.posts recentes

. Do meu mundo azul

. À sombra do futuro

. À janela

. Tão longe, tão longe...

. Esta quinta-feira...

. Imaginário

. Covid 19

. A saúde

. As dores de cada dia

. Neta de um Brasil profund...

.arquivos

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Sexta-feira, 31 de Julho de 2020

As dores de cada dia

Não sei se faço.

Não sei se vou.

Não sei se posso.

Não sei se sou.

Não sei se entendo.

Não sei se dou.

Não sei se doendo

o amor cá ficou.

Canto esta balada,

escrevo só para mim.

Conhecendo a palavra

fico igual, fico assim.

E depois fico triste pelo mundo, por mim. As alegrias esgotaram-se. Parece que tudo abana e que o chão é de lama onde tudo se engole. Não há braços para abraçar, os abrigos são escassos e o Amor não se fixa entre os humanos. Partem aos milhares no seio da Morte. Há destinos a cumprir. Serão o principio do fim? Quem sabe?

 


publicado por velhoparafuso às 18:15

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quinta-feira, 23 de Julho de 2020

Neta de um Brasil profundo

Falamos sobre a beleza da mata, o perfume das frutas, a sementeira do milho. Ligada a tudo isto estava uma mulher, a avó, que de tudo fazia pão, sopas, casas, vizinhos, bondade e força para lutar em cada dia de vida. Mulher só (o marido foi infiel), mudou de terra e levou a neta e mais dois adotados. E mais uma irmã solteira. Construiu tijolo a tijolo uma casa no meio do nada. Levou tudo para a escola,  a muitos quilómetros do sítio. Plantou, semeou e colheu. Criou animais e vivia de trocas entre vizinhos. Tudo isto foi repetido porque a natureza nem sempre é pacifica. Começada de novo, a família sempre junta. O respeito pela terra, o amor pelo que produzia, a proteção aos netos, fizeram desta mulher a estrela de luz que chega a Portugal através das pessoas que hoje ajudam muita gente. Quantos homens e mulheres ajudam a humanidade, não sabemos. Quem os reconhece agradece em nome de todos.


publicado por velhoparafuso às 15:54

link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 20 de Julho de 2020

Olhar o para+iso

Como conseguir encontra-lo? Escolhendo o caminho interior, valorizando o que está vivendo ou inventando uma vida activa com algo definido para o bem comum. Na alegria do atingir está a entrada que procura. Depois é deslumbrar a alma e usar a natureza no seu esplendor recordando os pequenos paraísos já vividos. Assim teremos espaços infinitos onde a alegria de viver é infinita também. Assim o artista imagina a sua obra, contribuindo no conhecimento da arte e da vida. Todos os dias há milagres, todos os dias podemos olhar o nosso paraíso contido na alma de cada ser humano. É bom acreditar.


publicado por velhoparafuso às 18:23

link do post | comentar | favorito

Sábado, 18 de Julho de 2020

Novo e velho tempo

Já tudo foi vivido. Estamos a repetir para aprender as regras até hoje esquecidas. Vamos conhecer novos caminhos com outras ferramentas e outras comunicações. Se eu voltar, terei outra visão do mundo e outra sociedade em confronto. Serei nova sendo velha, sem memória que me oriente. A Terra está a preparar a sua elevação na matéria em conjunto com uma humanidade que pressinta as diferenças e as acompanhe. As crianças de hoje trazem consigo a sabedoria necessária à transformação e à união desta humanidade. Só existe a raça humana, todos nós temos o sangue vermelho e da mesma forma o Amor conduz as nossas vidas.


publicado por velhoparafuso às 18:14

link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 9 de Julho de 2020

Balada infantil

Oh vento fala de mim.

Diz ao mar que serei onda,

diz ao céu que vou voar

e às flores que vou florir.

Oh vento lembra de mim,

Quando eu for tudo que há,

Levada em pensamento

para o lugar sem lugar,

onde serei Universo

guiada por ti oh vento.

Fala de mim se houver

som e se o Verbo existir.

Oh vento, eu quero ir.


publicado por velhoparafuso às 17:59

link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 8 de Julho de 2020

Invocação

Chamar os Anjos. Chamar o Céu. Precisamos do oculto, da verdade, da coragem, do amparo, da palavra que indique o Caminho. Estamos enlouquecidos na ignorância de séculos a viver como se fossemos os donos do mundo, criado por nós. As crenças, de tão variadas e distantes, vivem numa inimizade eterna, todas inimigas da humanidade já de si frágil mas arrogante. Os mais esclarecidos são os que mais necessitam de entendimento para reverter os egoímos, a separação e a ignorância. Perdeu-se o que nos salvaria e nem sabemos o que foi. Aos milhares estamos a ser retirados da Terra pelos Poderes Maiores. Talvez para outros mundos por nós desconhecidos, com outras formas e diferentes missões. Imagino o inimaginável. O que serei?


publicado por velhoparafuso às 14:41

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10

13
14
15
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

blogs SAPO

.subscrever feeds