.posts recentes

. Ignorante

. Falar de quê?

. As sombras

. O poder da vontade

. Apenas imaginar

. As festas

. As casas

. Alcobaça

. A circunstância

. O que me falta

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Segunda-feira, 28 de Maio de 2007

Ida e volta

Apenas ficar longe de casa. Frente a outros verdes, a outro mar, a sons e cheiros diferentes, em busca de sabores mais requintados, até olhares. Tudo serve para sorver e vida com todos os sentidos e algumas emoções.

 

                                           JARDIM DE HOTEL

 

                                 Se eu fosse borboleta

                                  pousava

                                  naquela rosa, além.

                                  Como um brinco,

                                   balançava

                                   na rosa que vai e vem,

                                   levada pela brisa

                                   que o mar envia.

 

                                   E se eu fosse a rosa,

                                   dava pouso à borboleta

                                   que esvoaça,

                                   ignorando a alegria,

                                   em mim desperta

                                   por esta visão formosa.

 

                                   Assim,

                                   eu soubesse,

                                   em que parte de mim,

                                   resplandece

                                   esta harmonia

                                   e porquê,

                                   uma rosa amarela

                                   e uma normal borboleta,

                                   fazem nascer poesia.

 


publicado por velhoparafuso às 17:36

link do post | comentar | favorito
|

7 comentários:
De Maria José Rijo a 12 de Agosto de 2007 às 00:37
Gostei muito dos seus poemas.
e do seu blog.
Muitos Parabens

Paula Travelho


De velhoparafuso a 15 de Agosto de 2007 às 10:51
Embora já tenha muitos anos, estou gostando muito desta nova forma de contacto e por isso, vou aprendendo como isto se maneja. Por vezes sai errado mas aceito as dificuldades. Gosto de escrever, mais poesia do que prosa e por isso abri o Velho Parafuso . Assim avento palavras, juntando o prazer à possivel crítica de leitores. Agradeço a sua . Bom dia e até breve.


De velhoparafuso a 20 de Agosto de 2007 às 10:35
Se consultar o penúltimo texto verá o meu agradecimeto. Como ainda não sei como chegar ao seu contacto, agradeço se me fornecer o seu mail. Gostaria de ler mais poesia sua. Diga onde encontrá-la. V.P.


De Graça Pires a 15 de Dezembro de 2010 às 19:32
É borboleta. Suas asas são tão coloridas que atordoam os pássaros. É rosa: amarela, vermelha, branca. Da cor que mais gostar.
"A brisa que o mar envia" leva-a ao mundo dos sonhos e das emoções. Dá-lhe asas e por isso voa até perder a sombra...
Gostei do seu poema. Gostei de passar por aqui. Virei mais vezes.
Sou irmã da Teresa Pires.
Um grande beijo.


De velhoparafuso a 16 de Dezembro de 2010 às 18:18
Graça
Agradeço o seu comentário, tão rico em imagens. Já encontrei o seu Blog, que, derá mais poesia à minha vida. Também aprecio o seu último livro, que a Teresa me deu. Gostei dela logo que a vi. A vida tem destes mistérios. Maria Eunice


De Graça Pires a 22 de Dezembro de 2010 às 15:57
Com a Vida e com o Amor celebre em seu coração a Luz deste Natal. Que 2011 seja um ano MELHOR.
Um beijo.



De velhoparafuso a 28 de Dezembro de 2010 às 11:07
Agradeço todo o carinho das suas palavras, que confortam o meu velho coração. Embora não sinta a solidão que tantos apregoam, também fico feliz quando sou lembrada. Tenho lido poesias suas e cada vez me convenço mais de que a poesia é um sol na nossa vida, Um ANO FELIZ. Maria Eunice


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds