.posts recentes

. Ignorante

. Falar de quê?

. As sombras

. O poder da vontade

. Apenas imaginar

. As festas

. As casas

. Alcobaça

. A circunstância

. O que me falta

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Segunda-feira, 28 de Março de 2016

Podia ser um poema

no silêncio da alma. E atravessei planícies, sobrevoei montanhas até ao mar. No silêncio da alma -ainda o silêncio- em extase e o espanto, o mar. O berço a balançar nas ondas. O que serei nesta alma em silêncio? Para onde me devo deixar levar - o mar - no silêncio da minha alma?Criador que me criaste e aqui me deixaste sem  bússula para o regresso, indica-me o atalho, o sonho ou a maré para chegar a casa, levando na arca da Vida o que foi possivel cumprir. A arca está repleta do silêncio e eu vou andando como posso.


publicado por velhoparafuso às 16:48

link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 20 de Março de 2016

O Amanhã

Gritos. Vozes exaltadas. A velhice doi e chora. Clama pela morte. Ela não vem. Vem a enfermeira e auxiliares. Há quem continue a conversar, talvez para manter a calma. Não por indiferença, mas para que a sala de refeições seja um exemplo de boa educação em sociedade. Caiu o silêncio. Tudo normal. Falar e rir em cada mesa. Eu estou só num lugar e conhecendo quem sofria, o coração cresceu pela piedade, enquanto o pensamento se retorcia entre o medo e a certeza do que virá um dia. Até porque sei que a reação violenta tinha origem em dores de família. Toda a tarde tenho tido esta lembrança. São espelhos que servem para manter a humildade na existência de todos e cada um.


publicado por velhoparafuso às 18:10

link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 15 de Março de 2016

Chora coração

Com lágrimas ou sem elas podemos chorar. Assim é hoje um país inteiro. Unido na dor da perda, unido pelo espanto. Todos falamos sobre o mesmo homem, que a todos deu horas de alegria e muito riso. Cujo rosto todos conheciamos e cuja presença bastava para nos prender. Por todo o mundo que fala português se diz o seu nome e se fala sobre o homem, o amigo, o artista. Que maravilha ter vivido de forma que a sua morte seja uma fatalidade nacional.


publicado por velhoparafuso às 19:22

link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 13 de Março de 2016

Alumiada

Todos os dias procuro ver as pequenas chamas que me orientam até à hora de a elas me juntar. Mas não estão visiveis, ainda que eu saiba que são presentes na minha vida. Para muitas pessoas estas afirmações são apenas devadeios de quem vive com a cabeça no céu e os pés na terra. De quem usa a poesia para lhe suavisar o dia a dia, usufruindo também de algum conhecimento sobre a maravilha que somos agregados à Mãe Terra,de que fazemos parte. Felizmente, muitas pessoas pelo mundo, são observadoras átivas destes "milagres", que se devem só à alta espiritualidade de quem os pode observar. Alimentação especial, meditações, dedicação aos elevados Seres que lhe abrem os caminhos que mais tarde servirão a humanidade. Em todas os idiomas circulam livros com testemunhos assombrosos de há centenas de anos até aos nossos dias. Não haverá autores dignos de confiança? Não somos todos aspirantes à eternidade? Porque será?


publicado por velhoparafuso às 19:02

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quinta-feira, 10 de Março de 2016

Melancolia

Além de ser uma palavra bonita em termos de sonoridade é o também quanto ao seu significado. Pode ser uma tristeza leve, um estado de espírito pouco definido e isento de alegria e muitas mais aparentes situações que a lingua portuguesa abrange. Hoje surgiu-me a "melancolia" como título por sentir algo que é o quase que não chega a ser. Nem por isto, nem por aquilo. Horas de dúvidas embrulhadas naquilo onde mais me apoio: a confiança que tenho em mim. Analiso as minhas atitudes, o que desejo ou não, para ter utilidade como ser social e de amor pela vida. Nestes desabafos públicos, sou alguém que podendo ser lida e criticada, também me é indiferente que isso ocorra ou não. Cheguei ao fim deste pequeno raciocínio a vejo que nada disse. Apenas a melancolia prevalece.


publicado por velhoparafuso às 12:04

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quarta-feira, 2 de Março de 2016

O meu tempo

Há sete anos que entrei nesta casa para ser minha. Fechei um ciclo e de novo comecei uma parte do meu tempo. Esforço-me por viver bem no meu silêncio natural. As falas são contidas, os sorrisos são simples e o respeito completam os dias. A proteção é cem por cento. O conforto também. Estes adjetivos já são repetidos. Nada de novo além do meu tempo, cada vez menor e cada vez mais interior. Sou chamada a novas ciladas e para sair delas recorro a tudo. Desde ao pensamento subjetivo, sem subtância ou forma, até à prece dirigida a um céu que nem sei se existe. Tudo isto dá cor à vida e quando adormeço tenhos os sonhos como ajudas inesperadas. Por tudo festejei o dia de ontem a beber um café em uma esplanada, ao sol de inverno. 


publicado por velhoparafuso às 12:19

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds