.posts recentes

. Fala interior

. Poema de ontem

. Deve ser dito que

. Como foste, como serás

. O ano velho

. Hora de inverno

. Dilemas no trabalho

. Testemunho

. Talvez venha a aprender

. A política e a bengala

.arquivos

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Segunda-feira, 18 de Novembro de 2019

Fala interior

A criança que fui ainda é comigo. Juntas e fiéis nos confrontamos perante a responsabilidade da vida. Como criança me acalenta, brinca e veste as personagens que vou representando, umas vezes mal, outras verdadeiramente bem. Porque nos valemos do passado? Eu não quero voltar à infância, apenas visitá-la e chorar a dor que lá ficou colada à família, aos espaços e às escolas. Também aos amores, também às tristezas da pouca idade. As falas que trocamos são dolorosas, mas compensadas pela sabedoria de velho. Adiciono a tudo muitas conquistas atuais, muitas palavras de amor que vou recebendo sem esperar. Eu e a minha criança vivemos em paz. Partilhamos a Alma como casa e  algum saber como alimento. Este poema lhe dedico. Seremos muitos mais na Casa Grande.


publicado por velhoparafuso às 15:31

link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 12 de Novembro de 2019

Poema de ontem

Aperta-me o peito a tenaz do tempo.

Deixei para traz todas as ossadas.

Guardei para mim este sofrimento,

os rostos, as vozes e as risadas.

Há ondas de alegria enleadas na dor,

como se a Vida me levasse ao vento

de todas as tempestades sem amor.

Aperta-me o peito a tenaz do tempo.

Nada sei de nada no momento.


publicado por velhoparafuso às 19:14

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Sábado, 2 de Novembro de 2019

Deve ser dito que

aqui tudo é fitício. Falo de respeito, bondade, deveres, acompanhamento, etc, etc. E falo do que vejo e também do que sinto. Claro que não vou descrever situações, algumas embaraçosas, que vou memorizando dia a dia. Mas posso anotar a dependência de muitos utentes que aguardam auxilio por tempo exagerado. Cada vez há mais doentes, com muitos anos de vida. Cada vez o auxilio é menos qualificado, com pouco pessoal que possa cobrir áreas de trabalho como as que lhes é pedido. Tudo é ordenado de cima para baixo, sem uma opinião de quem aqui vive e que  tudo sustenta. Dias como os de hoje, com fim de semana ligado a feriado, não há supervisores, nem orientadores para qualquer emergência ou até para mostrar o rosto de um responsável.


publicado por velhoparafuso às 15:58

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quarta-feira, 30 de Outubro de 2019

Como foste, como serás

Abraçados entramos no mar. Tudo parece real ali, entre partículas de chuva. É denso o nevoeiro mas não importa a visão. Os sons, sabemos, são audiveis, a água é compacta. Abraçados continuamos, sem chão e sem futuro. Assim nos idealizo pelo mar adentro. Como fomos, nós talvez, somando vidas, olhando os tempos. Os mundos têm energias que nos atraem. Para chegarmos vamos nas vagas, abraçados, amando o Amor que constroe os universos. Como fomos, como seremos.


publicado por velhoparafuso às 15:08

link do post | comentar | favorito

Domingo, 27 de Outubro de 2019

O ano velho

Fui atrevida, namoradeira, dançarina e muito mais de tudo. Fui mulher, trabalhei, paguei o pão, dei pão e fiquei rica. Vivi. Hoje sinto calor de braços, de todos que foram o meu aconchego. Estou num ano com um número dois. Este ano levou muitos amigos e eu fiquei a sentir as perdas. O número é um código que eu tento decifrar. Vem aí o quatro. O meu é o cinco, dificil e definitivo. Talvez seja o tal.


publicado por velhoparafuso às 19:00

link do post | comentar | favorito

Hora de inverno

Parece noite quando o dia brilhava ontem na lembrança. E eu fiquei doente, sem energia para sair do quarto, sem vontade, sem alegria. Este ultimo ano tem me escondido de mim. Procuro-me e não me encontro. É estranho. Tenho sono, estou apática, talvez indiferente. Há mudanças no fisíco e no mental. Desejo abrir minhas asas e subir no pensamento até a Casa. Até ao Reino de onde vim. Não conheço o caminho nem sei se existe. Mas quero procurar, dentro do zero que sou, aquilo que fui. Estou triste porque não gosto de ser isto que sou. Quem dera entrar numa onda e viver novamente o sabor a sal...


publicado por velhoparafuso às 18:34

link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 24 de Outubro de 2019

Dilemas no trabalho

As Empresas que nos servem a alimentação, apresentam uns servidores competentes, atenciosos, com os quais se desenvolve uma boa relação que, por vezes, chega a atingir uma nova amizade. Em meses de convivência, é natural que as pessoas conversem, falem dos seus gostos, origens e projetos. Assim tem sido e continuará a ser, porque todos temos sentimentos que nos unem, sejamos servidores ou servidos. Por isso lamento o triste costume de transferirem o trabalhador num silêncio total, sem um adeus ou até um abraço. Não é humano, não é socialmente aceite. Assim se vive como se de um malfeitor se tratasse. O que se ganha com isto? Mas perder sim. Perde-se o contacto humano e a lembrança de alguém que foi delicado connosco e até nos ajudou quando foi necessário.


publicado por velhoparafuso às 18:20

link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 15 de Outubro de 2019

Testemunho

Caminhados os caminhos, abertas as portas possiveis, cheguei. Em muro imaginário estão a angústia, o medo, a ansiedade. Tudo para entender as palavras que o tempo levou e que foram a calçada palmilhada em todas as vontades. Entre o sol e as estrelas há solidão, silêncio, saudade. Enquanto espero, tudo isto parece um sonho, tanto de difusa é a memória. Ontem e hoje são a mesma prece, o mesmo devaneio. As cores da vida já se entrelaçam numa só. Porém ainda amantes.


publicado por velhoparafuso às 15:47

link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 9 de Outubro de 2019

Talvez venha a aprender

Quando eu penso que sei lidar com o meu portátil, esbarro com termos exóticos, cuja tradução pode ser um código que desconheço ou um jogo de azar. Depois deparo com termos técnicos ainda mais indisponiveis. Enfim, sinto-me analfabeta e muito parva, por julgar que estou apta a decifrar estas  novidades. Pedi ajuda mas tenho de ir à CGD aprender e entender estes bloqueios. Conheço pessoas que, tendo filhos ou parentes ativos, não se preocupam com as despesas que fazem. Mas nada é melhor que a liberdade de decidir, agir e depois enfrentar as consequências dessas decisões. E ser parva e tudo o mais que sou. Ainda tenho boa memória e vou aprender como isto se faz.


publicado por velhoparafuso às 17:59

link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 7 de Outubro de 2019

A política e a bengala

Rir de mim faz parte da política do País. Dito isto, devo dizer que votar foi um gozo quando o fiz sem PIDES a olhar por nós. Agora é um dever que cumpro com agrado. Mas ontem foi muito dificíl devido ao cansaço do meu coração. O orientador à entrada estava desorientado e indicou o local errado para encontrar a mesa. Assim andei a passear pela Escola com a bengala à direita e o braço de uma auxiliar, indicada para me acompanhar, à esquerda. E fiquei de rastos e fiquei sem o meu orgulho. Sim, porque isto também existe na velhice. Talvez para ajudar a salvar o que resta da vida.


publicado por velhoparafuso às 18:25

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
14
15
16

17
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds