.posts recentes

. O que foi e o que é

. Ver o vento da janela

. O prazer da escrita

. O Atlântico também nos un...

. Sair pela janela

. Covid 19

. A hora do futuro

. O calor nos meus dias

. Meia hora de vida

. Saudade de mim

.arquivos

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Quarta-feira, 29 de Abril de 2020

Afinal ainda estou por aqui

Cada hora pode ser repleta de tarefas que sejam agradáveis e me confortem, tanto física como mentalmente. No meio desta pandemia, os portadores de doenças crónicas e velhos como eu, vão dando a cada dia vivido um apreço redobrado. Por mim, pela família e amigos, pelos pássaros que cantam na janela, pelos livros que me alegram, enfim, por tudo que estou vivendo e aprendendo. Mesmo sem sol este lugar é muito agradável. Tenho um belo jardim, peço e logo sou atendida, sou bem tratada. Grata à Vida que me deu amor para crescer e para viver em paz. Todos os dias sei que tenho o que me ampara e isso não tem preço...


publicado por velhoparafuso às 18:01

link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 23 de Abril de 2020

O poder da palavra

As palavras que usamos no nosso dia a dia, para nos orientarmos ou tomar decisões ou nos auto criticarmos dão origem a doenças do foro psicológico ou mental, por vezes graves. Estas doenças também se refletem no nosso corpo, com dores de cabeça e muitas diferentes outras manifestações. Eu terei de banir frases como "eu tenho de fazer" e "e eu devo telefonar", por exemplo, por "eu quero telefonar", deixando assim cair a ideia de que algo manda em mim, sugeitando-me à sua vontade. Eu sou livre para decidir todos os actos da vida e todos os pensamentos. Livre e responsável por todas as horas vividas em eqilibrio com a alma que me sustenta.


publicado por velhoparafuso às 18:37

link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 20 de Abril de 2020

Dia de chuva

Há uma presença quase física neste quarto. Aberta a porta para o jardim, vejo caír a chuva que entra suave e constante. De tempos a tempos aparece um raio de sol, mas a presença continua numa sensação ilusória de perfume e tato. Invento palavras para fixar o que sinto mas tenho sono e vou esquecendo as frases certas. Ela, a preseça, me impele a deixar ou a fazer projetos que ainda tenho em contraponto com os noventa anos de vida. Não sei se é ou não, mas me persegue como tempo no relógio, passando, passando. Nestes dias tristes toda eu estou aberta a novas experiências e a novos contactos. Mais com a chuva caindo...

 


publicado por velhoparafuso às 15:50

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Segunda-feira, 13 de Abril de 2020

Entender este tempo

O mundo parou. A humanidade tem medo. Os vivos sofrem e os mortos estarão onde? Se a vida é eterna, então não há morte. Mudamos de corpo e tudo recomeça. Mas a Terra renova-se, porque os homens estão "sem chão", cheios de pavor perante um inimigo invísivel que ataque sem piedade. Quem o criou para fazer parar tanta arrogância, tanto egoísmo e tanta ganância? O Deus de todos os Deuses? O Espírito da Terra? Perante a ignorância da humanidade que aos poucos tira de dentro da Terra aquilo que lhe pertence e a sufoca com gazes, derrubando florestas para fazer dinheiro. Presisamos de pão, é certo, mais trabalho, mais dinheiro. Mas conter a vaidade de ter bens materiais é amar a vida e não usar a vida como se tudo fosse para alguns e não para todos. A revolta trouxe o tempo presente para que a cura nos ajude.


publicado por velhoparafuso às 17:04

link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 7 de Abril de 2020

Em guarda

Só comigo vou estando. Ser ou estar são similares, portanto só comigo, sou. E neste silogismo mantenho a sanidade mental para viver em pleno. Testo-me diariamente para defesa de tudo que me faz gente. Critico, leio, escrevo, desenho e até coso os panos velhos que ainda uso. Assim estou (sou) em guarda contra o tempo que vai levando o tempo que me resta viver, sabendo que estou apta a exercer a Vida.


publicado por velhoparafuso às 16:13

link do post | comentar | favorito

Infância

Era o tempo em que não há tempo.

Era o tempo do aconchego.

Era o tempo de calar o medo.

Era o tempo de viver  crescendo.

Era o tempo de todas as guerras.

Era o tempo de sentir carências.

Era o tempo de chorar por tudo.

Era o tempo de aprender o tempo.

Era o tempo, que visto de longe,

Não sei se foi meu ou o inventei.


publicado por velhoparafuso às 15:53

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quinta-feira, 2 de Abril de 2020

Os sinais

Há muito tempo que os avisos estavam presentes. Mas poucas falavam deles. Tudo era nosso quando se dizimava a Terra para que o dinheiro enchesse os bolsos dos mesmos ganânciosos de sempre. Os mesmos que esquecem que a morte vem para todos e de forma igual. Depois há os que vivem anestegiados, enganados pela falsa fartura e só pensam em ser felizes com o que está ao seu dispôr. E as viagens alteraram o tempo e encurtaram o espaço. A forma de viver modificou-se, as familias e o trabalho formam uma sociedade nova, tudo sem respeitar a única Casa que temos. Paises e zonas onde não há pão, onde não há água, onde só a guerra existe. Interesses pessoais, políticas de grupos, enfim uma total ignorância do que é a vida na Terra. Todos queremos paz, todos necessitamos de Amor. Talvez este virús tenha vindo para modificar a Humanidade.


publicado por velhoparafuso às 15:59

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
16
17
18
20

22
23
24
25
26
27

29


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

blogs SAPO

.subscrever feeds