.posts recentes

. As sobras

. A carta

. A chave

. Palavras sobre o mar

. Os fins e as obras

. O meu silêncio

. Talvez e tudo

. Viver no faz de conta

. Estado de alma

. O domingo sonolento

.arquivos

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Segunda-feira, 22 de Outubro de 2018

Meu livro na Nuvem

Não há fronteiras, não há oceanos, não há distâncias. Que mundo novo será amanhã, quando eu for embora? Tudo me fascina e me pede estudos que já nâo memoriso nem entendo mesmo. Meu pequeno livro Prosas e memórias partiu, via E-mail, para o Brasil, destinado a ser lido pela Mariana, adotada como neta amiga. Encontram-se gerações e unem-se assim pessoas que mal se conhecem. Até aqui tudo positivo. Mas para mim, sempre pronta a perguntar e a aprender, como é isto possivel? Que ondas magnéticas transformam e transportam o que eu escrevi e está guardado neste PC?. A comunicação é feita em segundos, é como um abraço ao mundo. Todosnós, assim ligados, quer se goste ou não.


publicado por velhoparafuso às 17:00

link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 15 de Outubro de 2018

O sono e o texto

Começou a chover. Sobre o café do almoço, tomado para disfarçar o sono, houve um pouco de conversa. Fiquei perto da TV para ouvir notícias, sempre focando tristezas e mortes. Parece melhor escrever ou ler assuntos culturais. Estou vazia e triste. Sem sol perde-se o fulgor e a vontade de exibir os nossos atributos pessoais e únicos. A pensar na vida que escolhi, vejo agora como foram as consequências de cada escolha. Algumas fizeram-me crescer como ser humano. Enquanto se vive a velhice podemos optar por corrigir pensamentos, palavras e até obras que nos levem ao retrocesso. Tudo é da nossa responsabilidade, mesmo que duvidemos disso. Aqui, onde vivo, contacto com muitos jovens. Por vezes há minutos de conversa que levam a pedidos de opiniões sobre a vida vivida. Tento sempre alertar para o caminho da responsabilidade e para o respeito, nosso e dos outros. Com Amor.


publicado por velhoparafuso às 15:13

link do post | comentar | favorito

Sábado, 13 de Outubro de 2018

Na hora do vento

Parece nome de filme mas não é. Quando em 1941 eu vi os efeitos de um ciclone sobre Lisboa, mesmo dentro de casa, senti um terror que guardei até hoje. Não havia previsões nem socorros e muito menos imagens. Vi pessoas abraçadas a árvores e depois levadas pelo vento, rolando no chão como bonecos. Depois fui afastada da janela chorando de medo. Hoje está tudo visivel, com imagens tão reais que podemos sentir o medo como crianças, ante a força indomável que nos cerca.Todas as tempestades têm nome, esta é "Lesley". Não sei se errei no nome, mas estou certa quanto ao som que já ouço dos pinheiros no jardim. Começou a chover. O mar cresceu em toda a costa. Como fazer parar o monstro? Amanhã.


publicado por velhoparafuso às 18:08

link do post | comentar | favorito

Sábado, 6 de Outubro de 2018

As pequenas alegrias

Alguns de nós, todos residentes no mesmo espaço, fomos almoçar perto do mar, devidamente acompanhados. O passeio foi saboroso, com bom tempo e alegria em cada rosto. As mãos amigas que nos ampararam são jovens e sábias, pois há muitas diferenças entre cada necessidade, sugerindo uma atitude adequada. Falo por mim e por aquilo que analiso, tudo perfeito. Sou grata por aquilo que se vive aqui. Penso que a felicidade se constroi de pequenas coisas, sabiamente vividas.


publicado por velhoparafuso às 15:53

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito (1)

Dentes voadores e angústias da velhice

Ao rir de mim, das mazelas, dos esquecimentos inesperados e das situações ridiculas que vou criando, entro no espaço do humor que alivia muito a sensação de perda que tudo isto provoca. Esta forma de viver a velhice é também um teatro interno, de mim para mim, comparada a uma filosofia de vida. Vivo todas as angústias de um futuro sem futuro e tal como Pessoa também pergunto "amanhâ onde estarei?".  Assim vou inventando possibilidades e existências que só existem num lugar especial de felicidade e amor. Tudo isto para contar a perda e o achar de algo, quase íntimo, enquanto dormia. Como comer sem dentes se os mesmos haviam desaparecido? Como pude estar tão fragilizada que perdi o  controle da minha boca? E assim, procurando, já quase a pedir ajuda, encontrei os voadores sob um móvel. Tudo inteiro. Mas para mim foi mais uma prova de quanto estou a perder concentração e memória.


publicado por velhoparafuso às 15:17

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
14
15
16
17
18
19

21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds