.posts recentes

. É só domingo

. Passear comigo

. Abre e vê

. Hábito ou necessidade

. Lágrimas

. Calor e coração

. ...

. Manhã de nada

. ...

. Ignorante

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Domingo, 28 de Agosto de 2016

Velhos ou velhinhos?

 Há dias vazios de nós, ou melhor, vazios da presença de si. Este si, que é o conhecimento de existir, parece  esvaziar-se perante a consciência. Esta mania de pensar sobre sentimentos e acontecimentos inesperados dá uma ilusão de poder sobre mim que não corresponde ao que eu conheço. Hoje chegou um esquecimento, o primeiro da minha vida e que foi deixar de comparecer a um encontro, combinado por mim na véspera. Após o telefonema de quem me aguardava, corri envergonhada e admirada pela falta de memória. As diferenças são notórias, desde a indifrença até ao esquecimento. Tenho de estar alerta concentrado-me no que vou fazendo, como se de um jogo se tratasse. Gostava de rimar muitas palavras, cujos sons me são agradáveis, uma forma de brincar e não esquecer. Afinal ainda há teorias que podem ser úteis à memória.


publicado por velhoparafuso às 15:38

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Terça-feira, 16 de Agosto de 2016

A Vida Nova

  Há muita juventude na gerência desta Casa. E mulheres. E mães. Hoje soube que está a caminho, no útero do Mistério, alguém que não se sabe quem é e porque vem e para o que vem. E porque escolhe esta mulher para o receber. Quando é posta socialmente a frase "que ninguém pede para nascer", é evidente a contradição a outra forma de falar que elege o Destino como acontecimentos mais ou menos fatais. Outras formas de descobrir e enconbrir as opções que vamos tomando e às quais o destino está associado, são as crenças religiosas em qualquer parte do mundo. Quase todas as religiões envolvem o Poder da Vida numa cortina de ignorância, de temor e castigo, dificil de ultrapassar. Mas a grandeza que nos rege ensina que há em todo o ser vivo uma luz interior que ilumina cada processo como um destino combinado. Por isso vem de antes de ser feto a luz que o traz aqui, por isso a Vida é sagrada, por isso a Vida é eterna. E quando esse desconhecido chegar, seja ou não parecido fisicamente com quem lhe deu (sem saber) a oportunidade de entrar neste mundo, o Amor será seu berço e o Universo a sua Escola. Espero poder vê-lo, se o tal destino o permitir.


publicado por velhoparafuso às 16:03

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Domingo, 14 de Agosto de 2016

Falar só falar

Ontem foi domingo, hoje é domingo. A semana ficou esmagada pelo fogo e pela dor. Os dias foram longos mas não se deu por eles, porque o tempo encurtou nos nossos sentidos de humanos. Cada um em nós fechado, sem entender porque não somos ensinados a ter outra visão da nossa natureza. Pois havendo quem saiba outro caminho e a forma de o utilizar, o que impede um ensinamento generalizado que evite tanto sofrimento? Talvez as crenças fixadas por centenas de anos tenham construído obstáculos mentais de difícil cancelamento. Pensar tudo de novo, segundo uma nova forma de encarar a humanidade, com ligação ao magnetismo da terra e ao nosso princípio e fim divinos, ensinados como forma de encarar cada vida como uma de muitas e que sempre podemos alterar, pelo poder da vontade. Assim, a dor de uns seria a dor de todos, tal como a felicidade. Saber que ainda somos uns parasitas do Universo e que só elevando cada pensamento e cada ação intuída poderá alterar o estado atual da vida na Terra. Com este "falar só falar" deixo este domingo como folha de um diário imaginado e nunca cumprido.

publicado por velhoparafuso às 10:44

link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 13 de Agosto de 2016

Lenga lenga da saudade

o ar move-se e é vento

o mar ondula e é maré

a hora é manhã e é tempo

o teu lugar já não sei onde é

 

a mão protetora que foi tua

ainda é o que foi e tua é

o espaço/tempo pode ser lua

o que fomos já não sei o que é.

 

À porta de casa espero sentada.

Talvez até ti eu conheça a estrada.


publicado por velhoparafuso às 12:29

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Segunda-feira, 8 de Agosto de 2016

Amizades. Abraços longos.

 Quando me preparo para escrever, sempre recordo os meus amores, os amores do dia a dia, antigos ou recentes. Claro que não memorizo cada rosto, porque alguns já são figuras fugidias que o tempo deixou no coração. Mas a Vida vai trazendo novas pessoas que eu vou amando, umas porque são jovens e enchem a alma, outras porque estão próximas de mim e também precisam de carinho. Assim perco o motivo que me trouxe à escrita e tenho de inventar tudo de novo. Gosto de pensar nos contactos humanos e como todos interferimos nas vivências uns dos outros. Uns mais intervêntivos, outros apenas de passagem. Sendo cada um de nòs ator maior na condução da nossa vida, há sempre outros que muito a condicionam. A esses também agradeço. Porque me fazem olhar para mim e aprender que a Vida não é distração ( como muitos dizem e pensam), mas uma missão que devemos  descobrir em nós. Julgo que essa descoberta nos traz a paz que todos desejamos.


publicado por velhoparafuso às 17:19

link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 5 de Agosto de 2016

Em dia de muito calor

Encosto-me ao tempo e deixo-me levar neste cansaço que me invade. Entre o querer pensar, o querer decidir e o querer atuar para fazer algo, há uma vontade enfraquecida pelo calor. O sono aparece e o corpo pesa mais sobre o acolhimento do sofá. Quero ir mas nem sei aonde. Neste pequenos diários que não quero que o sejam, pois não gosto de classificar o que faço, falo apenas das fraquezas do corpo por não ser capaz de as fortalecer rapidamente. Quem dera sentir de novo a força do passado...! Cada dia se estreita mais a limitação ao movimento e portanto à possibilidade de um gesto solto ou de um passo rápido. Eu quero mas não posso em contraste com o que foi, eu posso mas não quero. O calor faz-me perder o dia. E por aqui me vou, em linguagem antiga.       


publicado por velhoparafuso às 17:55

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
13
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds