.posts recentes

. Fala interior

. Poema de ontem

. Deve ser dito que

. Como foste, como serás

. O ano velho

. Hora de inverno

. Dilemas no trabalho

. Testemunho

. Talvez venha a aprender

. A política e a bengala

.arquivos

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Terça-feira, 29 de Maio de 2018

ai coração...

Fico tão cansada quando faço um pequeno esforço que logo penso no fim desta longa etapa. O batimento cardiaco é inferior ao normal, que é acima de sessenta. Chego a ter quarenta e sete. Assim pouco ando, pouco falo e muito penso, muito escrevo, leio e pouco mais.  Assim vou normalisando a vida, como posso e quando posso. Mas é com alegria que estou aqui, rodeada de cuidados, gestos amorosos, conforto total. Quem me dera que todos os velhos tivessem metade do que eu tenho. Seriamos todos gente feliz. Mas não pensamos de forma a que isso aconteça e são os pensamentos que criam as obras. Mais não cabe aqui dizê-lo. Ai coração....


publicado por velhoparafuso às 16:21

link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 25 de Maio de 2018

Viver com ....

  Como é viver com os pés na terra e a cabeça no céu? Tem horas difíceis, quando se confundem as ideias e até as pessoas com quem se está. Basta uma palavra que caia para um dos lados para alterar o discurso. Parece aleatório, falar disto ou daquilo em tons despreocupados. Mas os assuntos são, por vezes, socialmente sérios. Respeitar o outro ou até amá-lo, leva-me a entrar no meu céu e a falar linguagens deconhecidas de muitos. Entre todos há muitos pontos comuns mas as diferenças são evidentes quando é motivado o dinheiro como regente de vidas. As viagens, as posses, os apelidos, etc, etc, e a evidente indiferença perante situações opostas, levam-me a tentar uma alteração no preconceito social que nem sempre é compreendido. Aqui me perco, no chão ou na nuvem? Vale o silêncio, sempre em silêncio. 


publicado por velhoparafuso às 18:34

link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 23 de Maio de 2018

Insónia

Tenho sono mas estou à espera de dormir. Enquanto penso nisto e naquilo surgem as palavras com ideias. E vou compodo as frases, decoradas até hoje. Palavras e sons dentro de mim, cheios de ontem, muitos ontens, com tanta gente sem nome mas ainda com rosto, vultos que se movem.

Quero um vestido colorido.

Olhar o espelho como olhei outrora.

Sentir na boca o beijo consentido,

nossas mãos juntas como quem ora.

Cruzar a perna, o vestido ao vento,

mostrar o salto alto,

a vaidade explodindo,

enquanto a mocidade

se ilude, exibindo.

Quero o mar em mim.

Quero o impossivel no sono

que tenho.

Viverei amanhã?

A Vida é um sonho e eu vivo este sonho.

 

 

 


publicado por velhoparafuso às 15:46

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Domingo, 6 de Maio de 2018

MÃE

Saudade é cheiro, tato, abraço. Saudade é querer viver o que foi e como foi. Saudade define tudo, desde a alegria à tristeza. Saudade é magia que a lembrança devolve depois das lágrimas encherem o coração. A saudade é tudo que tenho para encher os meus dias, quando a tua falta me torna criança. Esta criança que guardo em mim e que sente o teu abraço protetor. Saudade também pode ser um sentimento que nos confunde se não soubermos amar a Vida como um processo que não tem fim. Pela estrada do Amor te encontrarei, MÃE.


publicado por velhoparafuso às 18:13

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Sexta-feira, 4 de Maio de 2018

Amiga que me lê e comenta

Sabe bem quando expomos ideias que dão argumentos aos leitores para escrever sobre elas, expondo também as suas. Assim, permite soltar sentimentos que, amordaçados, fazem um nó no peito. E por vezes vão sufocando em dor. E como há pessoas que vão guardando essa dor com medo de a iluminar com a luz da liberdade, só na escrita quase secreta se atrevem a xepor-se. Claro que há segredos nas nossas vidas que não se divulgam, mas desses podemos tirar conclusões que servem de mote ao tal processo que toda a vida é. A isto se pode chamar experiência, aprendisagem, etc. Cada um aprende de sua maneira, por isso temos resultados diferentes. Eu aprendi cedo que a minha vida é da minha inteira responsabilidade. Mesmo vivendo em família e depois socialmente agregada, eu escolho o meu caminho. Umas vezes bem outras mal, só eu sei porque foi assim, aceitando todas as consequências. Esta atitude permite olhar de frente o caminho. Não há culpa a apontar aos outros, porque vivem o mesmo dilema. Está tudo dentro de nós. É lá que nos encontramos.

 


publicado por velhoparafuso às 16:26

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
14
15
16

17
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds