.posts recentes

. Ignorante

. Falar de quê?

. As sombras

. O poder da vontade

. Apenas imaginar

. As festas

. As casas

. Alcobaça

. A circunstância

. O que me falta

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Sábado, 31 de Dezembro de 2016

A viagem

A nossa nave espacial, onde todos viajamos à volta do sol e nem pensamos que o transporte se desloca a milhares de quilometros por segundo, voltou a um principio/fim que a humanidade estabeleceu como certos. Marcou-se um local e a respectiva hora e como a "nave" é superior aos nossos conceitos continuou como sempre foi. Assim passou 2016, festejado que foi como sempre sâo os anos novos.. E se a nave fosse mais rápida de ano para ano? Ou o contrário? Como seriamos nós e onde estariamos? Gosto de pensar nestas hipóteses porque faço ficção cientifica como se sonhasse. E sonhar é bom e imaginar ainda é melhor. A criatividade é uma Graça, é um átomo divino inserido em todos os humanos. Desejo, por isso a todas as pessoas, que se inventem e se divirtam com as Graças que a Vida lhes deu.         


publicado por velhoparafuso às 18:11

link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 26 de Dezembro de 2016

Onde eu estou

 Folheio o tempo como um livro precioso, onde as páginas mostram os locais vividos através dos meus sentidos. Vejo-me numa paragem de autocarro, vibro com o odor do bom café de Timor, servido na Casa Chinesa na Rua do Ouro, sinto a vibração do velho cacilheiro até Cacilhas, para almoçar a caldeirada no Ginjal, tudo guardado no livro do tempo com alegria e amor pela vida. Encontro páginas em branco e outras com as desilusões e traumas e algumas traições cuja amargura ainda prevalece. Também me vejo a errar no juizo e no engano. E, folhiando o tempo, eu agradeço as boas e as más horas que vivi, muito solitária mas muito amada também. Solitária porque me responsabilisei por todos os actos que pratiquei, deixando as consequências servirem de lição.E continuo a preencher o livro até que o fim seja real. Por agora, de tanto imaginar, até parece que já o conheço. Graças à memória, tudo é praseiroso, tirando o melhor de situações duvidosas. Em família, com a Patricia ainda a crescer no milagre da Vida, estive feliz.


publicado por velhoparafuso às 18:52

link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 22 de Dezembro de 2016

Carta a São Nicolau

A transformação do Natal com o Presépio e todos os seus mitos, deu-se nos EUA com a publicidade que a Coca cola fez, criando um velho de barbas brancas, nascido na Lapónia, que oferecia um saco cheio de garrafas a quem encontrava pelo caminho. Pouco a pouco melhorou o cartaz até atingir a figura que hoje conhecemos. Inventado o Pai Natal, que para muitos críticos nada tem de espírito natalicio, pois apenas atrai o consumo, com algum cinismo à mistura, anexaram-lhe o antigo bispo de Myra, situada na Asia Menor, onde hoje é a Turquia. Foi um homem tâo bom que a Igreja lhe atrbuiu a santidade. Faleceu no sec. IV e os seus restos mortais estão em Bari, na Itália. Portanto, podemos perguntar, o que tem em comum o pai natal vermelho e branco com um homem bondoso, a quem são atribuidas graças e talvez milagres, nascido há 17 séculos? Aqui entra o meu medo e quase raiva ao poder do dinheiro, da publicidade e da ignorância. O Natal não é isto. O Natal é a Vida Nova, a alegria, o amor. O símbolo é outro, nunca uma loja cheia para comprar bens que não enchem a alma.


publicado por velhoparafuso às 17:33

link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 10 de Dezembro de 2016

E agora Maria?

Assim me perguntava o meu Pai quando eu me metia em sarilhos. Fazia tudo para que a decisão fosse minha. Não sendo, muitas vezes ficava por resolver, explicando que cada coisa tem o seu tempo. Muitas vezes percebi que todo ele era dúvidas, ignorância e uma certa preguiça perante a minha pressa em  resolver e fazer. Essa pressa ainda hoje me atrapalha, pois para mim é tudo para ontem ou já é atrazo. É defeito e tento corrigi-lo. Mas "o agora" é mais importante. Hoje sei como tudo pode ser mágico ou noutra perpestiva, ser uma tristeza. Vivo na primeira. A magia abarca o local, os contactos, as distrações e tudo que eu queira imaginar. Há pouco utilizei o Sikpe para falar com uma amiga que vive longe. Ter estas facilidades e viver nelas é mesmo magia. Também é magia ter a mesa posta e o prato cheio. E é magia criar magia em cada "agora" que estou vivendo.


publicado por velhoparafuso às 17:46

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quinta-feira, 1 de Dezembro de 2016

Este dia, cada dia

Os meus dias decorem entre um sono e outro sono. Oito horas dormindo. Cada amanhã é imaginado como util, dentro do que ainda quero provar que posso fazer. Mas já se vai tornando dificil concretizar este sonho. Sinto me menos ativa e menos criativa. O tempo parece mais veloz. Tenho mais vontade de nada fazer, olhando apenas. Mal acordo analiso o corpo. Meço a glicemia, leio a pressão arterial. Depois preparo a roupa do dia. Pequeno almoço, dois dedos de conversa. Por vezes arrumo a cama e depois decido como fazer para me sentir bem. Se escrevo, se leio, se custuro ou desenho ou pinto. É aqui que passa o tempo. Logo é a hora de almoço, que adoraria ter confecionado. O meio dia já chegou na sirene dos bombeiros. Daqui a meia hora é servida a refeição para os apressados. Abro a tv e a manhã passou. O que escrevi não é bonito nem feio, é uma pequena vivência descrita por um velho solitário.


publicado por velhoparafuso às 11:39

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds