.posts recentes

. Sei que nada sei...

. O verão que não é

. Visitas dificeis

. Os ventos de cada vida

. e assim foi...

. Encontro

. O colibri

. Três netas

. O voto

. Perguiça mental

.arquivos

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Sexta-feira, 5 de Julho de 2019

Sei que nada sei...

Partindo do principio de que só a experiência nos ensina alguma coisa, porque então decorar, estudar e pensar?  A leitura é a grande ferramenta mas não é a experiência que a vida nos obriga a viver. A forma que nós escolhemos em cada ocasião é a grande fonte de conhecimento e é dela que tiramos o nosso futuro. São as nossas pegadas que ficam depois de partimos. O que fica pode ser útil ou não. Lembrado ou esquecido. Claro que todos queremos ser lembrados. Faremos o suficiente ou não? Uma vida, vivida no bom sentido, com respeito e com responsabilidade,  será lembrada da mesma forma? Porque olho com tanta atênção para estes assuntos que não domino? Fará parte da experiência?


publicado por velhoparafuso às 16:03

link do post | comentar | favorito

Domingo, 30 de Junho de 2019

O verão que não é

Passa quem passa.

Fala quem fala.

O vento leva os sons

de quem passa.

Cantam os pardais.

Há pés que se arrastam

e há vozes caladas.

Eu estou comigo

no lugar de sempre,

pensando, pensando.

E vejo o lugar vago

de tanto pensar.

Sou a doida do tempo

Velha para começar.

Passa quem passar

neste jardim cercado

de janelas fechadas,

vive quem vive

sem me dizer nada.

 

 

 

 

 

 

 

 


publicado por velhoparafuso às 16:50

link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 21 de Junho de 2019

Visitas dificeis

Quando eu penso que a família acabou, aparecem umas primas velhas e umas velhas primas, que eu não chamei nem reconheço como tal. E falam de assuntos das suas crias e de doenças e dos nossos avós, irmãos desentendidos, com os preconceitos de há cem anos .Estas conversas são tristes e não alimentam a minha vida. Fiquei cansada, doente de raiva por não ter dito basta à visita inesperada. Prometem voltar. Terei paciência? Hoje penso no verão que entra hoje, timido e com chuva para domingo. O tempo está maluco como eu ou eu estou maluca como o tempo. Só malucos podem escrever textos como este. Dá vontade de chorar...


publicado por velhoparafuso às 15:44

link do post | comentar | favorito

Sábado, 15 de Junho de 2019

Os ventos de cada vida

Caiem sobre mim com a força de uma vaga. Para entender o que vem devo regressar ao Amor que me deram e que eu senti por tudo que recebi. Assim defino as heranças que me enriquessem de que cada vez que um novo familiar me contacta. Família de sangue já partiu, mas vão surgindo os filhos, os netos e bisnetos de quem me inclui no seu agregado familiar. Pessoas unidas pela vida à minha vida e assim há amizade de muitos anos até ao fim. Alguns conheci quando crianças mas perdi-os nos caminhos diversos. Quando me abraçam sinto o calor do jovens neste corpo velho e a alegria de ainda os ver, Saber que me identificam como família é bom e alimenta a alma.


publicado por velhoparafuso às 15:55

link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 7 de Junho de 2019

e assim foi...

a minha avó sempre se vestiu assim,

assim como a flha,

assim como a mãe,

o corpo coberto assim,

tal como a filha,

tal como a mãe.

E porque era assim,

o lenço no cabelo,

o trabalho na mão,

E porque era assim

eles só mandavam

e elas trabalhavam.

Ganhavam o pão.

Dias depois eu nasci

e logo disse ASSIM NÃO.

 

 


publicado por velhoparafuso às 12:06

link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 4 de Junho de 2019

Encontro

Vou ter contigo à estrada.

Levo comigo o que mais amavas

e levo as dores para serem lidas.

Iremos os dois de mãos dadas

cobrar à Vida o combinado,

quando ainda não sabiamos

se os olhares se viam ou se cegavam.

Iremos ao encontro velhos, gastos.

Talvez nos conheçamos,

Talvez não. Talvez nos unamos

Pelo calor de cada mão,

 


publicado por velhoparafuso às 17:42

link do post | comentar | favorito (1)

O colibri

 No desejo de descobrir o mistério da nossa existência, oramos, bebemos tisanas, estudamos códigos e até lemos as cartas e as sinas. Hoje encontrei o colibri como energia, vibrando numa vibração perto da minha. Como tudo e todos vibram num campo energético comum embora em diferentes vibrações, cada ser vivo pode estar cognetado a outros, tirando ou distribuindo "vida" nesse campo desconhecido, a que damos nomes indecifráveis. Há nesta energia fé, idealismo, riso e muito mais. E no seu contrário tudo que o oposto provoca. Achei graça ao pequeno pássaro e à ideia de o ter à cabeceira. Há dias assim...!


publicado por velhoparafuso às 17:01

link do post | comentar | favorito

Sábado, 1 de Junho de 2019

Três netas

Já não são crianças. Adolescentes, aplicadas no estudo, fazendo desporto e caídas do céu.   Conversam e escrevem bem. Recebi um belo poema que nos une pelo prazer de escrever e ler poesia. Depois desta troca de palavras cheia de sentimento, ficamos mesmo avó e neta. Amanhã escreverei uma carta a agradecer a visita e tudo que esta visita nos traz às nossas vidas. Com a experiência que hoje tenho, sei que este contacto exige a maior delicadeza nas palavras e nas manifestações de carinho. Cada dia dirá se o meu procedimento está correto.


publicado por velhoparafuso às 17:30

link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 28 de Maio de 2019

O voto

Há uma espécie de orgulho na forma como muitos portugueses respondem à pergunta se vota ou votou. Não, nem votarei, nâo ligo à politica e assim por diante. Conheço pessoas que deveriam procurar o valor do voto para alterar as vidas difíceis, mas não fazem por acreditar que todos os eleitos só querem os seus interesses. Claro que não é assim, embora haja entre eles ladrões e trapaceiros. Todos somos diferentes, por isso existe a escolha de pessoas e de ideias. Sem votar não há moral para querer modificar a sociedade. Eu chamo a isto ignorância e também egoismo. Estas pessoas não procuram conhecer o lado bom do conhecimento que o saber nos proporciona.


publicado por velhoparafuso às 18:13

link do post | comentar | favorito

Sábado, 25 de Maio de 2019

Perguiça mental

Hoje nem sei pensar. Estou um tijolo. Rir de mim é divertido quando encontro argumento para me ver no espelho da vida parada que estou experimentando. Dormi mal, tenho calor, estou perguiçosa. Sinto vontade de me mexer como fazia há poucos anos. O limite é o cansaço do coração remendado, mas que ainda bate certinho e lento. Tenho saudades de sair sózinha, ver o mar e as velhas e belas ruas por onde andei. Estar viva é bom. Com alguma saúde. Mas há dias tristes mesmo que o Sol brilhe no céu azul.


publicado por velhoparafuso às 18:10

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds