.posts recentes

. O que foi e o que é

. Ver o vento da janela

. O prazer da escrita

. O Atlântico também nos un...

. Sair pela janela

. Covid 19

. A hora do futuro

. O calor nos meus dias

. Meia hora de vida

. Saudade de mim

.arquivos

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Segunda-feira, 30 de Dezembro de 2019

As palavras que faltam

Tantas são as emoções que me atormentam nestas datas festivas que delas e por elas não tenho palavras que as descrevam. Saudades, lembranças, boas e menos boas, enchem os dias. Falta vontade para ler, ouvir música , arrumar a pequena casa, trabalhar em algo útil. Durmo, vejo televisão, vou comer, digo duas ou três palavras,   (que saudades tenho do silêncio da mesa só para mim), e tento ficar na sala por alguns minutos para não voltar cedo para casa. Não gosto da maioria dos residentes, cuja conversa não varia entre doenças, tempo e criticas a tudo quanto existe. Nada é comestivel, nada agrada ao sabor e à visão. Também para mim há muitas falhas, mas poderei pedir mais à Vida?


publicado por velhoparafuso às 18:10

link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 26 de Dezembro de 2019

Procurar distração, porquê?

Faltam palavras e faltam ideias que diluam o peso da realidade. À procura de algum alivio usa-se a distração, que não é mais do que o auto engano. Afinal nada muda porque a energia que nos rege é para ser vivida. Não adianta fugir, tenho de sentir a tristeza, o amor e a saudade. E de tudo à minha volta, sejam as calamidades, seja o excesso de informação, seja o que for. Estou cheia de tudo e vazia de mim. A ansiedade  acelera o batimento cardíaco, o que provoca cansaço na forma de respirar. Vou jogar para distrair os maus pensamentos e os bons também.


publicado por velhoparafuso às 17:53

link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 24 de Dezembro de 2019

Onde se escondeu a alegria?

Tenho e guardo tudo que me faz feliz. Apenas me falta o riso fácil, aquele fogo no peito, a sensação de conquista ou de vida bem vivida. Agora estou dependente de algo que desconheço para que volte a viver tudo que julgo que sou. Este sentimento de ser ou estar é o sentimento de si, da persona, de sermos nós no mundo cheio de "sis". O encanto da vida está neste mistério que não nos é dado decifrar para o entender. Mesmo assim, tenho muito para ser agradecida. Ontem vivi o Natal fora do Natal, que foi a visita da "minha" bisneta a brincar no meu mundo. E ainda se mantém, numa lembrança de brincadeira e glória.


publicado por velhoparafuso às 17:21

link do post | comentar | favorito

Sábado, 21 de Dezembro de 2019

Fiz, está feito.

E como teria sido se eu cumprisse o meu sonho? Deixei para trás as Artes e não lutei por aquilo que sempre me atraiu. E fui ganhar a vida em outro caminho, onde encontrei a sustentação até hoje. Mas o sonho está ainda vivo e vou leva-lo para o trazer de novo, mais forte e mais vital. Quanto de mim ficou no vazio das decisões mal tomadas que tiveram de ser vividas. Mas muito ficou na alma como aprendizagem e conhecimento. Mesmo agora tudo me serve de amparo perante o desconhecido, que é a morte já presente.


publicado por velhoparafuso às 15:09

link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Cozinheiro misterioso

O dono da cozinha é anjo sem asas. Uma vez bríndanos com uma boa refeição, outra vez inventa algo como um pastel grande, de massa grossa, recheado de espinafres. Um horror. Um peixe à madeirense delicioso ou carne prensada, completamente queimada, em figura de bife.  Que fazer a estes trabalhadores que não amam o que fazem? Mais educação? Mais euros? Ou melhor matéria prima para que tudo saia comestivel? Quem me dera saber, embora o mistério se mantenha para mim, que estou velha e talvez rabugenta. Não falo mais de comida. Tenho de comer e pronto. E por aqui me fico.


publicado por velhoparafuso às 16:44

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Domingo, 8 de Dezembro de 2019

O cozido à portuguesa

O cheiro projeta-se em mim logo que leio o menu. O sabor forte das carnes aliado aos legumes, ,ao arroz, ao feijão e aos enchidos,  dá a este prato um gosto que agrada à maioria dos potugueses. Por isso esperei o almoço com satisfação. O prato vinha bem composto, com couves e a carne que eu gosto. Mas a bela couve estava crua, o arroz frio e sem sabor, o feijão mal cozido (não era feijão para este prato) a batata crua. Estava boa a carne, a cenoura e o nabo. É pouco para quem deve ser alimentado e respeitado. Cozinhar é um acto de amor. Os cozinheiros devem respeitar a comida, evitar os restos e o lixo, e sentir que estâo a cumprir um dever perante pessoas que lhes pagam o trabalho em troca do alimento necessário á vida. Quem dirige tem de agir rapidamente. 

 


publicado por velhoparafuso às 18:35

link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 4 de Dezembro de 2019

Vontade Poder

Esta energia que faz parte de todos os seres vivos, é tão poderosa que lhe podemos chamar o poder criativo ou a vontade de viver. É a primeira pessoa da Trindade de todas as religiões. A segunda pessoa é o Amor Sabedoria e depois a Inteligência Criativa que pode ser o Espirito Santo, na fé cristã. Todas se intercalam, todas inseparáveis, todas se completam. A Vontade, tal como o Poder, podem gerir toda a nossa força para construir a Vida que escolhemos, a que chamamos destino. Mas sem o Amor Sabedoria não sabemos viver em sociedade, nem criar as geraçôes dependentes da nossa Inteligência Criativa. Pensar sobre tudo isto é caminhar na direção futura, na glória da Vida Eterna.


publicado por velhoparafuso às 15:31

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
16
17
18
20

22
23
24
25
26
27

29


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

blogs SAPO

.subscrever feeds