrado. Para mim, que penso menos em mim e mais em dar alegrias, para minha alegria de viver, alargo esta quadra ao ano inteiro, passado e futuro. E para meu contentamento, recebo palavras lindas, vindas de alguém que eu julgava esquecida de mim. Por vezes é tão "grande" a mensagem que tenho de dlatar o coração para a guardar. Não é preciso muito capital para, simbólicamente, ter em cada casa um Presépio aberto ao Amor.


publicado por velhoparafuso às 16:31

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Segunda-feira, 14 de Dezembro de 2015

Quando o passado se revive

Esta mania de escrever causa uma ansiedade muito negativa. Porque me vejo perante situações  dificeis de explicar, mesmo não tendo  explicações a dar a quem me ler. Se falo de mim, sou narcisista, se falo de alguém sou invejosa, se falo da sociedade em geral, falo do que não sei e por aí fora. Poderia talvez, escrever sobre flores mas só quero lembrar o enorme ramo de violetas que me ofereceste, vindo do Porto. Ainda hoje tenho o perfume na memória e também lembro o espanto das pessoas que viram as violetas em tão grande quantidade. Assim posso escrever sobre nós porque tu não és criticavel nem visivel. Sabias como eu amo aquela pequena flor, pelo perfume, pela cor, pela raridade. E vieste do Porto com um ramo enorme, comprado no mercado do Bulhão. Quando vou á minha gaveta das boas memórias encontro sempre provas de amor. Que fortuna pode pagar isto? Nem todos os bancos dos ricos do mundo poderiam comprar a minha gavetinha, repleta de muitas flores e de tudo que recebi.


publicado por velhoparafuso às 17:11

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds