.posts recentes

. É só domingo

. Passear comigo

. Abre e vê

. Hábito ou necessidade

. Lágrimas

. Calor e coração

. ...

. Manhã de nada

. ...

. Ignorante

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Segunda-feira, 30 de Maio de 2016

Pulsar

Atravesso as águas

na caravela do Rei.

O tempo tomou o leme,

o destino soltou amarras.

Eu estou a cumprir

o que combinei.

Não temas a morte, Amor,

que a caravela leva-te

ao Rei. 


publicado por velhoparafuso às 16:27

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Sexta-feira, 27 de Maio de 2016

Imaginar ou estar algures?

Sentir a ausência de si mesmo é como não estar aqui. Tudo é indiferente. Olha-se o céu cheio de nuvens, o vento é frio, o corpo não reage. Penso numa pequena estrela lilás, onde a energia de pensamentos novos se pode desenvolver. Eu sou parte dela e com o pensamento construo uma violeta. Guardo-a e penso muitas iguais. até ter um ramo que posso dedicar a mim mesma. Então percebo que sou estrela, que sou nuvem, que não há corpo e que estou apenas viva para pensar e sentir. Não sei se perdi ou encontrei. Criar pensando seria uma felicidade plena. As palavras que me ocorrem dizem pouco das ideias estranhas que enchem todo o meu ser. Não quero estar triste mas estou.


publicado por velhoparafuso às 18:36

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quinta-feira, 26 de Maio de 2016

As sombras

O assombro é´por nunca ter visto, o medo é da proximidade e o resto, as palavras não ditas, apenas perturbam os sentimentos. Cada partida é assimilada pelos restantes de forma tão pacifica e natural que me causa alguma incompreensão. Há um silêncio tácito e nos rostos sorrisos forçados. As conversas continuam. Somos um conjunto de peças inuteis que se vão desgastando até serem retiradas para outra composição desconhecida. É aqui que se materializa o assombro e consequentemente o medo da proximidade. O hoje espera o amanhã , como o ontem esperou. E nesta espera só podemos gozar os sorrisos forçados e as conversas fúteis de quem olha para o lado enquanto assobia. Até.


publicado por velhoparafuso às 18:55

link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 22 de Maio de 2016

Folha de hortelã

Nestes quase quinze dias em que estive sem este objeto, que serve de escritório, cinema, caixa de correio e muito mais utilizações, recriei mentalmente as sensações que fui cultivando. Assim recordei perfumes e odores que a memória guarda, acumulando os sons, como vozes que nunca mais ouvi. Dividi as memórias para não confundir os efeitos pretendidos. O mais dificil foram as vozes cujas vibrações estão perdidas no tempo. O mais fácil foi o olfato, muito presente em todas as buscas. Por isso o título. Desde as rosas ao alecrim, desde o coentro ao pimento. E a música, essa alegria e extase que nos eleva até ao deleite. Desde O Mar, de Dêbussi, até à melodia simples de um canto antigo, tudo seviu para me testar frente a mim mesma. E fiquei feliz por ainda sentir tanto do que a Vida me tem dado.


publicado por velhoparafuso às 15:00

link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 1 de Maio de 2016

Amigos

Rego flores e escrevo palavras para compor uma ideia. Vejo imagens e choro por vezes quando elas chegam a um lugar secreto e fazem doer a alma. O dia é sempre o ultimo, portanto tem de ser cheio de mim.  Defino cada dia como amoroso, correto e fiel. Parece dificil de cumprir, mas já não é. A experiência dá sabedoria aos actos e calor aos afectos. Hoje, dia da Mãe, aperto no mesmo abraço os filhos que não tive e aqueles, que pela vida fora, foram tudo o que me fez mãe e tudo que me fez filha. São os amigos que foram partindo e os que, como eu, vão resistindo ao tempo. Por vezes há caminhos dificeis, mas a vida pede muito e muito devemos ser para que ela nos recorde e abençoe.


publicado por velhoparafuso às 18:36

link do post | comentar | favorito
|

O sonho

O sonho nasceu pequenino num vazio imenso, escuro e medonho. Pediu ajuda e o sono apareceu para o receber. Entrou no sono e por lá ficou até hoje. Foi crescendo no meio do sono de todos os seres vivos. Para muitos deu alegria mas quando estava sangado ou triste tornava-se em pesadelo, o que causava grandes tormentos. Para a humanidade, o sonho que o sono acarinhou, foi motivo de crenças, de estudos e por fim passou a ser usado como desejo e motivo para se chegar a um "lugar" distante. Agora acordados todos sonhamos.  Um sonho pode levar-nos ao céu ou ao inferno. Um sonho é sempre um motivo que dá cor à vida. Como este de inventar e de escrever o que vou inventando. 


publicado por velhoparafuso às 18:07

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
13
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds