.posts recentes

. Os noventa mais um

. A noite é longa

. Fazer alguma coisa

. A emoção de escrever

. A mascara

. As leituras de quem escre...

. O vírus e o medo

. O céu e o sonho

. Solidão em mar de gente

. Respeitar a palavra dada

.arquivos

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Quarta-feira, 18 de Novembro de 2020

A carta

O carteiro saiu do carro e procurou a direção da carta que deveria entregar. O envelope sem remetente e sem destinatário apenas continha a morada, rua da Rosa, nº5, Lugar Sem Nome. Era visivel a porta pintada a tinta castanha, com o nº5 a branco, sobre uma lata pregada na porta. Ali ficou depositada a carta, como era seu dever e partiu. Uma mulher viu o envelope e deixou-o no mesmo lugar por não ter nome escrito como destino. Durante dias toda a aldeia viu a carta. Ninguém a levou. A mulher via da janela e ansiava por abri-la mas aos poucos foi esquecendo aquele papel envilhecido pelo vento e pela chuva. Era solteira, sem familia e toda dedicada ao amor impossivel da sua juventude. Ele, solteiro e já entrado nos quarenta, todos os dias passava na rua da Rosa, a caminho do trabalho. Ela, à janela, suspirava de dor por falta de um olhar ou de um bom dia. Ele nada dizia, timido e envergonhado. Passaram anos e a carta ali à espera de ser lida. Um dia ele não apareceu e a mulher chorou e acompanhou o seu funeral. Dias depois abriu a velha carta para se distrair um pouco. Leu, deu um grito e caiu sem vida. A carta dizia AMO-TE e assinava o nome do  amor de uma vida.


publicado por velhoparafuso às 16:18

link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 12 de Novembro de 2020

O dia de todos os dias

Em cada dia posso viver um especial dia. Basta idealizar, é só querer trazer a mim aquela voz interna e ouvi-la. Não tem palavras mas tem ideias. É uma voz sem sonoridade que me acorda para intenções mágicas e me faz atuar por um caminho novo. É algo que todos possuimos mas poucos a contactam. É uma voz secreta a que eu chamo alma ou espirito superior ou energia. Tudo isto é válido, para que eu seja eu e possa viver a felicidade de ser eu em cada dia de todos os dias.


publicado por velhoparafuso às 14:57

link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 3 de Novembro de 2020

A amizade

Meses sem nos falarmos, anos sem nos vermos, mas ouvir as vozes sem esperar, é um consolo para a saudade. São assim os amigos e bem poucos são. Se recebemos uma flor é um prazer sem palavras, se ouvimos as palavras é um ramo de flores. Assim foi o meu domingo, florido e grato por tudo que me aconchega e recebo. Pode ser apenas uma lembrança mas chega para iluminar o meu caminho.


publicado por velhoparafuso às 15:48

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

blogs SAPO

.subscrever feeds