.posts recentes

. Os ventos de cada vida

. e assim foi...

. Encontro

. O colibri

. Três netas

. O voto

. Perguiça mental

. As cartas

. A chuva que falta

. Falar ou apenas ouvir?

.arquivos

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Quarta-feira, 23 de Janeiro de 2019

Sonho, sono e despertar

Abriu-se a porta do espanto e eu entro. Sou nuvem pequena e vou atraída por outra nuvem grande e densa. Incluo-me nela e cheguei a casa. Confortada, conheço uma paz infinita, feita da visão de tudo que vivi e viverei. Uma visão mágica entre pessoas que me eram familiares desde o meu príncipio. Os sons são audiveis. O coração bateu mais forte. regressei à cama bruscamente. Não dormi até ser dia.


publicado por velhoparafuso às 18:30

link do post | comentar | favorito

Domingo, 20 de Janeiro de 2019

As sobras

Da mesa de rodas vem o cheiro de mãe. É o prato com bolachas caseiras, são o bule e as chávenas Vista Alegre, é o tom da conversa, o sorriso meigo. Ainda contemplo as sobras das casas, nada de valor, apenas o necessário em visão do trabalho. Depois o mais pessoal ou seja, quadros, desenhos, livros, muitos livros, E os poemas em páginas soltas ou agrupados, numa tentativa frustada de impressão. Falta dizer que a música ainda é relevante. Tudo são sobras de mim, como já foram de outros. Tudo isto pertence ao planeta Terra, como nossa guardiã. Serão dispersos, serão apreciados, serão úteis. Ou transformados. Assim se dilui uma pessoa ou muitas pessoas na memória do tempo que o tempo vai devorando.


publicado por velhoparafuso às 18:04

link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 11 de Janeiro de 2019

A carta

Durante muitos anos escrevi cartas. Por vezes diariamente. Escrevi e recebi. Ambos gostavamos de cartas de amor. Ele em viagens de trabalho e eu porque sempre gostei de escrever e descrever os estados de alma e os seus reflexos. Foram anos de contacto intenso através do único meio que havia para unir, "falar" sobre alegrias e sobre a vida de cada um. Havia o telefone apenas para breves conversas. Que namorar ao telefone ficava despendioso. Um dia queimámos todo aquele papel, repleto de belos textos íntimos, dignos de serem impressos. E assim corre a vida, cheia de lembranças e de saudades.


publicado por velhoparafuso às 18:14

link do post | comentar | favorito (1)

Terça-feira, 8 de Janeiro de 2019

A chave

Tudo muda quando se é responsável pela saúde e pela vida em cada dia. Não posso dormir mais uma hora, não posso esquecer da injeção que doi, não posso alimentar uma dieta de fome e não posso fazer uma dieta de fartura. Devo medir, comparar, rejeitar o que gosto e sentir quando tenho de aplicar a substância que tanto mata quanto salva. Prova que a vida está comigo e me está amparando para viver mais e melhor. A parte negativa que citei é de minha responsabilidade, a parte positiva é de quem soube usar o cohecimento para ajudar milhões de pessoas. A insulina é a chave que abre a porta do pâncreas ao açúcar que carrega a energia que, por sua vez, a limita na corrente sanguinea. Milagres todos os dias... 


publicado por velhoparafuso às 18:06

link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 7 de Janeiro de 2019

Palavras sobre o mar

Me acho, como Manuel Bandeira, um pequeno trem mancando entre todas as paragens, até ficar vazio, vazio, vazio de todas as gentes, do último, que só no vinho encontrou coragem. E o trem parou na abordagem das portas fechadas até de manhã. Inté, disse o bêbado ao trem vazio...Quando será a minha manhã? Tudo pode ser poesia se a ideia for a palavra que a defina. Vazia é a palavra que eu escolhi para lembrar o poeta que, de muito longe, soube espalhar poesia pelo mundo de língua portuguesa.


publicado por velhoparafuso às 17:55

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds