.posts recentes

. Ignorante

. Falar de quê?

. As sombras

. O poder da vontade

. Apenas imaginar

. As festas

. As casas

. Alcobaça

. A circunstância

. O que me falta

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Domingo, 29 de Janeiro de 2017

Domingo de Janeiro

Os dias de chuva são sempre tristes, mesmo quando ela é necessária. Sem o sol a que estamos habituados parece que o dia é uma noite clara, uma noite que leva a alma para além da alegria de viver. Enrolada nas indesições, fico parada a tentar encontrar-me neste poço sem fundo que todos nós somos. Desde a leitura, que neste livro de Zimler é uma benção, até escrever ou desenhar, tudo me parece fraco e pouco apelativo. Cadé o sol? Sem ele, eu não sou eu, pelo menos hoje. Neste cinzento das nuvens só encontro uma barreira de frio, de humidade e de desconforto. Que falta fazem os abraços quentes daqueles que estão longe ou perto, não sei, daqueles que amo. È inverno, benvinda a chuva e todo o bem que traz consigo.


publicado por velhoparafuso às 17:42

link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 18 de Janeiro de 2017

Abraço

 Há acontecimentos que vamos querendo apagar da memória sem sucesso. Gritam que estão ali e querem ser relembrados, impondo uma presença incomoda. Alguns são do passado, quase da infância. Trazem uma tristeza enorme colada a si, parecem humanos carentes de amor e compaixão. Em lugar de tentar esquece-los, talvez trazê-los ao presente, ligando-os a outros que nos atormentam agora. Sendo de natureza identicos, quem sabe se não há ligação entre eles? Só os anos vividos podem dar esta visão que a experiência acumulada nos ensina. Para limparmos o nosso corpo emocional das teias negativas que nele se instalam, temos de o trazer à luz, ou seja à lembrança plena dos acontecimentos, sem os julgar compreendendo-os. E perceber que o que foi, foi mesmo assim, pois não podia ter sido de outra forma. Tudo é energia e na ocasião era aquela que viviamos. A de hoje é já outra, por isso aquelas atitudes ou factos nos parecem infelizes e tistes. É muito vulgar ouvir a frase: eu hoje nâo faria aquilo.

 


publicado por velhoparafuso às 17:09

link do post | comentar | favorito (1)
|

Quinta-feira, 12 de Janeiro de 2017

Amar o Amor

  Um campo de alfazema, uma planicíe sem fim, de cor lilás ao sol da manhã. No meu sonho era o meu lugar. Então vi-Te, Yeshua. Não sei pronunciar o Teu nome antigo mas sei dizê-lo no meu coraçâo. Nunca escrevi tal palavra, agora copiada do texto de um escritor americano que vive em Portugal. E a memória trouxe-me o sonho da Tua primeira chamada. Enquanto eu dormia e morava no campo de alfazema, entraste no meu sono e lá implantaste o sonho que me levou a Ti. Ergueste a mão direita num movimento de chamar e eu não entedi porque estava no sono. Anos depois voltaste. Continuei na minha vidinha adormecida, apenas um pouco mais desperta. E não voltei a ver-te nem Te procurei. Yeshua, li-te onde não esperava e em segundos estavas de novo comigo. Agora abstração sem campo de alfazema. Tenho de pensar sobre sobre nós para Te entender em mim. Talvez eu ame o Amor e não saiba como fazê-lo viver entre nós.


publicado por velhoparafuso às 17:43

link do post | comentar | favorito (1)
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds