.posts recentes

. Os noventa mais um

. A noite é longa

. Fazer alguma coisa

. A emoção de escrever

. A mascara

. As leituras de quem escre...

. O vírus e o medo

. O céu e o sonho

. Solidão em mar de gente

. Respeitar a palavra dada

.arquivos

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Segunda-feira, 25 de Janeiro de 2021

A noite é longa

é longa e triste. A tristeza é minha, a noite nada tem que ver com o meu medo e a minha ansiedade, a angústia que eu sinto por não ver o sol. Para alívio recordo o mar, eu nele como se fosse o meu mundo, a água fresca a levar-me ao colo, o ruido de cada onda. Há muitos anos que não sinto o mar, desde que o meu coração começou a enfraquecer e a alterar o batimento quando entrava n a água fria. Ainda sinto as alegrias de um dia de praia, molhada sob o sol de verão. 


publicado por velhoparafuso às 18:25

link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 22 de Janeiro de 2021

Fazer alguma coisa

Neste sem fim de atalhos que estou encontrando e que tenho de escolher para viver os meus dias, há decisões tristes e há decisões perfeitamente idiotas, há cómicas, etc, etc. Assim, analiso sentimentos e analiso os passos mais racionais que vou dando. A Mãe Natureza, como qualquer mãe, ampara-me na caminhada, porque eu sei que é a ela que pertenço e por ela vivo. A humanidade pensa e promove erradamente, que a Terra lhe pertence e pode fazer dela e nela tudo que lhe der prazer. Errado. Somos nós que lhe pertencemos para que a vida se complete. Para que o Infinito nos leve a Casa em dia distante, onde não existe Tempo nem Espaço. Onde Tudo é.


publicado por velhoparafuso às 18:26

link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 15 de Janeiro de 2021

A emoção de escrever

Quando se escreviam cartas a amigos, namorados ou familiares, libertavam-se sentimentos. Ficavamos aliviados, libertos de pressões que nos mantinham presos a determinados pensamentos, Cada carta, mesmo com poucas linhas, podia dar origem a muitas alegrias ou até tristezas. Havia uma ligação humana que não pode existir na troca de um e-mail ou mesmo na conversa telefónica. Não se usam as mesmas expressões, os mesmos sinais que unem duas pessoas. Escrevi e recebi muitas cartas, muitas de amor, apaixonadas e comoventes. Cada geração fará o seu caminho e dele tirará o que eu tiro do meu: algumas dores mas muitas, muitas alegrias. 


publicado por velhoparafuso às 12:21

link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 14 de Janeiro de 2021

A mascara

De todas as cores, com flores ou desenhos simbólicos, eis a nova moda para todos os rostos. Desta forma a defesa é maior ou até completa. Mas o aspeto é péssimo porque os rostos estão escondidos, Olhos novos ou velhos não expressam o valor de um sorriso, de uma boca triste ou húmida de chamamento. É para mim, uma forma de alterar uma conversa para mais difícil e até conversa incompreensível. Muitas são as pessoas que sentem falta de ar e respiram com esforço. Como estou há meses em casa quase não me mascaro, digo, uso a defesa contra o ser invisível que castiga toda a humanidade.


publicado por velhoparafuso às 18:00

link do post | comentar | favorito

Domingo, 10 de Janeiro de 2021

As leituras de quem escreve

É tudo subjetivo ou seja, cada palavra escrita não é igual no seu significado quando for lida, Há nuances, há motivos que deformam a ideia do escritor. Pode parecer estranho este pensamento, mas ocorrendo pode e deve ser analisado. Claro se a palavra escrita for madeira, o seu significado é uma matéria natural que tem muitos métodods de ulilizaçáo. Mas se for árvore, o leitor pensa em uma espécie que lhe seja cara ou próxima, podendo assim alterar o que o escritor idealizou. Nada é o que parece no mundo das ideias Porque pensamos de modo diverso e construimos diferentes projeções. Só, neste quarto, como se fosse uma casa grande, viajo pensando, idiota e triste. E por isso estes raciocinios obliquos e insanos. Mas o uso de cada palavra, escrita em silencio, serve para alimentar a vocação e o prazer de dizer coisas que ninguém teria paciência em ouvir.


publicado por velhoparafuso às 17:59

link do post | comentar | favorito

Sábado, 2 de Janeiro de 2021

O vírus e o medo

Estamos de novo a sentir o medo de algo invisivel e invasor. Ordem do dia, ficar à espera que o tempo passe até novo teste, comendo no quarto e usando a imaginação para não ficar maluco nesta solidão. Talvez escrevendo para o lado do avesso encontre uma risada para e sobre mim. Estou como uma dobradiça, cansada de virar e de tudo que vou pensando sobre esta fase da vida de todos nós.


publicado por velhoparafuso às 16:28

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28


.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

blogs SAPO

.subscrever feeds