.posts recentes

. Em cada dia

. Desconheço o mote

. O conforto do abraço

. Ir ver o mar

. As nossas festas

. Era uma vez...

. Menos calor, mais coração

. E o céu é mesmo azul...

. A bengala

. Chuva de verão

.arquivos

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Quinta-feira, 21 de Dezembro de 2017

Incluir

Em cada idioma há palavras mágicas pelo seu significado ou pelo som que produzem. Para mim há muitas no português que falo. E usu-as muito, mesmo sem dar conta. Pelo seu aconchego às derivações gregas ou latinas ou pelas letras que as compõem, essas palavras teem poesia e sons cativantes. Ler um soneto de Camões ou de Antero ou de Pessoa é trazer à alma uma paz e uma satisfação enorme. A poesia, em toda a sua beleza, palavras e ideias incluidas, é para mim o conforto na solidão e o comprido para dormir.


publicado por velhoparafuso às 19:02

link do post | comentar | favorito (1)

Terça-feira, 19 de Dezembro de 2017

Ver o Natal

Observo com curiosidade as manifestações daqueles que estão perto e através da TV, os desconhecidos  em movimento, em relação ao Natal. Para muitas pessoas esta festa é apenas dar e receber presentes, para algumas é ir ver o Pai ou a Mãe, outras vestir de vermelho e usar barbas brancas e para outras, a minoria, festejar o nascimento de Jesus, verdadeiro motivo para festejar o Natal. Vejo como está deturpado o sentido da festa, absorvido pela publicidade em todas as áreas, pelo pai natal que veio dos US e não da Lapónia, inventado que foi pela ganância de fazer dinheiro com todos os engôdos possiveis. É a loucura total. O Natal é, apenas, unir os homens e as mulheres, primeiro consigo mesmo, depois com a família humana, servindo com Amor o sentido da Vida. Para isto Ele nasceu. Não para gastar o pouco ou o muito que se tenha em gozar os bons hoteis, em prendas algumas inuteis. Natal é mais do que tudo isto. É pensar e orar pelo bem comum.


publicado por velhoparafuso às 15:58

link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

Tempo para pensar

Gosto de analisar o que vou sentido perante os acontecimentos, que diariamente são publicados pelos jornalistas, tanto de jornais como nas diferentes televisões. Baseada numa das grandes afirmações filosóficas " em que eu só sei o que sou quando sei o que não sou", procuro e muito encontro de mim, usando a inteligência emocional para encontrar respostas. As notícias são hoje dadas em avalanche, de modo que a sua absorção é um exercício emotivo. Claro que nem tudo é digno de crédito. Por isso deve haver no olhar alguma sabedoria que evite o engano e a confusão inerente. Mas é bom para a mente e até para a alma usar estas energias que habitam em nós e nos fazem viver. Lamento apenas que tão poucas pessoas saibam usar esta alegria do Ser.


publicado por velhoparafuso às 16:02

link do post | comentar | favorito

Domingo, 3 de Dezembro de 2017

Falar do coração

É óbvio que um coração que vive 88 anos sem falhas nem descanso, tem de estar cansado e saturado de tanta responsabilidade. Sua energia é de todos, é universal. Tem horas em que me alerta, pois bate tão lentamente como um relógio sem pilha. Eu paro também ouvindo-o. Depois alguém substitui a pilha e a energia volta à máquina que trabalha, trabalha. Isto é tão belo que não para de espantar, por mais cirurgias que se façam ou transplantes também. O médico que me operou disse-me que sempre se liga ao Invisível quando, com um coração " na mão" o vê pulsar autonomo. Os três corpos que se unem para sermos nós - o corpo físico, a mente e o espírito - são a trindade que nos mantem vivos e saudáveis. Sabendo isto é mais fácil cuidar de todos, com sabedoria, vontade e conhecimento.


publicado por velhoparafuso às 18:02

link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 1 de Dezembro de 2017

Vida vivida

Escrevi em criança poemas a flores, teatro para os avós, cartas ao meu Pai, ausente em trabalho. Recuperei tudo quando abri gavetas e procurei lembranças. Assim soube de mim, daquilo que já era. Contestatária, com novas formas de viver no horizonte. Olho o meu mundo e vejo quantas alterações apareceram na vida de muita gente, que as aceitou como necessárias numa sociedade fechada a tudo que era diferente. Desde proíbir livros para leitura e estudo, até impedir a abertura de uma conta bancária a uma  mulher casada. Quanta injustiça, quanta revolta. Mas a Vida fez-se abrindo portas, mudando conceitos. Só na velhice podemos saber se tudo valeu a pena.


publicado por velhoparafuso às 19:05

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
14

15
16
17
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds