.posts recentes

. Fantasias da mente

. O triste adeus

. O casulo

. Projeto ou destino?

. Ontem e hoje

. Alegrias na velhice

. As quedas

. O medo

. Meus tesouros

. Sonho, sono e despertar

.arquivos

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Domingo, 17 de Março de 2019

Fantasias da mente

O meu tempo não é igual ao teu.

Enquanto o teu permanece,

o meu se desvanece

num imenso nevoeiro

e que parece a ilusão do tempo,

só meu e sem atrás ou frente

onde amparar o pensamento.

O vosso tempo não é igual ao meu.

Tentem medir as noites e os dias,

como eu os completo

e sinto e como eu, sentirão

o meu tempo a seguir em outra direção

enquanto o vosso permanece.

Sentir o tempo tem laivos de loucura.

Fecho os olhos e sou uma parcela

desse mesmo tempo.

 

que levar o pensamento

 

 


publicado por velhoparafuso às 15:50

link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 13 de Março de 2019

O triste adeus

Hoje estou mais pobre. Mas alegro a alma porque foram dias e não semanas ou meses de dor sem esperança. Tenho perdido muitos amores, tenho perdido muitos amigos. Ao longo dos anos fico mais só, eu comigo, pensando neste eterno mistério que é a Vida e o que os humanos chamam morte. Algo que mete medo desde que vivemos, como um ser destruidor que nos leva da Terra para um lugar desconhecido. Mas há quem reconheça a transformação da Vida em continuidade, sem tempo por eterna. E há caminhos e opções em cada vida que começa ou recomeça. Será?


publicado por velhoparafuso às 14:29

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quarta-feira, 6 de Março de 2019

O casulo

A proteção sempre me incomodou. Agora fico sem ar. Há muito vento frio e alguma chuva. É inverno e guardo-me dentro de casa, onde tenho tudo que possa vir a necessitar. Mas o amor pelo ar livre, por passear, por ir para uma esplanada, bebendo o café que os portugueses adoram, seria agora uma felicidade. É passado que revejo com saudade. Já foi. Resta analisar a nova vida, tanto aqui dentro como lá fora. A nova forma de viver, de encarar cada dia como se fosse o último. Gastar o que há e o que não há, em dívidas e promesas falsas. Há filhos de casais separados e filhos de uniões do mesmo sexo, juntos na mesma casa que nunca será um lar. As mentalidades em desenvolvimento tendem a isolar-se, muitas sem conhecer o amor da família que a nova sociedade desconhece. É a visão de um velho que cresceu no meio de imensas regras, algumas sem explicação racional. Apagou-se o mal, mas o bem também foi na enxurrada. Penso eu.


publicado por velhoparafuso às 14:04

link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 1 de Março de 2019

Projeto ou destino?

São pretos, fogem da vida.

São brancos, fogem de si.

Vendem balas e são brancos,

Compram balas e são pretos,

Todos, todos temem a morte

frente às balas, frente à vida.

E quando fogem são pretos

E são brancos quando matam.

E são gente quando se abraçam

E são irmãos quando traem.

E tudo tem um começo,

Longe que foi só de gritos.

Gente que morre num fim

que se ignora viver.

Eu choro por todos nós

E também fujo de mim.

 

 


publicado por velhoparafuso às 11:01

link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 26 de Fevereiro de 2019

Ontem e hoje

Dias cheios, coração cheio. Ontem fiquei surpreendida por uma amiga que há muito não via. Que abraço, que aconchego! Duas horas de conversa, com tristezas e alegrias. Foi bom. O dia de hoje foi combinado e até gravado para um trabalho de fim de curso na Universidade de S. Paulo, Brasil. E de lá vieram mãe e filha, esta neta postiça que o meu coração escolheu. Ambas bonitas, parecem irmãs. É muita sorte ter estas ligações pelo mundo, onde tento aprender a ligar-me com respeito e abertura mental. Nada é fácil nesta vida. Mas as afeições ajudam muito.


publicado por velhoparafuso às 18:58

link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 19 de Fevereiro de 2019

Alegrias na velhice

Rosas de chocolate, um abraço sentido, o carinho de um jovem, uma neta inventada. São valores sem valor no mundo dos materialistas que tudo calculam ao preço de compra e venda. Há mais alegrias naqueles gestos que ninguém avalia por serem íntimos e sinceros. Podem durar um instante ou serem tão velhos como o tempo. Não importa, basta reconhecê-los. Sentir a felicidade desse bem de todos os seres vivos, que é amarmo-nos sem saber porquê.


publicado por velhoparafuso às 18:27

link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 13 de Fevereiro de 2019

As quedas

Como não há duas sem três, hoje sofri a terceira queda em menos de um mês. E foi mais dolorosa por não ter a proteção da roupa. Saí da cama para ir à casa de banho e tropecei numa cadeira. Consegui puxar o alarme para pedir ajuda. Com algumas dores mas bem de tudo. Penso que sou rija e com um bom  amparo, a quem chamo Anjo da Guarda. Minha avó sempre dizia - Oh meu anjo da guarda, mjnha doce companhia, guarda a menina de noite e de dia. Alguns dirão que não devia cair mas eu sei que terei de experimentar a dor para avaliar o sofrimento e depois sentir a alegria de estar inteira. Assim entra a gratidão e a prece e a paz. O resto vem depois.


publicado por velhoparafuso às 18:14

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Domingo, 3 de Fevereiro de 2019

O medo

O medo entrou cedo na minha vida. Foi o homem das barbas, a porteira gorda que caía na escada e foi o palhaço carnavalesco a dançar à minha volta. Todos foram os medos da noite e os monstros que inventava para brincar. Mas houve muito peor que limitou a minha liberdade de crescer, o oratório em casa da avó paterna. Numa pequena divisão com panos roxos e flores de seda havia Cristos em sangue, senhoras chorando e crianças também. Ali eu ia rezar levada pelas tias. Contra vontade, muitas vezes sem perceber o porquê de tudo aquilo. E Deus, Nosso Senhor iria castigar-me pelos meus comportamentos de menina teimosa, malcriada, etc, etc. Muito mais tarde, quando aprendi a olhar para dentro, esqueci estes temores mas o medo ficou. Ainda hoje aparenta ser humilde e pequeno por algum tempo,, para de repente ser a soma de tudo que temo, até hoje. E doi e doi sempre.


publicado por velhoparafuso às 17:53

link do post | comentar | favorito

Sábado, 2 de Fevereiro de 2019

Meus tesouros

Não tenho joias, nem valores para o mundo. Mas tenho livros, palavras soltas em poemas, rascunhos com imagens, talvez riquezas sem medida e sem apreço. Levo o que trouxe mais consciente da vida vivida. Desta deixo o mesmo que já deixei. Uma ténua lembrança que logo se desvanece. Entretanto, dentro do tempo, procuro ser feliz num conceito de sociedada organizada nos princípios  cristãos de fé, esperança e caridade. Estes podem dilatar-se ou contrair-se. Podem abraçar o mundo ou olhar para o espelho e só ver o interesse da sua pequena existência. Assim, na minha escolha estão os meus tesouros, que dão bem estar com conhecimento e alegria vinda de algo que nem entendo. Vivemos o mistério da morte e do esquecimento total.


publicado por velhoparafuso às 16:17

link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 23 de Janeiro de 2019

Sonho, sono e despertar

Abriu-se a porta do espanto e eu entro. Sou nuvem pequena e vou atraída por outra nuvem grande e densa. Incluo-me nela e cheguei a casa. Confortada, conheço uma paz infinita, feita da visão de tudo que vivi e viverei. Uma visão mágica entre pessoas que me eram familiares desde o meu príncipio. Os sons são audiveis. O coração bateu mais forte. regressei à cama bruscamente. Não dormi até ser dia.


publicado por velhoparafuso às 18:30

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds