.posts recentes

. Os noventa mais um

. A noite é longa

. Fazer alguma coisa

. A emoção de escrever

. A mascara

. As leituras de quem escre...

. O vírus e o medo

. O céu e o sonho

. Solidão em mar de gente

. Respeitar a palavra dada

.arquivos

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Terça-feira, 9 de Fevereiro de 2021

Os noventa mais um

Tenho anemia, novidade em mim. Perdas de sangue arterial. Calma e triste. Todos os humanos amam a Terra, seu Lar, sua raíz. Partimos com o coração dolorido para um destino ignorado. O medo ainda nos impede de sentir a paz que devemos ter na Hora Sublime. Mas, perante a partida, que pode ser hoje ou amanhã, nada melhor do que a prece sem palavras, de agradecimento pelo mal e pelo bem que se viveu. E que possa ser breve, com o Amor a unir a Vida.


publicado por velhoparafuso às 18:24

link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 25 de Janeiro de 2021

A noite é longa

é longa e triste. A tristeza é minha, a noite nada tem que ver com o meu medo e a minha ansiedade, a angústia que eu sinto por não ver o sol. Para alívio recordo o mar, eu nele como se fosse o meu mundo, a água fresca a levar-me ao colo, o ruido de cada onda. Há muitos anos que não sinto o mar, desde que o meu coração começou a enfraquecer e a alterar o batimento quando entrava n a água fria. Ainda sinto as alegrias de um dia de praia, molhada sob o sol de verão. 


publicado por velhoparafuso às 18:25

link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 22 de Janeiro de 2021

Fazer alguma coisa

Neste sem fim de atalhos que estou encontrando e que tenho de escolher para viver os meus dias, há decisões tristes e há decisões perfeitamente idiotas, há cómicas, etc, etc. Assim, analiso sentimentos e analiso os passos mais racionais que vou dando. A Mãe Natureza, como qualquer mãe, ampara-me na caminhada, porque eu sei que é a ela que pertenço e por ela vivo. A humanidade pensa e promove erradamente, que a Terra lhe pertence e pode fazer dela e nela tudo que lhe der prazer. Errado. Somos nós que lhe pertencemos para que a vida se complete. Para que o Infinito nos leve a Casa em dia distante, onde não existe Tempo nem Espaço. Onde Tudo é.


publicado por velhoparafuso às 18:26

link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 15 de Janeiro de 2021

A emoção de escrever

Quando se escreviam cartas a amigos, namorados ou familiares, libertavam-se sentimentos. Ficavamos aliviados, libertos de pressões que nos mantinham presos a determinados pensamentos, Cada carta, mesmo com poucas linhas, podia dar origem a muitas alegrias ou até tristezas. Havia uma ligação humana que não pode existir na troca de um e-mail ou mesmo na conversa telefónica. Não se usam as mesmas expressões, os mesmos sinais que unem duas pessoas. Escrevi e recebi muitas cartas, muitas de amor, apaixonadas e comoventes. Cada geração fará o seu caminho e dele tirará o que eu tiro do meu: algumas dores mas muitas, muitas alegrias. 


publicado por velhoparafuso às 12:21

link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 14 de Janeiro de 2021

A mascara

De todas as cores, com flores ou desenhos simbólicos, eis a nova moda para todos os rostos. Desta forma a defesa é maior ou até completa. Mas o aspeto é péssimo porque os rostos estão escondidos, Olhos novos ou velhos não expressam o valor de um sorriso, de uma boca triste ou húmida de chamamento. É para mim, uma forma de alterar uma conversa para mais difícil e até conversa incompreensível. Muitas são as pessoas que sentem falta de ar e respiram com esforço. Como estou há meses em casa quase não me mascaro, digo, uso a defesa contra o ser invisível que castiga toda a humanidade.


publicado por velhoparafuso às 18:00

link do post | comentar | favorito

Domingo, 10 de Janeiro de 2021

As leituras de quem escreve

É tudo subjetivo ou seja, cada palavra escrita não é igual no seu significado quando for lida, Há nuances, há motivos que deformam a ideia do escritor. Pode parecer estranho este pensamento, mas ocorrendo pode e deve ser analisado. Claro se a palavra escrita for madeira, o seu significado é uma matéria natural que tem muitos métodods de ulilizaçáo. Mas se for árvore, o leitor pensa em uma espécie que lhe seja cara ou próxima, podendo assim alterar o que o escritor idealizou. Nada é o que parece no mundo das ideias Porque pensamos de modo diverso e construimos diferentes projeções. Só, neste quarto, como se fosse uma casa grande, viajo pensando, idiota e triste. E por isso estes raciocinios obliquos e insanos. Mas o uso de cada palavra, escrita em silencio, serve para alimentar a vocação e o prazer de dizer coisas que ninguém teria paciência em ouvir.


publicado por velhoparafuso às 17:59

link do post | comentar | favorito

Sábado, 2 de Janeiro de 2021

O vírus e o medo

Estamos de novo a sentir o medo de algo invisivel e invasor. Ordem do dia, ficar à espera que o tempo passe até novo teste, comendo no quarto e usando a imaginação para não ficar maluco nesta solidão. Talvez escrevendo para o lado do avesso encontre uma risada para e sobre mim. Estou como uma dobradiça, cansada de virar e de tudo que vou pensando sobre esta fase da vida de todos nós.


publicado por velhoparafuso às 16:28

link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 28 de Dezembro de 2020

O céu e o sonho

O tempo e o espaço iludem os humanos. Estes julgam tudo pelos sentidos que lhe foram dados mas nem sempre é assim. O espaço é o sentido do movimento e o tempo é criado pela nossa mente. No tempo vivemos e na ilusão nele morremos. Podemos faze-lo rápido, lento, belo, horrivel, etc, etc. É para alguns apenas a luta pelo ganha pão e o tempo não chega, para outros é o inverso. Depois há o outro tempo, tempo bom de primavera ou de chuva no inverno. Tudo isto para chegar ao tempo de cada um, dentro da mente que nos leva ao infinito, ao pensamento criativo, ao conhecimento, ao divno de cada ser.  Porque penso eu estas questões se não sei as respostas? No meu sonho, no meu céu......


publicado por velhoparafuso às 16:30

link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 24 de Dezembro de 2020

Solidão em mar de gente

Os mortos andam na casa e os vivos apenas são. Os contactos parecem uniões mas enganam por serem fúteis e ignorantes . Esta forma de viver é pouco sáudável para a alma, que anseia por uma subida a caminho de Casa. Estamos juntos por acaso? Ou há um propósito que nos trouxe aqui? Para lá da pandemia virá uma mudança que nos envolva? Pensar e amar o mundo, abrir o coração à natureza, modificar os interesses pessoais e unir o bem comum. Tudo por Todos. NATAL.


publicado por velhoparafuso às 15:47

link do post | comentar | favorito (1)

Domingo, 13 de Dezembro de 2020

Respeitar a palavra dada

Cresci ouvindo o valor da Palavra. Aprendi a honrar o prometido. Vida fora fui respeitando as minhas opiniões e as das outras pessoas. Assim me respeito perante uma sociedade que vacila, que duvida, que prefere os interesses pessoais à certeza do combinado e da honra. Hoje, perante uma situação inusitada de roubo, encontro-me entre atitudes adversas cujas consequências são muito desagradáveis para mim. O que me foi dito virou o oposto com outra pessoa. Palavra de diretor com duas faces. Sinismo ou cobardia, ou talvez peor. Por tudo isto prefiro o prejuizo em dinheiro do que ser apelidada de falsa ou mentirosa.


publicado por velhoparafuso às 16:32

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

blogs SAPO

.subscrever feeds