.posts recentes

. Depois do almoço

. O que eu quero de mim?

. Viver e aprender

. Atenta aos sinais

. Saudades de mim

. Um dia diferente

. Intemporal

. A estrada

. ...

. É só domingo

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Domingo, 25 de Junho de 2017

As sombras

As asas que batem ao meu lado

as vozes sem som dentro do espanto

os ventos do destino como vagas

as vagas do destino como vento

a dor de sofrer o sofrimento

o riso que vem de vez e tanto

se faz sonho como sonhado

 

Ai as sombras em redor

tudo que sinto em mim

sem saber se vim

para a vida entender

melhor

ou apenas viver.


publicado por velhoparafuso às 19:00

link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 23 de Junho de 2017

O poder da vontade

Sei que é ridículo escrever aqui sobre as minhas pequenas/grandes atitudes do dia a dia, embora sejam elas que propocionam horas mais ou menos felizes. Dentro das pequenas atitudes, vivi uma que me encheu de orgulho, pois já pensava ter a minha independência deminuida. Levaram-me de carro até o lugar escolhido e aí procurei e trouxe o que precisava. Andei um bocado até encontrar uma esplanada onde bebi um café. Depois fui a mais duas lojas, muito perto,  onde fiz compras. Aguardei a hora de voltar de carro e senti-me mesmo feliz. Na próxima saída aproveito para almoçar sózinha e voltarei de táxi. Cansei-me sim, mas foi bom saber que posso andar só, sem pensar no equilibrio, nas pedras da rua, etc,etc. Os limites são cada dia mais estreitos, há que aproveitar o muito que ainda tenho.


publicado por velhoparafuso às 11:08

link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 17 de Junho de 2017

Apenas imaginar

Quem sabe serei nuvem? Ou perfume de rosa? Ou o que seja a diluir-se no futuro que o universo tem para mim. Hoje, o que sou? Ar, água, terra e destino ainda a decorrer, numa mente ativa, em esforço perante as inventivas do tempo. Há preces em meu redor, preces sem palavras, preces sem sons.. Poemas que eu vou criando a viverem dentro do meu mundo, junto com todas as pessoas que lá vivem, umas presentes aqui, outras que partiram a seu tempo para serem nuvens dentro do meu peito. Nuvens que são gente, com nomes e saudades e dor.


publicado por velhoparafuso às 16:47

link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 10 de Junho de 2017

As festas

 O trabalho a que todos se entregam para alegrar pessoas velhas e doentes, é simplesmente notável. Com alegria anuncia-se o acontecimento e com a mesma alegria se enfeitam espaços, se mudam mobilias, se fazem bebidas, se escolhe a música. Uma ou duas horas para juntar as pessoas, na tentativa de lhes dar mais vida no esquecimento de cada dor ou  tristeza. Por tudo bem hajam. Embora eu seja uma ausente por feitio, estou presente na festa, seja lá o que ela for. E analiso tudo com o meu olhar experiente do que se aprende numa vida longa. Por isso aprecio o esforço e a dedicação de todos para nos fazerem felizes. Mais uma vez, obrigado.


publicado por velhoparafuso às 18:01

link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 8 de Junho de 2017

As casas

  Ao terminar a leitura de um livro de José Agualusa, liguei-me. por sugestão talvez, a acontecimentos passados e a outros atuais, que pareceram cenas escritas por mim num livro feito do tempo em que os vivi.  As chaves da primeira casa, foram-me entregues por uma velha Senhora, proprietária e digna da letra maíuscula na palavra em que a defino .Cinquenta anos depois devolvi, pelo correio as mesmas chaves a gente desconhecida, por não haver já quem habitasse a casa. A dor foi enorme mas abri aquela porta e também a fechei. A outra casa foi um sonho de liberdade, onde realizei tudo que me foi possivel. E também fui eu que abri e fechei a porta, quarenta anos depois. Quanto de nós fica naqueles espaços ... Apenas paredes, janelas como olhos vazios a olhar as ruas. Hábitos, vozes, amores, ilusões. Tudo conjugado em dramas pessoais com horas de verdadeira felicidade Para contar e descrever cada casa terei de escrever um livro, um dia.


publicado por velhoparafuso às 17:36

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
13
14
15
16
17
18

19
20
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds