.posts recentes

. O que eu quero de mim?

. Viver e aprender

. Atenta aos sinais

. Saudades de mim

. Um dia diferente

. Intemporal

. A estrada

. ...

. É só domingo

. Passear comigo

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2017

Ainda a menina

Foi me dado viver mais uma janela do tempo. Por ela entrei no futuro ao contemplar o pequeno ser dormindo ao colo da mãe. Todos em redor, convergindo para ela os sentimentos de amor que ali nos juntou. Para mim foi uma experiência maravilhosa e que há muito tempo não vivia. Quem será esta Patricia, quem será esta alma, que aqui na terra se manifestará? Pensar sobre tudo isto aumenta a sensação de felicidade que agora sinto. Que viva feliz, é tudo que lhe desejo.


publicado por velhoparafuso às 18:43

link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 18 de Fevereiro de 2017

A minha bisneta

O tempo enganou-me. Quando já não esperava ver uma criança na família aparece a Paricia para alegrar este pequeno mundo. Somos  poucos  e era com alguma dor não ver uma criança no meio de nós. Que todas as graças a rodeiem é o que eu mais desejo. Já tem três dias. Mãe e filha são agora o nosso cuidado e a nossa alegria. Pelas fotos parece-me bonita ou estarei traida pelos sentimentos de avó? O tempo. sempre o tempo, será quem tudo esclarecerá. Eu apenas gozo uma nova fase  desta vida longa e feliz.


publicado por velhoparafuso às 12:06

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Sexta-feira, 10 de Fevereiro de 2017

O meu dia impossivel

Há vinte anos não desejava viver até 2017. Porque seria muito velha, porque um seria alguém sem saber de si, dependente e triste. Este ano nem sequer era viável no meu futuro. Era um número sem tempo, porque eu já não era. Mas a vida decide tudo e como diz o povo, dá muitas voltas. E cá estou, átiva e lúcida, com energia suficiente para pensar e fazer coisas novas em cada dia. Alimento-me de quem me rodeia, da família do coração e dos amigos e de todos os outros que me estão próximos no dia a dia. Para além de tudo, sinto em mim algo maior que me ampara. A gratidão faz parte de tudo quanto recebo. E esse sentimento enche de alegria cada hora vivida. Estes desabafos não interessam a ninguém, é como entrar num diário secreto, escrito num livro atado com uma fitinha vermelha. Como quando era criança e não sabia o que era a velhice. Agora, que penso na morte, no tempo longo que vivi e no tempo curto que me resta, escrevo palavras para compor a sensação de estar aqui.


publicado por velhoparafuso às 17:46

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Sábado, 4 de Fevereiro de 2017

Os comentários

A ouvir "O Mar" de Debussy, recordo o comentário jocoso sobre esta obra, que alguém que não a apreciava, me atirou com o desprezo na voz: isso são os carapaus a cantar? Guardei até hoje e por aqui se vê como somos diferentes até na forma de discordar. Eu talvez não manifestasse assim e o mais certo seria o silêncio. Não sei porque estou a escrever sobre isto quando a música me deleita neste momenro. Ouvir e sentir ao mesmo tempo prazer e felicidade é um bem supremo. De tudo isto entendemos que esse bem está dentro de nós, da Vida que vivemos e não pode ter fim. Todas estas pessoas que tocam numa orquestra , estão iluminadas no saber e prazer de tocar um instrumento que amam. Esse amor permite-lhes interpretar um compositor, dando ao ouvinte a felicidade que eu sinto agora. Como terminar este texto? Com um simples Fim.


publicado por velhoparafuso às 18:06

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds