.posts recentes

. O calor nos meus dias

. Meia hora de vida

. Saudade de mim

. As noventa primaveras

. Ao Pai

. Afinal ainda estou por aq...

. O poder da palavra

. Dia de chuva

. Entender este tempo

. Em guarda

.arquivos

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

Domingo, 20 de Outubro de 2013

Os guardados

É licito e até suave guardar objectos como lembrança e mais tarde rever esses guardados com alegria ou com tristeza. Por vezes com indiferença. Abrir mão de cada coisa e aventá-la, pede alguma coragem e a consciência de que nada nos prende a essa recordação. Caixas e caixinhas, bonecos, frascos de perfume, que estando vazios, são elegantes ou teem uma história secreta, roupas antigas, usadas por alguém amado, etc, etc. Assim, gavetas cheias, são pequenos museus de faz de conta, que todos nós queremos deixar aos nossos parentes. Estes, após a nossa partida, terão muita dificuldade em encaixá-los nas suas habitações modernas e até encontrar neles alguma razão para os manter em casa. Se houver valor monetário, aí sim, serão benvindos. Estes meus guardados estão a ser deixados no caminho. Pessoas amigas, mas estranhas, gostam e aceitam como presente. Tratam de mim com carinho e é só e é muito. Os amigos antigos não estão já aqui, a família partiu também. Guardar, para quê? A vida é um rio, onde todos vamos sem retorno. Basta lembrar, para ter. Tudo e todos existem dentro de nós. Aí está a vida eterna.


publicado por velhoparafuso às 17:37

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30



.tags

. todas as tags

.favorito

. Maratonistas

. o que acontece?

. Ida e volta

blogs SAPO

.subscrever feeds