.posts recentes

. É só domingo

. Passear comigo

. Abre e vê

. Hábito ou necessidade

. Lágrimas

. Calor e coração

. ...

. Manhã de nada

. ...

. Ignorante

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Sábado, 30 de Julho de 2016

Sereno é este mar

Sereno é este mar que embala,

como suave é a mão que me afaga.

No meu pensamento

existe sempre um mar

que mais é um berço

onde vou crescendo

há muito, muito tempo,

até de novo nascer

noutro mar.

Que saberei de mim

algum dia, depois saber

que não sou o que penso?

Talvez um sonho me leve

ao lugar de onde acredito

ter mesmo nascido?

Ah...aquele mar

de onde vim,

aquele, enfim, oceano,

que espera por mim.


publicado por velhoparafuso às 15:15

link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 29 de Julho de 2016

O dia de ontem

Com  muito calor e toda a aventura possivel, passei um dia lindo. Porque venci o medo de andar só que me atormentava há muito tempo, porque a consulta de endrocronologia foi agradável, pois não conhcia a médica, porque fui almoçar com amigos e porque vi as duas crianças do Nuno, o João e a Maria Clara, esta com apenas um mês de vida. Depois, na minha casa grande, houve um lanche com petiscos brasileiros, em homenagem a duas jovens que aqui fizeram os seus estágios e regressam hoje a casa.Ficámos "amigas" até que Deus queira .Podemos falar se a técnica o permitir. Assim foi o dia de ontem...


publicado por velhoparafuso às 17:06

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Terça-feira, 26 de Julho de 2016

O sonho que não contei

Sonhei com uma casa grande, sem portas e com uma densa nuvem a cobri-la. Mas tudo à volta era gente, que queria entrar passando a parede branca sem esforço, apenas pela vez de chegada. Nesta altura do sonho quiz partllha-lo contigo, mas ante o meu espanto, tu estavas perto da parede e entraste através dela. Só podia ser engano pois estavas ao meu lado. Ainda incrédula fiquei à tua espera. Depois gritei o teu nome. Sem resposta espero até hoje.A casa do meu sonho, branca e sem portas, acolheu-te quando estavas a meu lado, lá e cá ao mesmo tempo, numa expressão incrível de poder e liberdade. Agora sei como a espera é possivel e válida. aprendendo a viver o tempo sem amanhã.


publicado por velhoparafuso às 17:52

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Terça-feira, 19 de Julho de 2016

È tempo de esquecer o tempo

Ficou na minha lembrança a frase, dita por uma Amiga, que festejar os aniversários é festejar a Vida, esquecendo o tempo já vivido. Gostei da ideia e vou utiliza-la nos meus pensamentos negativos quando vejo pessoas doentes, alguns já deficientes, festejarem os seus aniversários com bolos e todos os acompanhantes cantando os parabens a você. Olhando para os aniversariantes raramente canto, pois sinto enorme tristreza ao vê-los, desejando-lhes muitos anos de vida. Mas quem sou eu para proceder desta forma? Vejo que estou errada pois não sei quem quer viver mesmo doente, aceitando a Vida como dádiva em qualquer situação. A minha Amiga tem razão e agradeço-lhe esta oportunidade de corrigir o meu erro. Festejar a Vida sim, sem pensar na dor que o tempo acarreta.


publicado por velhoparafuso às 18:11

link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 15 de Julho de 2016

Carta ao Céu

Em que mundo me deixaste, Mãe. Tu pouco soubeste dos horroros que se viveram nesses anos e que íamos sabendo através das notícias que a telefonia (era assim o nome do objeto falante) espalhava pelo país. Tu sabias das dificuldades que tentavas superar e já era muitissimo. Mas eu sempre quis saber mais, o que me faz ver hoje que a guerra nunca acabou. Mudou de rosto, sim. Cinicamente quem pede a paz vende as armas, quem pede a misericórdia para todos retem o dinheiro que alimentará as lutas fraticidas. Os mais pobres não têm voz para decidir o seu caminho. A fome está generalizada e o mundo que não come é, para nós que comemos à farta, uma questão semântica. Oh Mãe, vê se sabes onde estou e chama por mim. Pois eu nada fiz para alterar a dor que cresce à minha volta.Quando jovem pensei mudar o mundo, como todos os jovens pensam. Mas porque não há forças nem conhecimento para tal?. Porquê?


publicado por velhoparafuso às 17:54

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quinta-feira, 7 de Julho de 2016

Uma família feliz em 2014

À mesa do café. Atenta à conversa entre dois homens, talvez amigos, sobre os novos conceitos de trabalho ou emprego, a forma como se constituem as famílias, a irresponsabilidade perante os filhos que são de outras famílias e se juntam às nossas, etc, etc. Ao ouvi-los, ía pensando como era possivel viver e ser feliz naquele ambiente inseguro em que só o dia de hoje contava. O homem mais novo, cerca de 40 anos, descrevia a sua família com alguma mágoa, dando a entender falhas na comunicação com a atual companheira. E do que ouvi e compreendi nasce este texto, que escrevo com apreensão quanto ao futuro. Que sociedades estaremos a construir, que valores e que sentimentos se manifestarão nas crianças, homens de amanhã? O homem que mais falou, trabalhava como professor de ténis, a "namorada" representava uma marca de joias e de perfumes. Eram bem pagos mas nem sempre. Ele tinha dois filhos de outra relação, ela tinha também uma filha e tinham em comum uma menina de dois ou tres anos. Eram quatro crianças e uma sem pai e dois sem mãe. Havia queixas e incompreensões. Choros e risos que toda a juventude tem. Quando se despediram o homem mais velho disse alto: aguenta isso que para cabeçadas já chega. Eu concordo.


publicado por velhoparafuso às 18:40

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
13
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds