.posts recentes

. Testemunho

. Talvez venha a aprender

. A política e a bengala

. A laranja

. O dono da escrita

. Divagar em dia de chuva

. Lamentos

. Juntar as ideias e as dúv...

. Desativada

. Treinar a memória

.arquivos

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Terça-feira, 24 de Setembro de 2019

Divagar em dia de chuva

No fim dos tempos, hei-de fazer flores só de as pensar e lindos pássaros e música e sons. Terei o que hoje não sei que terei, por isso sonho. E de tanto sonhar pensando, eis que divago sobre a vida vivida e o reflexo dela nas vidas ligadas à minha. E o que de útil estou fazendo. Tenho  presente a vida que virá, nestes cíclos que todos construímos sem o saber. Porquê? Para quê? Há pessoas que captam e entendem os mistérios e deles falam e sobre eles escrevem. Eu apenas procuro. Quem sabe quando saberei?


publicado por velhoparafuso às 14:58

link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 19 de Setembro de 2019

Lamentos

Para mim, pelo que vai dificultando o meu dia a dia, a velhice é um fardo dificil de transportar. Penso que é um recado da Vida, a dizer como deve ser melhor a partida, perante as perdas que estou a pressentir. Nada muda o meu Amor por tudo que já vivi e por tudo que estou vivendo. Apenas sou confrontada com este desconhecido a que dou o nome de limites. Quanto ao sofrimento, estou a vivê-lo como um produto da mente, que o coloca para destabilizar as minhas crenças em outras vidas úteis a toda a humanidade. Dizem que o futuro a Deus pertence. Mas Deus somo todos nós, à Sua Imagem e semelhança, seres criadores, dotados de muitos poderes, que até podem mudar o mundo. Essa esperança eu tenho, só não sei como. Um dia talvez venha a saber...um Dia.


publicado por velhoparafuso às 15:00

link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 17 de Setembro de 2019

Juntar as ideias e as dúvidas

Com tanta informação a circular pelo mundo é muito dificil ter certezas claras sobre o que realmente acontece. Todos dão opiniões, o que confunde a nossa. E a dúvida, que é construtiva, também pode deminuir a nossa capacidade de ter ideias sobre tudo e todos. Por vezes tiro o som, para não ouvir os comentadores politicos ou os queixosos da vida. De tudo sobram interesses, invejas e ganâncias. Neste silêncio em que vivo e gosto, já sinto a distância entre os meus valores e os atuais. Nem dá para pensar nisto. Só o tempo poderia responder.


publicado por velhoparafuso às 18:43

link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 11 de Setembro de 2019

Desativada

A consciência de mim exige movimento, ação e provas de que ainda estou na Terra em pleno. Mas o corpo, ouvindo as ordens vindas do interior, não as cumpre e mantên-se apático, imóvel, malandro. Na cadeira estou bem, a dar ordens para dali saír, que o trabalho espera e o passear também. Por graça afirmo-me desligada da corrente. Por graça, rio-me desta imagem que tenho de mim, os restos do tempo vivido num espelho inventado. Estou muito gasta, mesmo fora de tudo que me envolve. E por hoje é tudo.


publicado por velhoparafuso às 18:55

link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 4 de Setembro de 2019

Treinar a memória

As, lembranças são coloridas, cheirosas, de pele e visionadas com o terceiro olho, ou seja, com a visão interior. Assim se desenvolve a memória mantendo dentro de nós o que se ama e também o que nos incomoda, mesmo que se queira esquecer. É um livro, cujas folhas teem vida e vibram para serem lidas. Por tudo isto a memória é um tesouro a alegrar os dias que passam em silêncio,  fazendo da saudade o mote para a vida.


publicado por velhoparafuso às 18:22

link do post | comentar | favorito

Domingo, 1 de Setembro de 2019

Os dias pequenos

Nasci em Fevereiro, signo de Aquário. Pouco sol, alguma chuva e perto do fim do dia. Chorei muito com fome. Dizia o povo que era perigoso dar a mama antes das vinte e quatro horas de vida, portanto grita e chupa no dedo.  Eu perguntei tudo para saber o meu princípio. Tudo repetido, tudo explicado. Quando aprendi a escrever, teria seis anos quase sete, apontei o que sabia e o meu Pai guardou. Só quando ele partiu me foi dado ver a "gracinha" entre coisas pessoais. A nossa existência tem pequenas maravilhas que nos comovem e nos compensão de outras que doem até à alma. Lembrei hoje, não sei porquê. Talvez os dias a encurtarem e o vento frio das tardes me levassem ao meu inverno interior. Ao colo da Mãe,  aos braços de tanta gente que me amou e não sei onde está.  E choro de fome, como antes. Tão perto... tão perto...


publicado por velhoparafuso às 18:45

link do post | comentar | favorito (1)

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds