.posts recentes

. Estado de alma

. O domingo sonolento

. Cantos e rodas

. As mudanças

. A Bisneta

. Meu livro na Nuvem

. O sono e o texto

. Na hora do vento

. As pequenas alegrias

. Dentes voadores e angústi...

.arquivos

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Sábado, 29 de Setembro de 2018

A escrita

Começo a usar as palavras vazia de ideias. Ainda não sei se será poesia ou prosa poética ou simples conversa de porta de escada. Há muito que não tenho aquela palavra mágica que inicia um poema. O calor tem afetado o meu comportamento. Menos eu, menos nós. Aqui devo esclarecer que vivo enquadrada nas minhas escolhas como pessoa, por isso dialogo com todos os Seres que possuo, físico, mental e espiritual. E nem sempre o dialogo é bem sucedido. Na meditação pode surgir algo que abra um caminho para um pensamento livre. Hoje predomina a preguiça e como tal só existe o prazer de usar palavras para nada dizer.


publicado por velhoparafuso às 18:56

link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 25 de Setembro de 2018

A Honra

O conceito de honra foi respeitado de tal forma que chegou a levar ao suicidio alguns portugueses ilustres acusados de desonestidade, por actos antisociais e danosos. Hoje encara-se com naturalidade as detenções de políticos, juizes, generais, etc por roubarem o País durante o exercicio dos respectivos cargos. O ser ladrão é só isso: é ladrão e por azar foi apanhado. Por vezes é desculpado por não haver provas suficientes. E quem não tem teto e quem não tem soupa? Pode roubar? NÃO. Apanha que é ladrão...Um nome honrado quanto vale?  Estou triste mas feliz pelo que se descobre e se publica.


publicado por velhoparafuso às 18:08

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito (1)

Quarta-feira, 19 de Setembro de 2018

Brincar de velho sendo velho

Como não posso saltar à corda no meio do quintal, imagino-me lá de corda na mão, levando o pensamento a fazer o alegre esforço guardado na memória. E fico feliz por viver de novo esse brincar. Assim danço, nado e amo tudo que vivi. Estou no banco do jardim, estamos os dois. Os ramos da árvore escondem os beijos e os risos de alegria. Tudo pode o pensamento. Essa energia poderosa que, em continuo movimento, faz de nós pequenos e grandes criadores de tudo que vivemos. Em cada hora podemos mudar o nosso bem ou o nosso mal, num faz de conta infantil com a experiência de velho. A isto chamo brincar, em dias solitários, como cartas de um baralho invisível caído do céu azul.


publicado por velhoparafuso às 15:07

link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 17 de Setembro de 2018

Leituras

Tinha cinco anos quando aprendi a ler pela Cartilha Maternal. Minha Mãe me ensinou. Aos oito anos já declamava a personagem de Maria, de frei Luis de Sousa, encantada com a leitura do livro. Seguiram-se os estudos e os livros da época, filosofos, poetas, portugueses e franceses. Depois entrei nas várias religiões, tentando entender as diferenças. Permiti-me "estudar" os anti-Papas. O Budismo deu-me algo de pacificador, pela sua humanidade. Agora leio para saber mais, de tudo um pouco, desde IA, até novas dialéticas sobre as socidades que se alteram como ondas no mar alto. Tal como as ondas, elas vão sem destino certo, perdendo sem dar por isso, a sua sustentação; a ética. E com esta os valores que estão escritos em cada coração.

 


publicado por velhoparafuso às 18:21

link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 10 de Setembro de 2018

Ser inédito

É como ter ideias que ninguém teve? Não. É sermos nós mesmo no silêncio da nossa mente e não dar a conhecer o que idealizou? Talvez. Todos queremos ser especiais mas especiais já nós somos. Cada humano é único, sem igual à face da terra, por isso tudo que produz é único também. Porque este anseio de aparecer e parecer diferente em tudo que vamos fazendo? Será o nosso orgulho a puxar por nós para elevar cada obra, seja uma panela de sopa, seja uma ária ou um desenho? Neste meu blog pareço tonta, por muitos assuntos que aqui coloco. Hoje surgiu-me este, como se eu não soubesse como se faz um texto sem interesse para um leitor.


publicado por velhoparafuso às 18:14

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Sexta-feira, 7 de Setembro de 2018

Amizades

As amizades serão ilusões? Porque às vezes intensas e imediatas mas reduzidas em tempo, feitas pó do esquecimento e do desinteresse. Embora todos tenham ou tiveram amigos, ninguém pode garantir quais e quantos nos amam de verdade. Penso, depois de ter deixado muitos pelo caminho, que só eu sei se amo refletindo no outro esse sentimento. Posso amar por um interesse subjetivo, por medo de me ver só, por caridade para com alguém e muitos mais motivos. Estou a enganar-me e a enganar. Aí chego à ilusão. Vidas inteiras mantemos os mesmos amigos, porque eles nos são úteis e nós a eles. Porque todas as pessoas falam que ter amigos é o melhor da vida. Mas isto não é amar, não é o amor sublime, aquele que dá sem esperar retorno. Amor é Liberdade. Livre como o vento, sem dono nem destino.


publicado por velhoparafuso às 16:30

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Sábado, 1 de Setembro de 2018

O estranho dia de Setembro

Acordei tarde, quase 9 horas. O calor a entrar pela janela aberta deu-me a sensação de estar em outro lugar que não identifico. Já estamos a meio da tarde e a sensação mantem-se. Sei onde estou, o que me permite o equilibrio necessário. Mas há uma sombra, talvez uma lembrança, uma tristeza leve, uma paragem no tempo que ficou do passado. Sou pouco dada a emoções por isso analiso este estranho dia que me divide entre o que vejo e o que é só sentir sem saber o que realmente sinto.


publicado por velhoparafuso às 15:13

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds