.posts recentes

. Do meu mundo azul

. À sombra do futuro

. À janela

. Tão longe, tão longe...

. Esta quinta-feira...

. Imaginário

. Covid 19

. A saúde

. As dores de cada dia

. Neta de um Brasil profund...

.arquivos

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Domingo, 31 de Maio de 2020

O calor nos meus dias

Perco iniciativas para fazer algo que me obrigue a movimentar. Penso que vou arrumar, guardar roupa, modificar gavetas. Todos estes desejos se perdem com o calor. Quero dormir mas não consigo e por isso estou deprimida e triste. A temperatura desceu hoje e já estou mais eu. Há trinta anos, quando ainda trabalhava, estas sensações não me perturbavam perante o dever e a necessidade de trabalhar. Mas agora tudo é mais dificil. Os dias passam sem projetos, sem sair do mesmo lugar. Parece que me lamento mas nada disso. Estou a constatar a situação de velho, que queria ser novo e não pode. Riu de mim e dos outros que me acompanham neste palco, cujo pano vai cair em breve.


publicado por velhoparafuso às 18:35

link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 20 de Maio de 2020

Meia hora de vida

Há muitas maneiras de contar a mesma história, quer seja verdadeira ou inventada. A minha é verdadeira e conta-se assim: em taxi a caminho de casa, meia hora de viagem. O taxista iniciou a conversa falando da sua vida em Portugal, vindo do Brasil há anos. Casado com uma portuguesa e pai de filhos, descreveu dificuldades que eu  mal ouvi. Por fim dei um salto de susto quando o homem disse a frase - vim para Lisboa porque matei um homem. A medo perguntei se não tinha remorsos. Que não. Fora uma vingança, que jurara aos nove anos, quando o mesmo homem lhe matara o pai, ali, junto a ele. Brigas de terras, vizinhos em ódio, partilhando águas, partlhando caminhos. Cresceu e vinte anos depois, bilhete de avião comprado, despedidas feitas, decisão tomada, entrou na festa de anos do velho rodeado de filhos e netos e apontou a arma que deixou no chão da sala. Gritou porque o matava e ainda ouviu os gritos de dor. Sereno, guiando o taxi. Chorei em casa por mim e por ele e por medo de cada pessoa que por nós passa.


publicado por velhoparafuso às 17:54

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Domingo, 17 de Maio de 2020

Saudade de mim

A saudade acarinha a lembrança, dá-lhe o aconchego que a mantem presente na memória. A saudade é o berço que embala cada sentimento que compôe a lembrança. E cada lembrança pode ser alegre ou triste mas todas, todas são alimentadas pela saudade. Os motivos variam e por isso cada uma tem o seu valor. A saudade de mim nasce nesses valores que fizeram de mim gente com qualidades e defeitos próprios da minha condição. A viver um acontecimento extrordinário na história da humanidade, medito sobre a sua força,  sua magnitude e a sua origem. O mundo parou para a Terra convalescer do mal que estava sofrendo: o abuso dos humanos sobre o seu único Lar. Ignorantes, os homens foram tirando e matando por egoismo e ganância, sem respeitar e amar esta casa onde se nasce e se morre.


publicado por velhoparafuso às 18:19

link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 8 de Maio de 2020

As noventa primaveras

Primaveras, invernos e o resto, tudo se compõe de ventos e marés, mais o que não se deve publicar. Este tempo é a coroa que me faltava para dizer que vivi as amargas experiências que uma geração pode conhecer. Eu já sabia que a Era de Aquário seria violenta para esta humanidade pela evolução que exige e para a qual muitos milhões de pessoas não estão preparadas. Ou porque não quizeram aprender a vida na terra ou porque lhes bastava a vida com os prazeres materiais. E eis que estou a ver e a procurar todas as previsões que li há muitos anos sobre o nosso futuro. Que será e como será, eis a questão. Mas não será pera doce, não. Aos jovens tudo será natural e fácil pois já nascem sabendo como os caminhos serão novos e diferentes perante as sociedades que irão criar. Talvez eu volte para ajudar na tarefa.


publicado por velhoparafuso às 17:54

link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 1 de Maio de 2020

Ao Pai

Era um verão triste e chuvoso.

Era o primeiro verão desamparada.

Era quando a chuva na janela

deixava a tua mão  marcada.

Era a diferença nas vidas de quem fica.

Era a saudade a crescer no peito.

Era o aprender a lutar sem chão.

Era  ir nas ondas sem praia perto.

Foi até hoje procurar o remo

do barco que trouxe para me guiar.


publicado por velhoparafuso às 18:41

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10

13
14
15
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

blogs SAPO

.subscrever feeds