.posts recentes

. O sono e o texto

. Na hora do vento

. As pequenas alegrias

. Dentes voadores e angústi...

. A escrita

. A Honra

. Brincar de velho sendo ve...

. Leituras

. Ser inédito

. Amizades

.arquivos

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Domingo, 26 de Novembro de 2017

A carta sem resposta

Quando se escreviam cartas e a hora da chegada do carteiro era tida como sagrada, havia uma grande proximidade entre as pessoas. Porque escreviam com saudade e a resposta era sempre de gratidão e ou de necessidade. Hoje parece uma forma idiota de viver pois usam as mensagens e o correio eletrónico para dizer o mesmo que eu disse e escrevi. Não conhecem o sentimento contido ao rasgar o envelope nem o prazer em sentir o papel, com textura e perfume. E traziam flores secas e beijos e palavras doces que falavam de amor e de saudade. Era mais humano. mais ardente. Imagino como seria ler uma mensagem do tamanho das muitas que escrevi, apaixonada e saudosa do meu amor. Acho que a ferramenta agora usada pegaria fogo.

2016-04-12-11-12-43.jpg

 

2016-04-12-11-12-43.jpg

 


publicado por velhoparafuso às 15:35

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito (1)

Terça-feira, 21 de Novembro de 2017

Depois do almoço

O meu possivel está cada dia mais limitado. Verificar isto é já uma dádiva ou pelo menos um pensamento analítico. Ainda estou apta para viver sem receios. O corpo cede enquanto a vontade for maior. Mas a força é preguiçosa e deixa de ser força para ser fraquesa. Sentada na cama a tentar ser eu, ou melhor, o eu que foi, e compreender que vestir e calçar sao dificuldades enormes, é uma perda de tempo. Por vezes quero chamar quem ajude, mas tudo me impede. Há pessoas a precisar de real ajuda e devo respeitar isso.  Estas confissoes públicas já parecem os contos da caróchinha lidos ao contrário, "para velho ler". E como estou com sono parece melhor ficar por aqui.


publicado por velhoparafuso às 14:52

link do post | comentar | favorito

Sábado, 11 de Novembro de 2017

O que eu quero de mim?

Posso ser presunçosa, posso iludir-me e até posso ser uma idiota ao julgar que cheguei ao lugar de sonho. E o que é este lugar? Apenas uma consciência mais alargada, de forma a entender melhor o caminho e os seus entraves. Refiro-me ao caminho evolutivo que nós devemos percorrer em cada vida, com a plena certeza de que atingiremos a sua Origem, depois de milhares de experiências e muitos sofrimentos. Quanto a isto, já estou vivendo com alguma sabedoria, se se sofre ou nâo, como e porquê. Assim estou calma e convicta que posso dominar o medo, a ansiedade, etc, sentindo amor por tudo que me rodeia. Sei bem como este texto pode ser ridículo para aqueles que o lerem e que não sintam como eu o Poder do Universo. Há pensamentos que movimentam as nossas vidas e somos nós que os transformamos dentro de nós, fazendo da alegria uma meta da Alma.


publicado por velhoparafuso às 17:54

link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 7 de Novembro de 2017

Viver e aprender

Que bom, chegou o frio...! Enfiar camisolas de lã, velhos sapatos, beber chá quente. Não tenho interesse em roupa nova, mas sinto-me bem com algumas muito usadas e muito lavadas. E assim, de acordo com a natureza, finjo que gosto do inverno e vivê-lo já será bom. Acendem as luzes mais cedo. O céu azul e rosa é engolido pela noite. A noite  traz medos, ansiedade, lembranças tristes. Como aquela em que te deixei ali. Também sei que nasci quase à meia noite, num inverno chuvoso, numa família triste. Todos julgaram que eu seria a sua primavera e com o que lhes dei, quem sabe se foi assim. Não gosto da noite porque aumenta as minhas limitações. Mesmo em nova, a noite era para dormir e pronto. E com a luz da manhã sou forte e abençoada. Espero amanhã acordar.


publicado por velhoparafuso às 18:01

link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 1 de Novembro de 2017

Atenta aos sinais

Agradeço teres respondido às minhas angústias através das palavras de uma amiga,  que me ensinou como, com sabedoria, se atravessam espaços e tempos difíceis de gerir. Aprendi ainda que pensar e sofrer por outrém é errado. Fizeste que eu entendesse que o alvo da minha preocupação estava bem, serena e autêntica, segurando os acontecimentos com firmeza. Também entendi a Tua presença e por isso não sofro mais. Neste conforto que me ampara, sinto a segurança da fé que não é cega, mas inteligentemente escrutinada. A razão tem um papel átivo nestas afirmações. Mas a gratidão que sinto também é Caminho para irmos para Casa.


publicado por velhoparafuso às 16:23

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12

14
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds